[Valid Atom 1.0]

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Rodrigo Santoro fala sobre 'Os Desafinados' e diz que não sabe até quando fica no Brasil


Quarta-feira, 20/08/2008

O ator, que vive o pianista Joaquim no filme de Walter Lima Jr., disse que está aguradando a agenda de divulgação na Europa do longa 'Che'

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

153 muertos en el peor siniestro aéreo de los últimos 30 años

Accidente aéreo en Barajas

SANTIAGO CASTAÑEDA / LUIS ALMODÓVAR 20-08-2008


ELPAÍS.com se desplaza hasta la T4 para conocer de primera mano los detalles de la tragedia

IFEMA se convierte en un tanatorio improvisado

JUAN VINUESA / CARLOS ROSILLO 20-08-2008


Imágenes de la llegada de los fallecidos a IFEMA




En el avión iban 172 personas.- Hay 19 supervivientes, algunos heridos de gravedad, según confirman fuentes de la Comunidad de Madrid.- El vuelo es el Spanair JK5022 que se dirigía a la isla de Gran Canaria.- Teléfono de atención: 800 400 200

ELPAÍS.com - Barajas / Madrid - 20/08/2008


153 personas han muerto tras el accidente de un avión de Spanair (vuelo JK5022) con 172 personas a bordo y dirección a la isla de Gran Canaria, según han confirmado a EL PAÍS fuentes de la compañía. La ministra de Fomento, Magdalena Alvarez, ha confirmado estos datos cerca de las once de la noche, en lo que ya es el peor siniestro aéreo en 30 años. El consejero de Presidencia, Justicia e Interior de la Comunidad de Madrid, Francisco Granados, aseguró que había "20 heridos ingresados en hospitales de la Comunidad, de los que han identificado a 16", varios de ellos en estado grave. (Consulta su evolución y el hospital en el que se encuentran). Uno de los heridos, un joven de alrededor de 25 años, ha muerto cerca de las 22.00, con lo que quedan 19 supervivientes. La gravedad de algunos de ellos lleva a pensar que la lista de muertos irá en aumento. Teléfono de atención e información: 800 400 200.

Según Spanair, el aparato tenía un total de 172 personas a bordo: 162 pasajeros (incluidos dos niños) y 10 personas de la tripulación. La compañía ha colgado de su página web la lista de pasajeros, sin especificar quiénes de ellos han sobrevivido.

El jefe del dispositivo de emergencias habilitado en el aeropuerto, Ervigio Corral, aseguró que el avión de Spanair siniestrado está "destrozado" y que habían "rescatado a 28 heridos" de entre los restos del avión.

El avión ha despegado y ha ascendido unos metros antes de precipitarse, con el motor izquierdo incendiado, cerca de las 14.45, informa F. J. Barroso. El accidente se ha producido más o menos a un kilómetro de la Terminal 4, en la Pista 36, la más apartada y conocida como La Isla. El incendio provocado por el avión ha quedado extinguido minutos después de las 17.00. El vuelo ha salido con una hora y media de retraso, posiblemente por problemas técnicos, extremo que aún no ha sido confirmado por la compañía ni por AENA. Se trataba de un vuelo de código compartido con el vuelo Lufthansa LH 255, del que iban siete pasajeros, cuatro de ellos alemanes, sin que se haya confirmado aún su estado. El consulado sueco ha confirmado la presencia de dos ciudadanos de su país entre los pasajeros. Fuentes chilenas, por su parte, confirman la presencia de al menos un pasajero de esa nacionalidad.

Los cadáveres están siendo trasladados al pabellón 6 de IFEMA, donde ya han llegado varios coches fúnebres. Las familias de las víctimas se han congregado en el recinto ferial, el mismo lugar donde llegaron en su momento los cádaveres de los muertos el 11-M. Allí se prevé la presenacia del presidente del Gobierno, José Luis Rodríguez Zapatero y de Sus Majestades los Reyes.

"Estaba todo lleno de cuerpos"

Abatido y con el rostro desencajado, un trabajador de AENA, testigo de los hechos, ha corroborado las dimensiones de la tragedia: "El avión estaba todo partido, todo estaba lleno de cuerpos", ha asegurado el hombre.

Según testigos presenciales, el motor izquierdo del avión ha empezado a arder poco después del despegue, informa Rafael Méndez. El aeropuerto de Barajas se ha reabierto al tráfico poco antes de las cinco de la tarde.

El avión y la compañía

Por su parte, Sergio Allar, director comercial de Spanair, ha sido escueto en sus explicaciones y ha asegurado en rueda de prensa en Madrid que la compañía no tiene "todavía ninguna información" y que "no podemos especular". "Es responsabilidad de aviación civil llevar a cabo la investigación y Spanair facilitará la información disponibles a aviación civil", informa Mokhtar Atitar.

El avión es un MD-82 fabricado por la firma McDonnell Douglas y que había pasado una revisión completa el pasado 24 de enero.

En el operativo desplegado han intervenido 230 sanitarios, 170 policías municipales, 70 bomberos del Ayuntamiento de Madrid y cerca de 45 ambulancias y se han establecido cuantro hospitales de campaña en el lugar del accidente.

El peor accidente de la historia se produjo el 27 de marzo de 1977 en el aeropuerto de Los Rodeos (Tenerife) donde fallecieron 583 personas al chocar dos aviones. En los últimos diez años han muerto 42 personas en accidentes aéreos. El último accidente más grave se produjo en Bilbao el 19 de febrero de 1985 y en el que murieron 148 personas.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Cifra de muertos aumenta a 153 y Zapatero promete máximo apoyo a las víctimas

ACCIDENTE AÉREO (Tercer resumen) (Corrección)

(Corrige en el tercer párrafo de la información NA3095, la
localización del avión antes del siniestro)

Madrid, 20 ago (EFE).- La ministra de Fomento, Magdalena Álvarez,
ha cifrado en 153 el número de víctimas en el accidente aéreo
ocurrido en el aeropuerto de Barajas, a donde ha acudido el
presidente José Luis Rodríguez Zapatero para asegurar que el
Gobierno "volcará todos sus esfuerzos" en la ayuda a las familias.
La titular de Fomento ha comparecido de nuevo para informar del
número de fallecidos tras contrastar los datos con la compañía
Spanair, propietaria del avión siniestrado en una pista del
aeropuerto madrileño cercana a la Terminal 4.
Álvarez ha explicado que el siniestro se produjo a las 14.45
horas en un segundo intento de despegue del avión, después de que el
comandante hiciera volver a la aeronave al estacionamiento del
aeropuerto al detectar "una incidencia".
El jefe del Ejecutivo se ha trasladado al aeropuerto donde, en
una breve intervención ante los medios de comunicación, ha
comprometido el máximo apoyo del Gobierno a los familiares de las
víctimas y ha asegurado que el Ejecutivo, como el resto de los
ciudadanos, se encuentra conmocionado y afectado por la "terrible"
tragedia.
Zapatero suspendió sus vacaciones en Doñana (Huelva) y se
trasladó a Barajas para conocer de primera mano los trabajos de
rescate de las víctimas y de asistencia a los heridos y a las
familias.
Tras expresar sus condolencias y manifestar su reconocimiento a
los servicios públicos, desde la Policía Nacional a la Guardia
Civil, el Samur y los bomberos, el jefe del Gobierno ha indicado que
la comisión de investigación del Ministerio de Fomento comenzará a
trabajar inmediatamente para determinar las causas del accidente.
Las tareas de rescate de los cuerpos de las víctimas continuarán
durante toda la noche, ya que quedan restos debajo del fuselaje de
la aeronave.
Entre los pasajeros del avión siniestrado, según la lista que ha
facilitado la compañía aérea y en la que no se especifica si han
fallecido o han resultado heridos, viajaban veintidós niños.
A su vez, los cadáveres ya rescatados han sido trasladados al
recinto ferial IFEMA, adonde también se están desplazando los
familiares para contribuir en los trabajos de identificación.
Alrededor de 70 psicólogos y peritos forenses ayudan a los
parientes en las fases iniciales del proceso de identificación, que
se está llevando a cabo en cuatro salas habilitadas por orden
alfabético.
Muchos de los familiares, visiblemente afectados, han sido
atendidos en la puerta norte del recinto ferial por el cuerpo de
psicólogos movilizados por Samur-Protección Civil, así como por los
voluntarios desplazados a la zona y otros profesionales de
organismos públicos.
Al lugar en el que se está procediendo a la identificación de los
cadáveres han acudido el alcalde de Madrid, Alberto Ruiz-Gallardón,
el ministro de Justicia, Mariano Fernández Bermejo, entre otras
personalidades, y también lo hará el presidente del Gobierno tras
visitar la Terminal 4 del aeropuerto de Barajas.
Por la T-4 han pasado igualmente muchos familiares de los
fallecidos, que no han podido contener las escenas de tensión y de
tristeza.
Está previsto que a lo largo de las próximas horas sigan llegando
a Madrid familiares de los fallecidos procedentes de Gran Canaria,
algunos de ellos embarcados en aviones de Spanair.
De hecho, el nerviosismo provocado por el accidente ha disparado
la demanda de tranquilizantes en la farmacia de la Terminal 2, en
donde opera Spanair.
Precisamente un contingente de trabajadores de la compañía se
encuentran en el Ifema y en el hotel Auditorium de Madrid, a donde
se trasladarán para descansar los familiares que lo deseen, con el
fin de asistir a las familias de las víctimas.
Además, el juez que se ha hecho cargo de la investigación del
accidente aéreo ha prohibido la difusión a los medios de las
imágenes del suceso captadas por los miembros de Emergencias Madrid,
según informaron fuentes jurídicas. EFE

