[Valid Atom 1.0]

sábado, 10 de abril de 2010

News Bulletin - 00:35 GMT update



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Sebastián Piñera inicia visita oficial a Brasil



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Astronauts Have a Busy Work Day in Space



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Calif. Abuse Victim Criticizes Pope Benedict



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Westwood Leads Masters by One Stroke



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

West Wing Week - April 9



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Weekly Address: Relief for the Middle Class at Tax Time



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Brazil Tragedy: Rio Ready to Remove Favelas Residents by Force if Necessary

Saturday, 10 April 2010 19:41

Morro do Bumba in Niterói, BrazilAfter Rio's tragedy, with over 223 confirmed deaths, 140 of them in Niterói, the mayor of Rio de Janeiro, Eduardo Paes, has issued a decree ordering the removal of inhabitants in areas of risk and authorizing the use of force to do so if necessary.

According to the mayor, there is no way he will change the decision to remove people from the hillsides. "There remains a risk of more rain in the city. We cannot leave people in these areas of risk," Paes declared at a press conference.

The decree cites sections in Article 5 of the Brazilian constitution which allows authorities to take action when there is imminent danger due to a disaster ("desastres, em caso de risco iminente").

However, local civic associations in some slums have strongly criticized the measure. The Association of Santa Teresa Inhabitants (Amast), for example, declared that they "...did not want the mayor coming around to lament the dead. What we want is immediate, effective action by the authorities to ensure that new disasters do not happen."

Paes announced in his Twitter page this Saturday, that part of Morro do Urubu (Buzzard Hill), in Piedade, in the Northern District, will be the first community to be resettled. According to the mayor, the families start to leave today, Saturday, and the houses will be demolished as early as Monday.

The mayor did not say where the residents will be taken though. Thirty families in the community receive care at the Jacarezinho escola de samba.

Speaking of effective disaster response, there are reports that federal government budgetary funding for emergency disaster relief was distributed in an odd way.

In 2009, 90% of the funds went to the state of Bahia. Less than 1% went to Rio de Janeiro. The ministry doing the distributing was National Integration. The minister of National Integration, Geddel Vieira Lima, left the administration last week to run for governor of Bahia.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

More Than 200 Deaths Confirmed in Rio de Janeiro Mudslides

More Than 200 Deaths Confirmed in Rio de Janeiro Mudslides
The number of deaths from a series of mudslides in the southeastern Brazilian state of Rio de Janeiro climbed to 223 on Saturday, while emergency workers continued to search for more bodies buried under mud and rocks

RIO DE JANEIRO – The number of deaths from a series of mudslides in the southeastern Brazilian state of Rio de Janeiro climbed to 223 on Saturday, while emergency workers continued to search for more bodies buried under mud and rocks.

Dozens of mudslides have hit hillsides in the Rio metropolitan area since Monday, when the torrential rains that triggered the natural disasters began.

The worst of them struck the shantytown of Morro do Bumba, in the nearby city of Niteroi, where the bulk of the rescue efforts have been concentrated.

Four bodies were found Saturday under piles of earth and rubbish that rolled down the hillside and destroyed some 50 houses in the shantytown. The latest fatalities brought to 31 the number of confirmed deaths in that slum, which is particularly unstable, experts say, because it was built on top of an old garbage dump.

Based on estimates by firefighters, authorities say that anywhere from 100-150 bodies could still be buried under the tons of malodorous earth, while rescue workers were battling nausea stemming from their exposure to the methane gas being given off by decomposing garbage.

The earlier intermittent downpours in the region gave way to a warm sun on Saturday and that facilitated the work of the rescue teams, but meteorologists said more precipitation is possible through Tuesday.

Among the bodies found Saturday in Morro do Bumba was that of a six-year-old boy whose father, who was closely following the rescue operations, entered into a state of shock when he was told his son’s lifeless body was found next to the corpse of his grandmother.

In the same area, a woman who had been seeking information for days about 18 relatives who lived on the hillside where the mudslide occurred found her 87-year-old father alive on Saturday.

According to firefighters, of the 223 deaths from mudslides over the past five days, 140 have occurred in Niteroi, 63 in the city of Rio de Janeiro, 16 in the city of Sao Gonzalo and the other four in the cities of Petropolis, Nilopolis, Paracambi and Mage.