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

PASSENGER LIST JK 5022 20AUG08







PASSENGER LIST JK 5022 20AUG08


TIME: 1520 LT

NAMES

--------------------------------------------------------------------------------

ROUTE MADLPA

MEDINAVEGA/YAIZA

ACOSTAMENDIOLA/ALFREDO

ACOSTASIERRA/ALFREDO

DOMINGUEZPEREZ/ISABEL

GONZALEZCABANAS/MARI

HERNANDEZGIL/MARCO

MARTINDOMINGUEZ/CRIS

MARTINPEREZ/MANUEL

MENDIOLARODRIGUEZ/GR

ORTEGA/LEANDRO

VIDALRODRIGUEZ/RAFAEL

AFONSOMARRERO/PEDRO

AFONSOSOSA/JORGE

AFONSOSOSA/MIGUEL

ALCAZAR/MARIA DE LAS

ALCAZARASENSIO/INMAC

ALCAZARJIMENEZ/JOSE

ALONSOALONSO/JOSE

ALONSOFILLOY/AMALIA

ALONSOFILLOY/MARIA

ALVARADO/OSCAR GABRI

ALVARADO/ROBERTO

ALVARADO/ROBERTO ALE

ALVAREZCARRETERO/MAR

ALVAREZCARRETERO/ROB

ANDRACAGOLZARRI/

ANDRAKAGOLZARRI/ISAB

ASENSIOCHAVES/MARIA

BACHO/MUKESHMANI

BARBOSARAMIREZ/ELSA

BERNAOLAITURBE/MIGUE

BETANCORSANCHEZ/VERO

BORGE/ESPERANZA

CABALLERO/DAVID

CARPINTERORUIZ/ANGEL

CELISDIBOWSKY/YANINA

CHARILAS/PIERRICK

CHARILAS/ETHAN

CIPRIAN/CARMEN

CONEJO/SARA

CONTRERASBAEZA/MARIA

CORTESCABRERO/NIEVES

DELARIVA/SERGIO

DELGADOESTEVEZ/LIDIA

DELGADOCORCOBADO/CAR

DIAWARA/DEMBA

DIAZGONZALEZ/CLARA M

DIAZMENDOZA/MARIA DE

DIEPALEON/MONICA

DOMIGUEZORTIZ/CRISTI

DOMINGUEZ/ISAAC

DOMINGUEZMELIAN/ALIC

DOMINGUEZMELIAN/ARAC

ERDIL/MUSTAFA

ESTEBANCONTRERAS/LAI

ESTEVEZGONZALEZ/MARI

FALCONDENIZ/AYOZE JA

FERNANDEZ/JULIANA

FERRONOLMEDO/FERNAND

FILLOYSEGOVIA/AMALIA

FLORESGARCIA/ANA GEM

FLORESGARCIA/JOSE PA

FONTRODRIGUEZ/MARIA

FORTANNERNOU/MA DEL

GALLARDO/TAMARA

GALLEGOORTEGA/ANA

GALLEGOORTEGA/CRISTI

GARCIAHERNANDEZ/CARL

GARCIAFERNANDEZ/MARI

GARCIAHERNANDEZ/ELEN

GARCIAMARTIN/LAUDENC

GARCIADELCARPIOROME

GARCIASANCHEZ/ANTONI

GARCIA/MARIANO MR

GOMESSILVA/RONALDO M

GOMEZ/CECILIA

GONZALEZDIAZ/PEDROAN

GONZALEZFERREIRA/PIL

HERNANDEZ/ABENAUARA

HERNANGOMEZ/PEDRO

HERNANDEZ/ZENAIDA DE

HERNANDEZ/SIOMARA Ms

HERNANDEZGUEDES/LUCR

HERNANDEZMARTIN/MARI

HERRAEZNOGUERAS/CARL

HULT/ANNMARIE MS

IBANEZSANCHEZ/BETSAB

JULIHENRIQ/AGUSTIN

JULIHENRIQ/MANUEL

LOPEZDUQUE/PILAR

MARQUEZVALLE/PILAR

MARTEL/MANUEL

MARTIN/MONICA

MARTINCONSUEGRAPENA

MARTINEZCONDE/MERCED

MENDOZAMARCIAL/ANGEL

MOLINORODRIGUEZ/TELE

MORALES/MA TERESA

MORENOPEREZ/RAFAEL M

MORILLOPEREZ/PATRICI

MROTZEK/CLAUDIA

MROTZEK/GERD

MROTZEK/LUCAS

MROTZEK/NIKLAS

MURIANALOPEZ/JUAN MR

MURIANAMARTINEZ/MERC

NARANJO/JORGE

NARANJO/JORGE

NARANJO/RAQUEL

NODAPENA/FAYNA ELIZA

NORIEGAREY/SERGIO

NORIEGAREY/VICTOR

NORIEGARICO/MARIO

NUNEZFRANCISCO JAVI

NUNEZ/MARIA

NUNEZPIRETTI/EUGENIA

NUNEZPIRETTI/JORGE

OJEDAPEREZ/CLAUDIO M

ORTEGASANCHEZ/M CARM

ORTEGADELACRUZ/GABRI

OSPINA/GLADYS

PALOMINORIVEROS/LIGI

PAYERAS/DANIEL

PEREZDEOBANOSLISO/JO

PLACERESPEREZ/INES M

PRADOS/BALDOMERO

PRADOS/IGNACIO

PRADOS/JOSE FRANCISC

PUYECEESAY/MUSTAPHA

PUYEFORTANER/SIRA

RAMIREZGONZALEZ/MARI

RAMIREZRODRIGUEZ/JOS

REITZSAAVEDRA/ESTHER

REYESOJEDA/MARIA BEA

REYMURILLO/MARIA LUI

RISO/DOMENICO

RIVEROSUAREZ/RAYCO

ROBAINASUAREZ/JOSE V

RODRIGUEZDAVILA/HONO

ROJOROSA/M CARMEN

RONDONUWU/NGUNI TOKA

SANCHEZ/PABLO ENRRIQ

SANCHEZBERNAL/TOMAS

SANCHEZORTIZ/MARIA D

SANCHEZPEREZ/RUBEN D

SANGRADOR/JORGE

SANTANACASTILLO/CARM

SANTANAMATEO/RUBEN M

SOSAHERNANDEZ/MARIA

STANIMIROVA/ANTOANET

STEFANIDES/ANNA MAIJ

SUAREZESTEVEZ/JAVIER

TATEPEREZ/KIM YVONNE

VALLEJOJUNCO/M DEL C

VALLESMARCOS/FRANCIS

VERANESPEREIRA/ANAM

VILLANUEVAMARTIN/ALE

VILLANUEVASANTANA/AL

VILLANUEVASANTANA/DA

VILLANUEVASANTANA/KE


Press Release regarding the accident Spanair flight number JK 5022 on the route Madrid-Las Palmas.