Rio de Janeiro Gov. Sergio Cabral visited Morro do Bumba again on Saturday, where he said the situation is “calamitous” and announced that more than 200 families who live in another shantytown in Niteroi, Morro do Ceu, will be immediately relocated because of the danger of another deadly mudslide.

Close to 50,000 people have been affected by the torrential rains, flooding and mudslides throughout Rio de Janeiro state, while different sectors have mobilized to donate food, clothing, medicine and other aid.

Prosecutors in Rio de Janeiro state, meanwhile, announced that they will investigate potential negligence by authorities in allowing precarious dwellings to be built in high-risk areas.

According to press reports, several mayors not only allowed shantytowns in risky areas to expand but even granted permits for the construction of schools, daycare centers and other constructions in those same zones, even though they were aware of the danger to local inhabitants.

The weather system that battered Rio de Janeiro state has since moved to northeastern Brazil, where it has caused serious flooding but no fatalities.

In Sergipe, the most affected northeastern state, the rains have caused damage to nine municipalities and serious flooding in numerous neighborhoods of the regional capital Aracaju, civil-defense officials said.More Than 200 Deaths Confirmed in Rio de Janeiro Mudslides

Latin American Herald Tribune



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

* News * World news * Nuclear weapons World without nukes is still only a dream for Obama

World without nukes is still only a dream for Obama

States such as India and Israel must be persuaded to give up their nuclear weapons

North Korean nuclear tests in May 2009 prompted renewed talks

North Korean nuclear tests in May 2009. Although the US and Russia have signed a treaty, other countries will not be following suit. Photograph by AFP/Getty Images

How realistic is the prospect of a nuclear-free world? The question is asked because of several events that took place last week that speak to the possibility of further moves towards disarmament and the hurdles ahead.

The first event, actually a pair of events, has been the unveiling of President Barack Obama's new Nuclear Posture Review and the signing, in Prague, of a new nuclear treaty between the US and Russia, cutting strategic weapons stockpiles. Baby steps both, they progress the world a little further towards Obama's goal of a nuclear-free planet, but in the interim leave it still heavily armed.

The Posture Review is probably the more significant. While disappointing those disarmament campaigners who had hoped for a US declaration of no first use, it sets out a significant new nuclear doctrine. Where once the US reserved the right to use nuclear weapons to respond to an attack against it or its allies by any weapons of mass destruction, now it has been refined to being a deterrent against nuclear attack. This has been a demand of states seeking a commitment from the US explicitly to rule out nuclear weapons use against non-nuclear states as a quid pro quo.

Which brings us to last week's second significant event: not the signing of the new US-Russian treaty, but Friday's announcement by the Israeli prime minister, Binyamin Netanyahu, that he will not attend Obama's 47-country nuclear proliferation conference in Washington this week. He fears that Israel would come under pressure over its own nuclear arsenal from Egypt and Turkey.

And there is the nuclear disarmament conundrum in a nutshell. For while the handful of powers that once held a monopoly on nuclear arms retention come to realise these weapons are a problem not an answer, irrelevant in the post-Cold War world, that position is not understood by others. Notably Israel, North Korea, India, Pakistan and arguably Iran, who see the issue of nuclear weapons retention not just as one of prestige but as serving a regionally deterrent function.

And until states such as India and Israel can be persuaded to give up their nukes, Obama's dream of a nuclear-free world are remote indeed.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Obama to open unprecedented nuclear summit Monday


Obama to open unprecedented nuclear summit Monday
Updated at: 0700 PST, Sunday, April 11, 2010
WASHINGTON: US President Barack Obama will call for unprecedented global action to secure nuclear stocks and keep weapons grade material out of the hands of extremists, at a two-day summit opening Monday.

The White House says Obama called the 47-nation conference to put together the most coordinated effort yet to tackle what one adviser called the most dangerous security threat haunting America, and the rest of the world.

"It is absolutely fundamental to view this summit with the starting point of the grave nature of the threat of nuclear terrorism," said Ben Rhodes, a deputy US national security advisor.