Spanair informs that after contacting all the families of the passengers on board JK 5022 in Madrid, Spanair has proceeded to publish the list of passengers on their web site (http://www.spanair.com/web/en-gb/DSite/Listing-of-passengers).

Spanair wishes to express their condolences to the families of the victims of this terrible accident. The company is doing everything possible to help the families and assist their immediate needs.

The accident occurred at 14:45 local time during take off, aircraft type MD-82, with registration EC-HFP. The aircraft was carrying a total of 172 people of which 162 were passengers, 4 passive crew members and 6 flight crew.

Two special telephone lines have been established to provide information to relatives and friends seeking information regarding those on board. The number to ring from Spain is +34 800 400 200. The number to ring for information from abroad is +34 971 91 650.

Note to Editors: we ask journalists to contact the media information centre that has been specially established to provide you with updated information. The number is +34 91 625 87 03. Please do not call the passenger help line.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Bob Dylan oferece música para download gratuito


"Dreamin' of you" pode ser baixado no site oficial do cantor.
A faixa faz parte de novo capítulo da série de raridades.
Do G1, com informações da Reuters

Foto: Notimex/AFP
Notimex/AFP
Bob Dylan durante show na Cidade do México no último dia 26 de fevereiro (Foto: Notimex/AFP)

"Dreamin' of you", música de Bob Dylan que não havia sido lançada anteriormente, está sendo disponibilizada para download grátis na internet. A estratégia visa o lançamento de "Tell tale signs", o oitavo capítulo da compilação de raridades "Bootleg series".

Esses últimos discos focam os álbuns das duas últimas décadas, desde "Oh mercy", de 1989, até "Modern times", de 2006.

A faixa pode ser baixada no site oficial de Dylan, o www.bobdylan.com. A música faz parte das gravações do disco "Time out of mind", de 1997, considerado a grande "volta à forma" do cantor depois de muito tempo.

Formatos

A Columbia Records vai lançar "Tell tale signs" em 7 de outubro, em três formatos: um álbum duplo padrão com 27 canções, uma edição limitada com disco de bônus com outras 12 canções, e uma versão em vinil com quatro LPs que vai incluir tudo do álbum de dois CDs.


A maioria das faixas vem das sessões de gravação de "Oh mercy" e de "Time out of mind", de 1997.

As seleções do primeiro CD incluem um demo de piano de "Dignity" e duas versões alternativas de "Most of the time"; do último, uma versão ao vivo de "Cold irons bound" gravada durante a apresentação de Dylan no festival Bonnaroo, no Tennessee, em 2004.

As sessões de seu álbum de covers folk "World gone wrong", de 1993, renderam "32-2- Blues", descrito como a primeira versão lançada por Dylan de uma canção de Robert Johnson.

A "Bootleg series" começou em 1991 com um pacote de três CDs de faixas raras e inéditas, cobrindo 27 anos. O lançamento mais recente, em 2005, foi a trilha sonora do documentário "No direction home".

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Ângelo Paes Leme fala de seu personagem em 'Os Desafinados'


Quarta-feira, 20/08/2008

Ator conta como foi voltar à bossa nova no filme de Walter Lima Jr e fala das dificuldades que a equipe encontrou para filmar em Nova Iorque

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Fábio Assunção grava "Negócio da China" no Rio


Durante os intervalos, o ator atendeu fãs e falou ao celular

Quem Online

Philipe Lima

Fábio Assunção chamou atenção de quem passava na terça-feira (19) pela praça dos Três Poderes, no Rio. O ator passou grande parte da tarde no local, gravando cenas das próxima novela das 18h, "Negócio da China".

Ao lado de Grazi Massafera e Ricardo Pereira, Fábio é um dos protagonistas da trama de Miguel Falabella. Enquanto aguardava sua vez de gravar, o ator falou ao celular e conversou com a produção.

Após a gravação, que foram realizadas tanto na rua como dentro de um carro, o ator posou para fotos com fãs e deu autógrafos.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Fábio Assunção grava "Negócio da China" no Rio


Durante os intervalos, o ator atendeu fãs e falou ao celular

Quem Online

Philipe Lima

Fábio Assunção chamou atenção de quem passava na terça-feira (19) pela praça dos Três Poderes, no Rio. O ator passou grande parte da tarde no local, gravando cenas das próxima novela das 18h, "Negócio da China".

Ao lado de Grazi Massafera e Ricardo Pereira, Fábio é um dos protagonistas da trama de Miguel Falabella. Enquanto aguardava sua vez de gravar, o ator falou ao celular e conversou com a produção.

Após a gravação, que foram realizadas tanto na rua como dentro de um carro, o ator posou para fotos com fãs e deu autógrafos.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Fábio Assunção grava no Aterro









Fábio Assunção está de volta ao trabalho. Depois de um tempo afastado da TV para se tratar dos problemas com drogas, o ator gravou neste terça-feira, no Aterro suas primeiras cenas para a novela “Negócio da China”.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

"Eu não era o melhor. Mas banquei o risco'


Ilan Kow e Luiz Américo Camargo - O Estado de S.Paulo


SÃO PAULO - Alex Atala chegou aos 40 anos, em junho. Vai abrir um novo restaurante, também na R. Barão de Capanema, o Dalva e Dito. E está lançando Escoffianas Brasileiras, um livro em que desfia praticamente todo o conhecimento que acumulou nesses anos de cozinha, de receitas de base a noções de gestão empresarial. Se em condições normais Atala já é um entrevistado dos mais eloqüentes, neste momento ele tem mais do que nunca o que dizer. Não apenas sobre seu trabalho, mas também pela capacidade de fazer conexões que cortam com naturalidade o tempo e o espaço, partindo de um ingrediente amazônico, aportando em Michel Bras, saindo da cozinha clássica, chegando às agruras da vida de empreendedor, mesmo sendo o cozinheiro mais famoso do Brasil.

Foto: Jonne Roriz/AE



Nesta entrevista, produto de mais de três horas de diálogo, o chef explica as motivações que o levaram a uma obra ambiciosa, cruzamento improvável de inspirações extraídas de Escoffier e de Villa-Lobos, livro ao qual o Paladar teve acesso em primeira mão. E fala com absoluta sinceridade sobre fama, bastidores de cozinha, inseguranças - como a ansiedade para acertar no conceito e no cardápio do Dalva e Dito, com inauguração prevista para outubro. Uma conversa repleta de referências, algumas delas explicadas no decorrer das três páginas que se seguem, pontuada por nomes e palavras-chave.

O livro, em 532 páginas, apresenta 107 receitas, pratos que fizeram e fazem parte da história do chef e do cardápio do D.O.M.. Muitas delas são difíceis de preparar em casa sem o aparato de um restaurante, mas não havia a intenção de simplificá-las. "Chefs são atletas de alta performance", diz o próprio Atala. Ainda assim, fizemos questão de testar um dos pratos, mais executável em condições domésticas. E convidamos não um mestre-cuca profissional, mas uma "cozinheira de madame" para conferir o risoto de arroz preto com manteiga de garrafa e catupiry.

Por que e para quem você escreveu essas 'Escoffianas'?

Quando escrevi as Escoffianas Brasileiras eu tive um rompante de modéstia (risos). Tinha pensado num projeto com três livrinhos. Um para aprendizes, um para gourmets e outro para o profissional. Resolvi compactar tudo e deixar a escala de aprendizado por conta e risco (do leitor). Na parte que acabei chamando de "realidade", falo que uma parte é destinada aos profissionais de alta performance, atletas da cozinha. Um cara sem treinamento, sem equipamento, não chega a resultados. Tive essa preocupação de dividir o livro em três partes e pelo menos dois níveis de discursos diferentes. Até o básico e o intermediário, o "sonho", a conversa é mais fluida. Já no fim do livro pretendo ser mais assertivo, com um discurso um pouco mais duro, para que ao abrir o livro, mesmo que seja um livro para leigos, o leitor veja como é que é... Tem uma coisa que escrevi que é o seguinte: "Se me encontrar na rua e disser que minha receita não deu certo, cuidado que eu vou te chamar de preguiçoso". Pois me enche muito o saco essa história de que não dá certo. Não dá certo porque o cara quer fazer um risoto com caldo Knorr, arroz Tio João e aí vem me encher o saco que não dá certo. Pô...

Você imagina que algumas pessoas possam querer virar cozinheiro por causa desse livro?

Se vier, é brinde. O que imagino para o livro é essa coisa que eu botei no título, que as pessoas realmente comecem a ter orgulho do Brasil. O nome, essa história de Escoffianas Brasileiras, é clara referência ao Villa-Lobos. A vitória do livro vai ser se eu conseguir tocar algumas pessoas, mas principalmente se conseguir ver o produto brasileiro nos mercados, ou fazer as pessoas entenderem que gabiroba é diferente de guariroba; que farinha amarela e farinha branca são diferentes; que entre farinha de mandioca tostada e crua tem diferença. Se chegar a transformar pessoas em cozinheiros, ou se pessoas que já são cozinheiros assimilarem esse livro, acho que aí estará a vitalidade do trabalho. É a seqüência da obra. Aí eu começo a acreditar que valeu a pena escrever um livro.

Você é o Villa-Lobos da cozinha?

Conhecer Villa-Lobos no trajeto da minha cozinha, de aprender a fazer cozinha e forjar meu estilo, foi fundamental para entender algumas coisas, esse orgulho. O que Villa-Lobos fez é incrível. Ele levou o folclore brasileiro a um núcleo reacionário que era a música clássica nos anos 30 e se impôs. Chegou à França, à Inglaterra com um discurso não de quem vai aprender, vai ensinar. Era um sujeito arrogante, seguro. Segurança que talvez eu não tenha, mas que me inspira. Sou incapaz de chegar em uma entrevista internacional e dizer: vou à França, à Espanha não para aprender, vou ensinar. Acho que aprendo mais do que ensino e a prova disso é a evolução que a gente teve no D.O.M. nos últimos anos.

Esse livro dá uma impressão de que você contou tudo o que sabia. Qual é o próximo?

Eu gostaria muito, não sei se num livro, mas de fazer uma sistematização de cozinha brasileira. Propor que se adotasse no plano da cozinha uma nova divisão do Brasil que não seria essa geográfica, tal qual a gente conhece. Seria pelos biomas e, dentro disso, um receituário e ingredientes. Por que uma coisa num lugar se chama taperebá e em outro cajá e em outro lugar cajá-manga, sendo que existe mais de um cajá-manga? Tem uma série de ingredientes que mereciam estudo, enfim. Acho que tem uma coisa aí de imergir tecnicamente. Talvez seja um livro que eu faça com Alain Poletto. O Alain tem uma didática melhor que a minha. Óbvio, são 14 anos de docência, que dão a ele uma clareza que eu, às vezes, não tenho. Mas gostaria de fazer um livro de técnicas fundamentais para a cozinha e procedimentos de cozinha brasileira ou da minha cozinha, coisas que a gente fez e possam virar técnica amanhã. Nessas horas, conviver com o Alain Poletto tem sido muito divertido. Em alguns momentos eu falo com ele de assados, de vácuo, conversa francesa pura, pura, pura, e dura. E em alguns momentos ele olha para minha cara e diz: "Mas o que é isso que você está falando?Não, isso é cozinha brasileira". Aí você vai mostrar e ver, aí tem uma técnica que a gente faz assim, assado. Existe uma sintonia de trabalho e uma série de descobertas nossas que eu gostaria muito de transformar num livro.

Pensando só no Brasil, aqui você acha que você ensina, você já tem uma escola?

Aqui não ensino, mas inspiro. Vou dar aula em escola de gastronomia e os alunos ficam me olhando. Isso preocupa. Os últimos meses me fizeram repensar nas coisas que falo, nas atitudes que tomo, na irreverência que carrego dentro de mim. Eu vejo que tem uma geração nova se inspirando, às vezes, crianças pequenas. Tenho um filho de 13 anos e na escolinha dele algumas meninas falam: "Eu quero ser como o Alex Atala." Puxa, o que é ser como o Alex Atala? É ser irreverente ou ser um profissional de verdade? Essas são dualidades que estou começando a rever dentro de mim - ser tatuado, boca-dura, falar palavrão. São coisas que penso: será que posso mudar?... Eu não pretendo mudar (risos).

Fazendo uma analogia com o Guga: não era para o Brasil produzir um campeão mundial de tênis. A Argentina até pode, porque tem milhares de pessoas jogando, até na rua. O Guga foi um ponto fora da curva. Você, claro, vai ter uma carreira muito mais longa. Mas você se acha um produto da cultura gastronômica ou é um ponto fora da curva?

Acho que sou um ponto fora da curva, mas acho que vou ter sucessão, não acredito que serei um fenômeno isolado.

Você vai deixar legado?

Eu acho que já vou deixar. Existe uma coisa que a gente não pode negar. Se não fossem esses chefs franceses, não existiria esse ponto fora da curva. Eles abriram espaço para tudo isso. Laurent, Emmanuel Bassoleil, Erick Jacquin. O Jacquin, principalmente, um dia olhou para minha cara e disse: "Alex você nunca vai ser como eu fazendo cozinha francesa. Faz cozinha brasileira e eu nunca vou ser bom como você". Isso foi quando eu estava abrindo o D.O.M..

Mas por que foi você que despontou na sua geração?

Eu fui o mais autêntico. Banquei o risco, era o diferente, eu talvez fosse o que tivesse menos formação, menos apoio, não tinha um "chef de cabeceira". Havia toda uma geração que despontava comigo, mas eu banquei o risco. Sempre acreditei em duas coisas, que me fazem ter uma razão. A primeira: só fui conhecer salmão, foie gras, trufas, depois de já trabalhar com cozinha. Esses sabores não me fizeram me jogar no chão e dizer "é maravilhoso". Foram sabores que fui aprender a comer, que tive de entender. Os outros sabores que tive na infância me traziam mais prazer. Gosto muito mais de pequi, de maturi e de cambuci. A segunda: comecei a fazer uma cozinha não pensando em agradar a brasileiros, mas a quem fosse viajante, que viesse de fora, e, por coincidência, tivesse a cabeça aberta, não se assustasse com um prato que chama quiabo, quiabo, quiabo e quiabo. Quando você faz um prato que é, entre aspas,"monográfico", de um ingrediente odiável, maldito...

Marginal.

É, marginal. Quero fazer um livro sobre malditos. Caça é maldita, anchova, aliche são malditos. Malditos no sentido amplo. Gorduras... Uma das brincadeiras que tinha pensado é "tudo o que é bom na cozinha pega fogo": álcool, gordura e açúcar. Tem esse lado da história que é o de comprar o risco. No Filomena eu fiz um prato que era manga grelhada com maracujá e pimenta. Era um prato que, na época, algumas pessoas amavam e outras simplesmente odiavam. Amigos colocaram como sobremesa, gostaram de comer e colocaram como sobremesa... E hoje teve uma força. Eu poderia botar no Escoffianas Brasileiras a manga grelhada que ela seria atual.

Então vamos fazer uma provocação. Você fala do pequi, do cambuci, ingredientes que precisam ser descobertos, domados. Mas sente mesmo mais prazer em comer pequi do que foie gras?

Hoje em dia? Sinto.

Mas é um prazer gustativo ou mais ideológico?

Deixa eu falar uma coisa. Pergunta ao Jacquin se ele quer comer foie gras. Para nós, profissionais de cozinha, vira obrigação. Eu não sei se o meu cliente tem o mesmo prazer. Uma das características da minha cozinha é que não é proibido comer nada. Se qualquer cozinheiro meu quiser abrir uma lata de caviar e comer, pode. Eu mostro depois: devo ter uns 30 quilos de foie gras congelado e não sei o que fazer. Porque as pessoas não querem, sobra. Sempre coloco um ou dois a mais porque às vezes, murcha. Ninguém quer e ainda por cima dizem: dá lá para o estagiário.

E o que é que não sobra?