"We know that terrorist groups, including Al-Qaeda, are pursuing the materials to build a nuclear weapon, and we know that they have the intent to use one."

The nuclear security summit -- the biggest gathering of world leaders led by a US president since 1945 -- marks Obama's boldest effort yet to exercise global leadership on one of his principal foreign policy themes, non-proliferation.

Obama wants fellow leaders to agree to his timeframe of securing all nuclear materials within four years and a final summit communique will likely include calls for tougher prosecutions of traffickers in weapons grade materials.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Manmohan, Obama to discuss nuke terrorism, Headley, Iran (Lead)

Washington, April 11 (IANS) India’s Prime Minister Manmohan Singh Sunday began a four-day visit to the US to attend the 42-nation Nuclear Security Summit that will focus on nuclear security and his first bilateral meeting with President Barack Obama since they met in November last year.

Manmohan Singh was warmly welcomed at Andrews Air Force base by White House chief of protocol Capricia Marshall. India’s ambassador to the US Meera Shankar, along with senior officials, was also present to welcome the prime minister.

Besides the first-ever Nuclear Security Summit, a pet project of Obama designed to secure all loose nuclear material within four years, Manmohan Singh will have a packed schedule of bilateral meetings with the leaders of the US, France and Canada.

There is no sign, however, of any bilateral meeting between Manmohan Singh and Pakistan Prime Minister Yousaf Raza Gilani who has also been invited for the nuclear summit.

In their first bilateral meeting since Obama hosted maiden state dinner of his administration for Manmohan Singh in November last year, the two leaders Sunday are set to discuss a cluster of issues that are of pressing concern to them.

With the US hedging on extraditing David Coleman Headley, a key plotter of 26/11 attacks, to India, Manmohan Singh is expected to raise the issue that has revived misgivings about the US’ intentions among a section of the political establishment back home.

India has been pitching for full access to Headley, an American-Pakistani Lashkar-e-Taiba operative who has confessed to his role in plotting the 26/11 carnage, but the US has cited intricate legal procedures, saying it has yet to make a decision on it.

The Headley issue will be discussed in greater detail when National Security Adviser Shivshankar Menon meets his American counterpart Gen (Retd) James Jones.

“We will keep pushing…This will be one of the issues…We’ll use every occasion to seek access (to Headley),” sources said.

With an agreement sealed on a pact on reprocessing spent fuel, the two leaders will also appraise remaining steps required to implement the landmark India-US nuclear deal.

Manmohan Singh is likely to assure Obama that his government is determined to push the civil nuclear liability law through the Indian parliament that has attracted pointed hostility from India’s opposition parties.

Under the 123 bilateral agreement, enacting a civil nuclear liability legislation is a key obligation India is required to fulfil before nuclear companies of the two countries can resume nuclear business.

As their meeting takes place a day ahead of the nuclear summit, the two leaders are set to discuss issues relating to evolving global nuclear architecture and nuclear terrorism that is expected to be the focus of the summit.

In his intervention at the summit, Manmohan Singh is expected to highlight the persistent dangers of illicit nuclear proliferation in India’s neighbourhood and the role of Pakistan’s A.Q. Khan network, dubbed as illicit nuclear Wal-Mart, in creating a fragile nuclear security situation in the region.

There are, however, potential areas of dissonance when the two leaders pick up threads on issues relating to Afghanistan and Pakistan when they met in November last year.

Obama is likely to enlist India’s support for a renewed drive to impose fresh sanctions against Iran. But given the domestic sensitivity of the issue, Manmohan Singh is expected to reiterate India’s position on dialogue and diplomacy as the best option to resolve the Iranian nuclear impasse.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Resgate no Morro do Bumba é pior do que em Angra e no Haiti, diz bombeiro

Resgate no Morro do Bumba é pior do que em Angra e no Haiti, diz bombeiro

Comandante participou do trabalho de buscas nas três tragédias.
Para ele, o pior em Niterói é ‘adivinhar’ onde estão casas.

Carolina Lauriano Do G1, no Rio

O trabalho de resgate de vítimas do deslizamento do Morro do Bumba, em Niterói, onde dezenas de casas foram soterradas, é pior do que no terremoto do Haiti e no desabamento em Angra dos Reis. Quem afirma é o comandante do Grupamento de Busca e Salvamento, Ricardo Loureiro, que trabalhou nos dois episódios passados e está participando do resgate no Bumba.

Veja a cobertura completa das chuvas

“A diferença do Haiti para esse cenário (Bumba), que é semelhante ao de Angra, é que no terremoto do Haiti nós estávamos vendo a gravidade da situação, vendo a residência. Aqui nós temos que traçar uma projeção da residência, que foi deslocada por essa massa e, a partir daí, colher informações com os vizinhos, traçar estratégias para começar as escavações, então o trabalho aqui é bem mais difícil”, explicou o comandante, que em seguida concluiu ser este o pior cenário.

“Comparando com Angra, em relação à área, esse (no Morro do Bumba) realmente é o pior porque há muito volume de sedimento”.

Foto: Carlos Ivan / Agência O Globo

Bombeiros durante operação de resgate no Morro do Bumba na sexta (9) (Foto: Carlos Ivan / Agência O Globo)

Ele disse que o trabalho em Niteroi é mais “demorado e complicado” porque os bombeiros têm que “prever onde estão as vitimas”.

Loureiro acredita que seja difícil encontrar vítimas com vida no Morro do Bumba. No entanto, afirmou que o trabalho dos bombeiros é sempre com o foco em sobreviventes.

“Olhando o quadro, devido à presença dessa grande massa, tecnicamente você poderia dizer que as chances são mínimas, mas a gente trabalha como se ainda houvesse sobreviventes”, disse ele.

O comandante explicou também que no Haiti algumas vítimas conseguiram sobreviver por muitos dias porque as lajes formam bolsões de ar, o que permite que a pessoa consiga respirar.

Segundo o comandante, na fase inicial dos resgates no Morro do Bumba, os bombeiros trabalhavam em uma escala de 24h por dia, mas agora essa carga diminuiu pra 12h. A previsão é de que os trabalhos durem pelo menos mais duas semanas.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Tailândia: Jornalista morto durante manifestações

Correio da Manhã

Rungroj Yongrit/EPA Confrontos deste sábado resultaram em 521 feridos e oito mortosConfrontos deste sábado resultaram em 521 feridos e oito mortos
10 Abril 2010 - 19h17

Em Banguecoque

Tailândia: Jornalista morto durante manifestações

Um jornalista japonês da agência Reuters foi morto este sábado em Banguecoque, na Tailândia, durante os confrontos entre os militares tailendeses e os manifestantes anti-governamentais, junto ao quartel do Exército no centro da capital.

O operador de câmara, Hiro Muramoto, que trabalhava para a delegação de Tóquio, foi alvejado no peito e quando chegou ao hospital local já não tinha pulso.

O editor-chefe da Reuters, David Schlesinger, já lamentou a perda do profissional e afirmou que “toda a família Reuters sente muito esta tragédia”.

“O jornalismo pode ser uma profissão terrivelmente perigosa”, salientou David Schlesinger.

De acordo com a agência de notícias, os soldados abriram fogo sob os manifestantes com balas de borracha e bombas de gás lacrimogéneo, naquela que foi a manifestação política mais violenta dos últimos 18 anos.

Fonte do exército assegurou que os manifestantes estavam equipados com armas e atiraram granadas e bombas incendiárias contra os soldados.

Segundo a vice-governadora de Banguecoque, dos confrontos deste sábado resultaram 521 feridos e oito mortos: quatro soldados e quatro civis.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

'Não vamos abandonar o Sean'

'Não vamos abandonar o Sean'

Para o avô de afeição, criança, que é alvo de litígio familiar e imbróglio diplomático, vive um cárcere privado nos EUA