Galinhada, cupim, costelinha de porco, purê de cará... Essas coisas quando tem é colocar na cozinha e brigar...

Agora voltando um pouquinho, você fala sempre do Mocotó, você acha que seu sucessor pode ser alguém saído de escola?

Eu espero que sim, porque acredito que o jovem profissional ou jovem debutante na profissão tem que ter uma escola. Quando o currículo dele vai para um profissional de recursos humanos, quem não tem escola, se não tiver um grande 'QI', um grande pistolão, está fora. Acho o Rodrigo Oliveira um gênio, porque no Mocotó ele realmente faz uma cozinha do sertão, com ingredientes frescos, muitas coisas com favas, mocotós, conservas, coisas que a gente comeu a vida inteira, torresmo de boteco, que ele faz e você diz "meu Deus do céu, onde é que esse cara foi com isso?" Algumas coisas que comi lá dentro são melhores que o que eu faço, então tem mesmo que fazer reverência ao menino, ainda que seja sem querer, ou por querer, eu não sei, isso o tempo vai dizer para a gente.

Você até trata disso no livro, numa parte de carreira, mas você acha que na escola um talento vai ser desenvolvido?

Falei isso no livro, mas isso é uma coisa que falo faz tempo: cozinheiros são forjados, é fogo, água fria e pancada, igual a forja de uma faca, põe no fogo, dá porrada e esfria. É assim que se faz uma lâmina, é assim que se faz um cozinheiro. É muito difícil. Assim você pega meninos muito talentosos e aposta neles, mais isso não quer dizer que dê certo. Às vezes você pega um cozinheiro medíocre, que acho que era o meu caso, e de um dia para o outro desabrocha e sai uma coisa que você não espera

Pensando nos anos de Filomena, Namesa, anos 90, você tinha um trabalho que era reconhecido, já aparecia. Mas, de uns anos para cá parece que encaixou tudo. O que é isso, é a maturidade, foi o contato com Andoni, com Ferran, o que foi decisivo para seu trabalho?

Ir para a Espanha. No Filomena tinha fama de chef criativo, às vezes meio desconcentrado. A grande diferença do criador e do sonhador é a capacidade de realização. Eu não só sonhava no Filomena, eu criava, já tinha prenúncios de criação. Mas como toda criação, composição, precisa de revisão, precisa de exercício, precisa de treino. O dia em que conheci a Espanha foi uma grande virada. Acho que estou passando por um processo novo para mim. Você falou do Andoni, mas queria citar o Pascal Barbot e o Massimo Bottura. Acho que tem um viés do trabalho de nós quatro que é muito claro. Talvez seja a mudança que está acontecendo dentro de mim agora, a de olhar quatro caras com a mesma idade, todo mundo com uma filosofia de cozinha muito clara. Não é uma cozinha tão bulliana, não é tanto de espumas, de novas técnicas, é uma cozinha um pouquinho mais voltada para o clássico, mas com um potencial de criatividade, um elemento de criatividade que é essa intelectualidade que é uma característica prezada pelos quatro.

De fato, esse é um ponto que alinha bem o trabalho dos quatro, algo mais intelectualizado.

Quique Dacosta, por exemplo, que para mim é um gênio, é um dos grandes do mundo hoje, tem uma cozinha muito diferente da minha. Reconheço todos os méritos dele, mas eu não quero fazer aquela cozinha. Ele veio aqui e comeu, acho que também gostou muito da minha comida, mas tenho certeza que a influência minha sobre o trabalho dele vai ser muito pequena. Agora, com o Andoni, existe algo que é de um olhar para a cara do outro e falar assim: "Eu sei como você pensa", algo que não dá para explicar. Não dá para explicar os quatro meninos criando do mesmo jeito.

A Espanha foi em que ano?

A Espanha foi em 2000. Abri o D.O.M em 1999, e a primeira entrada na Espanha para fazer um circuitão gastronômico foi em 2000.

E como você descobriu, quem incentivou?

Acho que tem dois caras que são muito importantes para mim, o Lucas Souza e o Jacques Trefois, que sempre foram dois grandes entusiastas da cozinha espanhola e olhavam para minha cara e diziam "você tem que ir, não conhece, está louco?" O Lucas me pegou debaixo do braço, e disse "vamos lá", me mostrou quanto eu precisava refinar meu trabalho. O Jacques, sem dúvida, foi um dos primeiros a falar, "vai conhecer a Espanha, você não sabe do que está falando", me deu puxão de orelha, um chacoalhão.

O Massimo Bottura tem 45 anos. Ele tinha 38 quando foi estagiar com o Ferran, saiu de Módena e ficou quatro meses lá. Se você tivesse que sair, hoje, para estagiar com um grande chef, quem seria?

Com o Robuchon. Olhando todos os meus ídolos, acho que o Robuchon tem a busca da perfeição incessante, mas conseguiu, depois dos 50 anos, uma descontração que eu ainda não consegui. Vi uma aula dele o ano passado em Nova York. Eu também estava dando aula e ele deu a dele em seguida. O Robuchon é realmente o cozinheiro dos chefs, mesmo que Ferran, que é meu amigo, seja o grande gênio da cozinha. Hoje, se a gente olhar o mundo da restauração, até os restaurantes mais clássicos, direta ou indiretamente, foram influenciados pelo Ferran.

Ele mudou o jeito de comer...

Ele mudou. Como pensador de cozinha, Ferran é a grande revolução. Talvez maior que a da nouvelle cuisine, como valor de mercado. Mas o grande cozinheiro de todos os tempos é o Robuchon. Com todo o amor que eu tenho pelo Michel Bras, com a devoção que eu tenho por uma série de mitos da minha vida. Se eu tivesse que reaprender e botar a roupa de commis e ir lá picar erva eu gostaria que fosse com o Robuchon. É um cara que tem uma capacidade de rever infinita.

E já lhe ocorreu fazer isso?

Já, o problema é que hoje eu estou no olho do furacão. Adoraria poder parar mais, mas acho que ainda não é a hora exata.

Hoje, você poderia deixar o restaurante por três meses?

Eu tenho o Geovani, e não tenho medo de dizer o seguinte: o D.O.M. com o Geovani na cozinha talvez seja melhor do que comigo na cozinha. Eu sou mais tenso, sou mais enérgico, às vezes coloco a equipe num grau de tensão maior do que ele põe. Em mais de dez anos trabalhando juntos eu não sei o que é o Geovani irritado. Então, por curtos períodos eu tenho certeza de que o que ele faz é melhor do que eu faço. Consegue tirar da equipe um resultado melhor do que eu consigo. No livro digo que 50% do que sou devo ao Geovani. Ele é minha sombra. Conheci o Geovani quando ele servia cachaça no Largo da Batata, trabalhava num boteco. Escreve mal, lê mal, mas escolhe o que falam para ele, é impressionante a habilidade, a sensibilidade dele. Tenho que dizer que umas coisas que inventei ele faz melhor que eu (risos).

E ele é criador também?

Não, ele é executor. A única receita que não é criação minha, é 100% do Geovani, e um dos motivos pelo qual eu não vou tirar do cardápio, é o atum com suflê de palmito e molho de mel e gengibre. As pessoas adoram esse prato, que é do Geovani.

É a música que o John e o Paul deixam o George tocar.

(Risos)É, exatamente, a música do George.

Esquecendo os críticos, entre os seus clientes médios existe incompreensão?

Vou falar a coisa mais arrogante de toda esta entrevista: eu acho que estou num momento da carreira em que se eu fizer porcaria as pessoas tomam como bom. Estou falando isso pelo seguinte: o público é tão sem referência, que fala do Alex Atala e compra tudo como bom. Não estou falando que sou bom. É que às vezes a gente erra e as pessoas tomam aquilo como bom. Porque o leigo não comeu em grandes restaurantes, então tudo que está vindo é novidade. Então, se veio do D.O.M., é bom. Poucas pessoas são capazes de falar "não Alex, isso aqui não está do jeito que devia..." Existe o bom e o ruim de ficar famoso demais.

Tem uma coisa curiosa, justamente com a paleta que ganhou o Prêmio Paladar do ano passo. Algumas pessoas diziam: "Isso não é prato para comer no D.O.M.", por ser uma coisa não surpreendente...

Alguns pratos conservo no D.O.M. porque algumas vezes fui criticado por pessoas que diziam que não sabia fazer cozinha clássica. Sonhei, uma época, em fazer um menu clássico para o D.O.M.. Dois cardápios: um menu criativo e um clássico. Achei que seria uma traição a tudo que tinha feito na vida, mas me emputeço porque as pessoas exigem de mim só uma coisa. Eu sou um profissional e o arroz e feijão é o meu grande orgulho aqui dentro. Fico feliz da vida quando as pessoas vêm e falam "Alex eu vim no seu almoço para comer arroz e feijão", mesmo se naquele dia eu estivesse com um ingrediente que queria apresentar. Porque o brasileiro é apto a dizer se o arroz e feijão é bom, muito bom ou excepcionalmente bom e não está apto a dizer se alta cozinha é boa, muito boa ou excepcionalmente boa. Se o cara falar que meu arroz com feijão é bom, eu realmente acredito. Se falar "nunca comi nada igual" eu tenho certeza porque ninguém faz nada igual no mundo, mesmo, então pronto. Com esses estrangeiros, nos últimos anos a gente recebeu muita visita de jornalista e crítico, de profissional de cozinha do Brasil, de fora do Brasil, da América do Sul, vindo no restaurante e eu sempre falo a mesma coisa: "Eu não sei quanto é bom, mas tenho certeza de que o que se come aqui não se come em outro lugar". O cara sai com um souvenir na cabeça. Ele come ingredientes que conhece colocados de uma forma que ele nunca esperou. Então tem impacto

Você vai muito a restaurante?

Vou menos do que acho que deveria. A verdade é que restaurante não é lugar em que me divirto. Acabo indo muitas vezes aos mesmos porque já sabem o que quero, já sabem quem eu sou e eu não tenho mais que ficar pensando "eu tenho que visitar a cozinha", porque às vezes me enche o saco e as pessoas querem uma opinião e isso vai criando uma situação. Quando vejo estou olhando cinzeiro, a marca do cinzeiro, o copo... Aí penso "puxa, relaxa, né''" Eu já levantei em restaurantes de outras pessoas e agradeci a visita. Uma coisa feia (rindo), uma das maiores gafes foi dizer "ah, obrigado por ter vindo". Aí lembrei, não é meu restaurante, não estou recebendo ninguém".

Onde foi isso?

Foi no Fasano. Tenho como o maior fora da minha vida. Essa foi uma bola fora tremenda.

O chef mais presente, em influência, no seu trabalho qual é?

Acho que tem umas influências muito fortes na minha vida. O Michel Bras sem dúvida é uma grande influência.

Mas no quê, na apresentação, na concepção conceitual...

Na construção do sabor. Acho que eu, e de novo Andoni, Pascal Barbot, Massimo Bottura, todos nós construímos sabor de maneira parecida e todos nós construímos sabores com a veia Michel Bras de tostar, assar, aromatizar, ingredientes frescos, uma cozinha muito limpa, descomplicada. Esse é um cara que deixou (tudo) muito claro para todos nós. Até pelo aligot, que é uma coisa que está muito presente no meu trabalho. Não dá para dizer que o Ferran seja um cara que me virou a cabeça. E não dá para deixar minha admiração pelos amigos franceses, pelo Michel Guérard, que é um cara pouco conhecido no Brasil, mas é o pai da nouvelle cuisine. Acho que o velho Troigros é outro... aquele saumon a l?oseille, por mais óbvio que pareça o prato hoje, mudou a referência para o mundo de peixe cozido - como é cozinhar um peixe, como é o ponto de cozinhar um peixe. São caras que conseguiram marcar. Se tivesse que olhar meu trabalho todo e falar "parece mais com quem", seria com Michel Bras. Agora, acho que na verdade meu trabalho parece mais com esses meninos que eu citei.

Vocês costumam conversar muito, vocês quatro?

Nós nunca estivemos os quatro juntos, mas é recorrente no discurso um citando o outro como autor. Com o Andoni tenho uma relação estreita. Com o Massimo Bottura, é uma coisa mais nova, mas é de um feeling incrível. Eu não conhecia a cozinha do Pascal Barbot. Quando ele esteve aqui no D.O.M. fui entender por que as pessoas falavam tanto dele. É um cara que te coloca uma cozinha claramente francesa, tanto quanto pode ser, de uma maneira inesperada. A criatividade não é surpreender pelo óbvio... E todo mundo tem uma referência, olha os legumes com um olho especial. Todo mundo tem fascinação por caldo, todos gostam de cozimentos longos, sabores achatados, os curries, essas coisas são todas intrigantes para esses profissionais.

Se tivesse guia Michelin aqui, você teria três estrelas?

No Brasil, sim. Fora daqui, não.

Se o D.O.M. estivesse então no mercado europeu...

No mercado internacional eu acho que teria duas estrelas. A terceira estrela é conquistada por uma série de quesitos. Talvez o Fasano tivesse três estrelas, pelo luxo, pelo que encerra. Grandes restaurantes franceses têm três estrelas e nem por isso entregam uma comida excepcional. E em alguns duas estrelas, isso é sabido por todos, pode-se comer melhor do que num três estrelas.

Voltando a Villa-Lobos: e o processo inverso, a incursão dele pelo interior para conhecer as cantigas, os folclores, os folguedos, você pensa em fazer isso no interior do Brasil?

Para o livro, o que eu fiz foi isso. Mas eu não fui a lugares que não conhecia, fui rever todos os que já conhecia. Pude constatar que o lugar que eu menos conhecia era o Sul do Brasil.

O Sul ainda não tinha aparecido na conversa...

O Sul como bioma não tem a diversidade do Norte-Nordeste, então fica um pouco mais duro. Mas se você me perguntasse qual é o maior expoente gastronômico brasileiro eu diria que é o churrasco. Partindo do princípio de que gastronomia não é fazer uma receita, é colocar uma receita no seu melhor momento. A tradição do churrasco foi estudada depois da vírgula pelos gaúchos. Acho que eles têm uma grande lição a dar ao Brasil, que é pegar uma receita, uma preparação e estudar profundamente. Me fascina mesmo, de verdade, isso não é da boca para fora, você chegar num rodízio e o cara tirar uma grande, longa, fatia de fraldinha, uma fina fatia de picanha. Isso é muito. A pessoa comeu os cortes até entender que aquele era o corte certo para a carne. A carne não é cortada de qualquer jeito em rodízio e se você for a dez rodízios diferentes vai ver que o gestual é o mesmo. Existe uma coisa de gastronomia muito pura nisso. Apesar da falta de ingredientes, existiu o estudo da pobre cozinha deles.

E sobre Minas Gerais e Bahia?

A cozinha mineira (a meu ver, isto é uma opinião pessoal) é gêmea da portuguesa, como técnica e como conceito. Só que extremamente bem customizada à região, aos procedimentos, ingredientes. O mineiro é conhecedor do produto da terra. O baiano é diferente. Porque uma coisa é o baiano do sertão, outra o do Recôncavo e outra o soteropolitano, em que a raiz negra é muito latente. Você tem três Bahias dentro de uma Bahia e vê menos essa verve mineira de cultuar o bolinho, o pãozinho de queijo com polvilho azedo ou doce, o queijo recém-curado ou curado há 15 dias com outro ponto de acidez. Você vê, como tem na França, pequenas nuances do mesmo ingrediente e o mineiro é orgulhoso disso. Eu arrisco dizer que uma boa viagem de pesquisa pelo Brasil me ensina mais que um ano aqui dentro. Fui à Bahia recentemente. Uma mulher me botou uma degustação de cocada na frente e era só cocada. Com abacaxi, cocada com limão, cocada com maracujá. No livro tem a manteiga de abacaxi, acho sensacional a mistura. A mulher me fez uma cocadinha de forno, só a cocada com pequi e abacaxi, e ficou muito bom. Recentemente, a gente serviu paca num menu-degustação. É um grande ingrediente. Não é só porque eu gosto de caçar, porque sou um entusiasta de caças silvestres em cardápios, vindas de criatórios conservacionistas. Cada vez que você come uma nova receita, você descobre novos matizes de sabor. Tem um ingrediente, típico da serra gaúcha que é mais conhecido como alho-burro, é um alho de um dente só, bem amargo. Tem a cultura do marreco, também no Sul, que quero reencontrar. Eu sonho para o Brasil um lugar na cozinha como o México tem, como a Índia tem. Acho difícil o Brasil chegar a ser uma Espanha, ou Itália, por que estamos falando de culturas mais maduras que a nossa, mas acho que dá para sonhar com a força do exotismo. O Brasil tem produto, sabor, mas precisa descobrir. Eu recebo dez estagiários por mês no D.O.M. Muitos não conseguem distinguir uma tainha de um linguado, de uma sardinha... É peixe... Ele distingue salmão e atum pela cor, mas não distingue peixe branco com cabeça e escama. Essa garotada vai ter que aprender a ir ao mercado, aprender a ir à praia e não ficar só pegando onda. Vai ter de ir até a peixaria e tentar olhar o mar em volta... Essa é uma grande diferença do europeu. Você vai trabalhar numa cozinha lá e o cara te fala do peixinho vermelhinho espinhento, pede peixe para caldo, te pergunta se quer um peixe de pedra ou peixe branco, o peixe azul não serve. Aqui ninguém sabe isso. Botei no livro por conta dessas coisas. As pessoas não têm noção desse tipo de coisa.