10 de abril de 2010 | 10h 34

Há um ano, o advogado carioca Paulo Lins e Silva, de 65 anos, em cujo sobrenome vislumbra-se um centenário clã de juristas, recusou o convite feito por este caderno para conceder uma entrevista sobre Sean Goldman, de 9 anos, primogênito de sua nora Bruna Bianchi, falecida em 2008, e por sua vez enteado de seu filho, o também advogado João Paulo Lins e Silva, a quem a Justiça havia concedido a paternidade socioafetiva. ‘Dr. Paulo’ usou de e-mail, telefone e boa educação ao explicar que não havia chegado o momento de se manifestar sobre o caso. A guarda da criança, nascida nos Estados Unidos, estava sendo reivindicada pelo pai biológico, o americano David Goldman, que invocava a Convenção de Haia ao afirmar que a família Bianchi sequestrara seu filho. Insistimos na entrevista. Afinal, como um dos maiores especialistas em Direito de Família e Sucessões, e isso não só no Brasil, mas no plano internacional, lidava com caso tão espinhoso, envolvendo parentes e amigos de longa data? Lins e Silva manteve o silêncio: "Quando puder, falarei. Não agora".

Os desdobramentos do caso o Brasil conhece: a batalha jurídica deslocou-se do Rio para o Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, a chefe do Departamento de Estado americano, Hillary Clinton, entrou em campo defendendo David, o Brasil chegou a ser ameaçado de retaliação comercial caso o menino não voltasse ao convívio paterno, redes de televisão se fartaram com os contornos dramáticos da história, até que, em 22 de dezembro do ano passado, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, suspendeu a liminar obtida dias antes por Silvana Bianchi, a avó materna, que garantia a permanência do neto no Brasil. Na véspera de Natal, Sean foi devolvido ao pai biológico, acossado por holofotes, flashes e curiosidade popular.

"Meu neto foi devolvido aos Estados Unidos como uma mercadoria", afirmou nesta quinta-feira Paulo Lins e Silva, agora disposto a desabafar, mas sempre agarrado à tese de que o desfecho do conflito nada tem de jurídico - "é político", repete em tom grave e pausado. Na entrevista que se segue, Lins e Silva é capaz de confissões muito pessoais, como a de que Sean foi quem resolveu, primeiro, chamá-lo de "avô", ou que foi ele próprio quem ensinou o neto a andar a cavalo, no haras de sua propriedade. Como também fez questão de afirmar que seu filho, João Paulo, não pretende abandonar a batalha jurídica em torno da criança, tal como a avó, Silvana. "Vamos até onde for possível", reitera. Mas, eis que volta o dilema: Paulo, o avô por afeição, quer mover o mundo para recuperar o neto. Lins e Silva, o advogado, sabe que é dever brigar até o fim, porém avalia: "Dificilmente Sean voltará. Vocês já viram os EUA recuarem? Por acaso viram os dois pilotos americanos respondendo no Brasil por aquele acidente aéreo terrível?" E, num dos momentos em que mais se comoveu na conversa, Lins e Silva afirma: "David recolheu os celulares de Sean. Tirou o laptop que eu comprei para o menino. Proíbe-o de falar português, escrever e-mails e se comunicar pelo Skype. Não temos autorização para visitas. Meu neto está vivendo um cárcere privado nos Estados Unidos. Aqui no Brasil, já haveria motivo suficiente para mandado de prisão".

Como o sr. consegue lidar com essa disputa, como advogado e parte interessada?

Acompanho tudo desde outubro de 2004, quando meu filho, João Paulo, começou a namorar a Bruna. Ela trouxe o Sean para o Brasil, com autorização do David, em maio daquele ano. O menino tinha completado 4 anos de idade. Eu conhecia a família da Bruna há tempos: seus pais eram amigos dos meus pais. E me lembro que meu filho comentou que havia um litígio pela guarda da criança entre ela e o ex-marido. Depois, soube do desfecho disso: Bruna conseguiu ganhar no STJ, em 2007, por 3 a 2, com um voto muito humano da ministra Nancy Andrighi, ressaltando que não houve sequestro e a criança estava adaptada ao Brasil. A ministra inclusive baseava-se nos artigos 12 e 13 da Convenção de Haia. Ficamos felizes quando eles se casaram no final daquele ano, e mais ainda quando ela engravidou. Mas uma coisa eu achava estranha: o pai do menino não telefonava, não entrava em contato, não participava. Minha nora teve uma menina, Chiara, que vem de Clara, pois a família tem origem italiana. Lamentavelmente, por falha médica, Bruna veio a falecer no dia seguinte ao parto.

Foi erro médico mesmo?

Sim. Tem processo em juízo aqui no Rio contra o médico e a casa de saúde. Ela morreu por perda de sangue: houve um hiato entre o parto e a vinda do médico, que demorou quase seis horas para dar o socorro. Bruna morreu por hemorragia, coisa que não acontece hoje... Enfim, nasceu a Chiara e o Sean passou a ser nosso companheiro. Sempre foi ligado a mim, à minha mulher e ao meu filho. Dizia coisas assim: "Não me deixem, gosto muito de vocês".

Tinha medo de que o levassem?

Desde 2005. Ele contava: "Lembro de papai (David) e mamãe brigando, gritando, caindo armário. O João Paulo ama tanto a mamãe..." Foi o Sean que perguntou ao meu filho se poderia chamá-lo de "pai". E me chamou de "vovô", não pedi. Tenho um haras, crio cavalo manga-larga marchador. Sean era meu companheiro. Eu o ensinei a montar. E assim as famílias se integraram. Hoje moro no mesmo prédio e andar que meus cossogros: Silvana e Raimundo no 301; eu, minha mulher e meu filho, no 302. Aluguei o apartamento vizinho depois da morte da minha nora, justamente para que pudéssemos ter um ambiente estruturado, familiar.

Os pais de d. Silvana, avó materna de Sean, eram ligados aos seus pais, certo?

Sim, melhores amigos. Haroldo Lins e Silva, meu pai, foi o pioneiro das leis de família no Brasil. E era irmão do Evandro Lins e Silva, que foi ministro do Supremo. Então havia esse vínculo, mas a integração familiar enraizou-se na figura do Sean. Porque, nos EUA ele não tinha família. O pai não trabalhava, só a mãe. David foi manequim, se qualifica às vezes como corretor de imóveis, outras como piloto de barco. Mas vivia praticamente mantido pela mulher. E Sean não sentia o apego de ter avó, avô, tio, pai, irmã. No dia da morte da Bruna, lembro do Sean na casa de saúde com a Chiara no colo... Os dois ficaram muito unidos. Hoje, com o irmão vivendo longe, Chiara, que está com 1 ano e 7 meses, entra no quarto de Sean e pergunta por ele. Quer brincar com ele, isso é terrível. Bom, voltemos ao momento da morte da Bruna. Até por necessidade de abrir o inventário da mulher, meu filho pediu em juízo a guarda do Sean. Ele é herdeiro de Bruna. E como o pai biológico não via o filho há quase cinco anos, achávamos que nunca iria procurá-lo.

Houve um erro original da Bruna ao vir com o Sean para o Brasil sem autorização?

David consentiu, até os levou ao aeroporto. Mas, vejam, era um casal em crise, que não tinha relações sexuais há mais de quatro anos. Desde que a criança nasceu não se relacionavam. Disso David não fala, desconversa. No aeroporto, ela disse que voltaria. Mas, chegando aqui, pensou e telefonou para ele: "David, não quero mais. Nosso casamento acabou. Vem para cá, damos a passagem e vamos dialogar os termos de um divórcio". Ele se recusou.

Mas diz que várias vezes veio ao Brasil ver o filho. Mostra até carimbos em passaporte.

Veio oito vezes, mas não o procurou. E quando diz que ligava, é mentira. Tanto que, na própria defesa dele, no pedido de guarda da criança, David afirma que não visitou por orientação do advogado.

O sr. diria que não houve obstáculo, que foi decisão do advogado do David, é isso?

Se o advogado dele dissesse "pule pela janela", ele pularia? Ora, se meu advogado diz "não veja seu filho", eu troco de advogado! David não foi impedido: isso está escrito e assinado na defesa dele.

O que queria David? Teria um plano?

Ele mobilizou a Autoridade Central brasileira para caracterizar que o menino estava aqui por infração à Convenção de Haia. Mas como, se a ministra tinha decidido no ano anterior que não houve infração e que a criança deveria ser mantida aqui? Sean vivia no Brasil há quase cinco anos, sem contato com o pai biológico, amparado por duas famílias integradas. O Brasil foi submisso em relação às pressões dos EUA. A decisão do caso não foi judicial, foi política.

E por quê?