O que falta para ter essa noção?

Em 1994, quando assumi o Filomena, magret de pato voltava para a cozinha porque só se comia carne bem passada. Cordeiro não era uma carne. Vendia confit de pato a R$ 17, como prato do dia, porque não se vendia confit de pato. Não se tinha cultura de comer radicchio, shitake, tomate seco. Era tudo novidade naquela época. Hoje tudo isso está mais do que assimilado. Acho importante introduzir e criar demanda para que o mercado possa assimilar.

Tem dia em que você sabe que está cozinhando melhor?

Tem. Eu sempre falo isso. Um bom restaurante a gente divide numa pirâmide de quem come, de quem come muito bem e de quem come excepcionalmente muito bem. Comer excepcionalmente muito bem, infelizmente, é mais difícil, acontece em restaurantes de poucos lugares, ou se você é amigo do chef, recomendado. O chef é refém do produto. Então, dos 30 cupins que eu cozinho por dia, um ou dois estão melhores. E se aparecer alguém que conheço naquele dia, é lógico que eu vou botar o pedaço melhor de cupim para aquela pessoa. Não estou falando que as coisas estão ruins, mas de um que está excepcional, que o balanço entre gordura e gelatina é o que eu quero. E nessa hora, até quando o prato sai da cozinha você olha e, de olhar para o prato, ele é mais bonito.

De forma geral, em uma cidade européia de cultura gastronômica os 30 cupins do dia provavelmente seriam igualmente bons.

Exatamente. Essa é uma realidade de mercado, como o peixe, o atum bluefin, que é pescado no mundo inteiro e vai para o mercado de Tóquio do mesmo lado que ele entrou no barco, porque são 200, 300 quilos de pressão em cima de um lado do atum. Agora, você vai no mercado aqui ver os caminhões sendo descarregados. O cara pega um gancho, sai arrastando pelo meio da praça. A praça não tem gelo, o atum está em cima do estradinho lá. Escreve no papel: D.O.M, Alex, cola em cima do peixe, para depois voltar e negociar para ver se compro o peixe, no escuro. Eles pegam pelo dente e fazem assim, pá! Cada pancada é uma rachada no lombo. O lombo é feito de escaminhas de carne. Cada pancada na carne... Você abre o atum, ele está inteiro rachado. Isso quando ele não vem com a cauda, que ficou apoiada ao lado da caixa, já marcada. Aquele pedaço, lixo.

Pegando esse exemplo do atum, em todas as etapas do processo imagino que você já tenha reclamado com quem faz isso.

Mas é cultural, não adianta. Eu vou ao mercado à noite, metade dos caras me estendem a mão, a metade deles não quer nem falar comigo, devem pensar "lá vem ele brigar de novo". Uma vez por semana eu brigo com o meu peixeiro, que pega peixe para mim todo dia. "Bicho, não é possível que após esses anos todos você ainda ache que não entendo de peixe!" "Não, mas o peixe não é assim!" "Então vem aqui ver!" Aí vai, leva o peixe de volta. Na última briga feia ele mandou três robalos. Dois estavam vivos, um estava um lixo. Ele não viu que o terceiro era ruim. Mas não adianta eu querer mudar o Brasil, tenho que me adequar à minha realidade e ver o que consigo com alta qualidade. Hoje, infelizmente, se você olhar no meu cardápio eu tenho dois pratos de boi. Tenho quatro ou cinco peixes e acabo variando no menu-degustação, aí todo dia dá para falar "se tiver alguma coisa boa me liga", aí um dia ele fala "tem o porquinho, porquinho está vivo hoje". "Então manda o porquinho porque eu vou fazer alguma coisa com ele, já que anda tão raro aparecer algo assim..."

Alta gastronomia é uma reclamação dos restaurateurs - que não dá lucro, usa ingredientes caros, etc. Você fala um pouco das agruras dos negócios no livro. Nesse momento, de abertura de uma nova casa, esse assunto tira a concentração do cozinheiro Alex Atala?

Tira. Um dos patamares de riqueza que quis ter na vida era o seguinte: não queria me preocupar com sobrevivência ou com pagar escola dos filhos. E esse eu consegui. Reclamo do meu trabalho porque é pesado, tenso e estou sofrendo muito neste momento. Porque a gente está fazendo um novo investimento e é do bolso da gente. Tive problemas de fluxo de caixa e depois de muitos anos tive de olhar para a cara de muitas pessoas e dizer "olha, não tenho dinheiro para te pagar essa semana. Mas na semana que vem vai melhorar meu movimento e vou te pagar". Tem uma coisa que os europeus entendem melhor do que a gente, tem isso mais claro do que os brasileiros. O restaurante não vai te deixar rico. No máximo, vai te dar um bom salário. Isso é uma realidade. Acho que muitos donos de restaurante e essa garotada acabam se perdendo. Esquecem que a realidade do cliente não é a deles. Não é porque seus clientes têm Mercedes que você vai ter. Ou se o cliente tem um helicóptero, você poderá alugar um no fim de semana. Mas sofre-se muito. Seria hipocrisia dizer que minha vida não melhorou com o D.O.M. Melhorou, estou fazendo um investimento pensando em ganhar um pouco mais.

Funciona se você tiver um império de restaurantes, como Alain Ducasse, Jean-Georges.

É verdade. Mas se eu te falar, em bom português, que estou morrendo de medo de abrir um novo restaurante, você acredita? Meu filho falou outro dia: "Pai, o senhor não falou que a pior coisa na sua vida era abrir outro restaurante?" Eu dei risada e falei: "Era, filho." Hoje, o restaurante novo gera uma expectativa, de que eu tenho de cara que imprimir qualidade. É uma tremenda empreitada. E acho que as pessoas são implacáveis, e estou falando dos clientes. No meu celular, eu mostro para vocês, uma mulher que veio aqui reclamou do pão. "Foi tudo maravilhoso, mas o pão era uma merda." E comprometeu a qualidade do jantar dela. Ela está errada? Não. Ela tem um sonho de perfeição e o sonho incluía um pão perfeito, e não estava. Eu estou na cara de abrir um novo empreendimento. Com a bola no pé e sem goleiro na frente do gol, e estou morrendo de medo de errar. É difícil colocar uma empresa com cem funcionários para funcionar de um dia para o outro com perfeição. Dá vontade de fazer seis meses de teste, mas não dá (risos). Já negociei com meu medo e não tenho como escapar.

Então, qual é o terceiro restaurante que você não vai abrir de jeito nenhum, conforme prometeu ao seu filho?