Primeiro, porque a Justiça Federal não tem habilitação para decidir matérias de direito de família, embora a Constituição diga que, quando há tratados internacionais envolvidos, a competência é da vara federal. Mas um magistrado que julga todos os dias contrabando, evasões fiscais, dívidas de INSS, peculato, crimes de colarinho branco, não pode de repente ter condições de saber o que é melhor para uma criança. E a Justiça de família já tinha dado a guarda ao João Paulo, quando o advogado de David arguiu que a competência era da Justiça Federal.

Havia também o argumento de que o sr. é muito influente na Justiça do Rio.

Não sou influente em justiça alguma. Se fosse, ganhava todos os processos do meu escritório, e isso não é verdade. O que a minha família tem é uma tradição de 150 anos no Direito. E uma relação de seriedade, de respeito, com muita gente. O tribunal daqui deferiu a guarda para o João Paulo porque era natural. Iria deferir para quem, o pai presente ou o pai ausente? Hoje, em todo o mundo, a Justiça decide pelo afetivo, não pelo biológico. O juiz pergunta: quem reconheceu esta criança, quem trocou suas fraldas, quem deu papinha, quem viajava com ela, quem a levou ao altar... Isso é o que conta em qualquer lugar do mundo.

E por que esse entendimento sumiu?

Começamos a sentir a interferência do então embaixador americano no Brasil, Clifford Sobel. Ele era visto entrando e saindo do gabinete do presidente do STF, ministro Cesar Asfor. Escrevia cartas ao presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, na época, o desembargador Murta Ribeiro. Não parava de telefonar para tudo que é presidente de tribunal.

Como avalia o apoio de Hillary Clinton pela batalha do pai biológico?

David é do Estado de New Jersey e nota-se lá grande interesse político pelo caso. Reparem que o deputado republicano Chris Smith, que veio com David ao Brasil, é candidato à reeleição. O senador Frank Lautenberg, do Partido Democrata, o mesmo de Hillary, também se engajou. Todos querendo tirar dividendos políticos de uma história que mexe com a opinião pública. Criaram um blog, o "Bring Sean Home", que dispara milhares de e-mails. Apoiadores de David lotavam as caixas postais de ministros, juízes e desembargadores do Rio e de Brasília. Eles recebiam 10, 15 e-mails por dia.

Era uma interferência indevida?

O Chris Smith, no dia da decisão no STJ, estava dentro da sala de julgamento. E falava o tempo todo. Nesse dia, era março de 2009, propusemos um acordo. David teria o direito de visitar quantas vezes e a hora que quisesse o menino. David se levantou, falou com o Chris Smith e só então respondeu. "Não, quero levar Sean para os EUA e vocês é que visitam quando quiserem." E agora não está cumprindo, não é? Bom, quando teve direito de visita, David só apareceu quatro vezes. Começou vindo meia hora pela manhã, meia hora à tarde. Em outras oportunidades, informava que ia visitar e não aparecia. Aí o consulado americano telefonava dizendo que tinha havido um imprevisto. Imprevisto nenhum! David era visto almoçando e jantando no Country Club do Rio de Janeiro, com o embaixador, com diplomatas... Sobel, ao que parece, é pré-candidato ao Senado americano.

Por que alguém inicialmente desinteressado, como diz o senhor, depois lutaria anos pela guarda do filho?

Hoje essa ONG que David criou virou um grande business. O interesse dele não é afetivo, é material. Sempre foi. Exigiu da família de Bruna, na corte de New Jersey, US$ 150 mil para liberar o direito da família dela de vender uma casa tinham nos EUA. E a família pagou. Reparem que o primeiro ato do David em entrevista coletiva, ao voltar com o filho para os EUA, ao lado da advogada americana, foi pedir mais US$ 500 mil.

Como forma de suposto ressarcimento.

Não precisa ser jornalista nem advogado, até o leigo já percebe o interesse. Além da ONG, que recebe doações, David vendeu direitos de cobertura para a NBC.

E para filme?

Que já está sendo rodado! Vem aí filme, livro, vocês se preparem que até o final do ano ou o início do próximo vão anunciar. Está todo mundo faturando.

Após o embarque para os EUA, a rede NBC divulgou foto do