Eu sonho em reviver o Namesa. Acredito na capacidade de fazer cozinha barata, desprovida de luxo, de ingredientes baratos, mas conseguir cobrar qualidade e ganhar dinheiro com isso, não com uma, mas com dez, vinte lojinhas. O Ferran se ferrou com o fast-food dele, mas não é por isso que vou ficar com medo de errar. É o seguinte: eu tenho mais de um restaurante pensado. Não apenas o terceiro. Mas também o quarto e o quinto. Sonho com um restaurante vegetariano, mas sem dizer que é vegetariano. Eu enganaria com uma carne, um peixe, para inglês ver. E cada vez que um maître entrasse com uma comanda de carne na cozinha iria tomar bronca. Porque uma coisa é a venda espontânea e outra, a induzida. Falo disso no livro e tem de fazer valer no restaurante. O vegetariano eu faria fácil.

Você disse que o Dalva e Dito terá uma cozinha materna. Fale mais sobre isso.

Acho divertido quando as pessoas falam "vamos ter um grande jantar, vamos ao Fasano, D.O.M., etc". Mas você diz também, puxa, minha avó vai cozinhar este fim de semana. Ou que vontade de comer isso da minha mãe. Existe um elo de alimentação que é emocional. E o paladar é um sentido que a gente desenvolve. Você tem na sua memória gustativa o bolinho da sua avó. E depois de anos você vai lá, experimenta o bolinho e já não é mais tão bom quanto era. Isso quer dizer que sua avó não fazia o melhor bolinho do mundo. Mas para tudo que você comer na vida, quanto aquele bolinho emocionou será um parâmetro de julgamento. Quanto um bom sabor vira gabarito. É em cima disso que vamos trabalhar: lombinho com farofa e couve, frango assado, carne de panela, tutus. Essa coisa de sentar e comer um frango assado, que se perdeu.

Dá impressão que o restaurante tinha que se chamar 'Mãe'. 'Vamos lá comer na Mãe'?

(Risos) O problema é que eu não posso ganhar da mãe de ninguém.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Honda faz recall do New Civic Flex e do Honda Fit Flex


Filtro de combustível dos modelos pode apresentar vazamento que, em casos extremos, pára o motor

Agência Estado


SÃO PAULO - A montadora de automóveis Honda do Brasil anunciou nesta quarta-feira, 20, um recall dos modelos New Civic Flex e Honda Fit Flex. Os proprietários dos veículos devem comparecer, a partir desta quinta, a qualquer concessionária autorizada da marca para substituição gratuita do filtro de combustível.

Segundo a montadora, algumas unidades podem apresentar vazamento e, em casos extremos, ocasionar a parada do motor, ocasionando risco de acidente. "Trata-se de um reparo simples e rápido, porém visando o conforto e a conveniência dos proprietários, a Honda recomenda o agendamento prévio numa concessionária de preferência do cliente", informa.

Os endereços e telefones podem ser obtidos pelo telefone 0800-701-3432 ou no site da empresa (www.honda.com.br). Abaixo o número dos chassis que devem participar do recall:

New Civic Flex - ano/modelo: 2008

Chassis: 93HFA66308Z218896 a 93HFA66808Z225445

Honda Fit Flex - ano/modelo: 2008

Chassis: 93HGE57608Z205611 a 93HGE57608Z207890

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Homem sofre enfarte e morre em prédio do INSS em AL


RICARDO RODRIGUES - Agencia Estado


MACEIÓ - O alagoano Amaro de Andrade Rocha, de 59 anos, morreu hoje pela manhã na fila do atendimento do posto da Previdência Social do município de Rio Largo, na grande Maceió. Segundo informações de funcionários do posto, ele estava na fila quando sofreu um enfarte fulminante. Amaro Rocha chegou a ser atendido no local pelo médico do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Guilhermo Negretti, mas não resistiu.



De acordo com a administradora da agência, Rejane Bastos, Amaro Rocha chegou ao local para entregar uma documentação. "Ele já chegou passando mal. Nós tomamos todas as providências necessárias, chamamos o médico com urgência, mas não deu", afirmou Rejane. "Já entramos em contato com os familiares dele, do município de Flexeiras (AL)", acrescentou.



Testemunhas que presenciaram a chegada de Amaro Rocha no posto da Previdência Social afirmam que ele já entrou no prédio segurando as grades. Após a morte, o atendimento do INSS no município foi suspenso e só deve retornar amanhã. O corpo ficou no local à espera do Serviço de Verificação de Óbito (SVO), que é responsável pelo recolhimento dos corpos de vítimas de morte clínica.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Câmara aprova projeto que criminaliza as milícias


Pena prevista para quem participar, custear ou organizar os crimes vai de 4 a 8 anos de prisão

Denise Madueño, de O Estado de S. Paulo


BRASÍLIA - O plenário da Câmara aprovou no inicio da tarde desta quarta-feira, 20, o projeto que altera o Código Penal tipificando como crime a milícia e o extermínio e aumenta a pena para quem cometer esse tipo de delito. O projeto define como crime constituir, organizar, integrar, manter ou custear organização paramilitar, milícia particular, grupo ou esquadrão com finalidade de praticar crimes. A pena prevista é de quatro a oito anos de prisão.

Além de tipificar o crime de milícia e de extermínio, o projeto transfere a competência e o julgamento desses crimes para a Polícia Federal, Ministério Público e Justiça Federal por considerá-los "ofensa ao Estado democrático de Direito e de interesse da União".

Em outro artigo, o projeto aumenta a pena para crimes praticados por grupos de extermínio ou milícias privadas. A pena pode ser aumentada de um terço à metade, se o crime é praticado com a intenção de fazer justiça pelas próprias mãos ou para quem pratica o crime sob o pretexto de oferecer serviços de segurança.

Oferecer ou prometer serviço de segurança sem autorização legal também passa a ser crime com pena prevista de um a dois anos de prisão. O projeto, que segue agora para o Senado, é do deputado Luiz Couto (PT-PB) e foi alterado em votação hoje pela manhã pela Comissão de Segurança Pública.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Many dead in Madrid plane crash


Advertisement

Smoke rising from the airport in Madrid

At least 45 people have been killed after a passenger plane swerved off the runway at Madrid's Barajas airport, Spanish officials say.

Many others were hurt when the Spanair plane bound for Gran Canaria left the runway with 166 passengers and six crew members on board.

There were reports of a fire in the left engine during take-off. TV footage showed smoke billowing from the craft.

Helicopters and fire trucks were called out to dump water on to the plane.

Dozens of ambulances went to the scene, and TV footage later showed several people being carried away on stretchers.

Map and satellite image of Madrid airport


BBC journalist Stephanie McGovern, who is at the airport, said several planes had been seen taking off since the crash, which happened at about 1430 local time (1230 GMT).

But she added that the airport was now closed and only emergency crews and staff were being allowed into the building.

"Helicopters are continually heading to the scene, dropping lots of water... The smoke has really died down now, things seem to be more under control," she said.

map

"I've seen around 50 ambulances. They're still coming and going, so there may still be more casualties."

Spanish journalist Manuel Moleno, who was near the area when the accident happened, told the BBC the plane had "crashed into pieces".

"We heard a big crash. So we stopped and we saw a lot of smoke," he said.

There are conflicting accounts about the number of deaths, with some reports suggesting most of the passengers on the plane may be dead.

Mr Moleno said he had seen as many as 20 people walking away from the wreckage.

The plane, which was destined for Las Palmas in the Canary Islands, came down during or shortly after take-off from Terminal Four at Barajas.

TV footage showed that the plane had come to rest in fields near the airport.

Spanair issued a statement saying that flight number JK 5022 had been involved in an accident at 1445 local time. The airline's parent company, Scandinavian firm SAS, later said the accident happened at 1423.

According to Spain's airport authority, Aena, the plane had been due to take off at 1300 local time.

No details of the nationalities of the passengers on board has yet been released.

But the plane was a codeshare flight with German airline Lufthansa, which said it was investigating whether German passengers were on the flight.

The aircraft was a MD82, a plane commonly used on short trips around Europe, aviation expert Chris Yates told the BBC.

He said Spanair, a subsidiary of Scandinavian carrier SAS, had a very good safety record. Reports say it was the first crash at Barajas airport, some 13km (8 miles) from central Madrid, since 1983.

People concerned for relatives or friends who may have been on board the plane should call Spanair's helpline on: +34 800 400 200.


watch One-Minute World News

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters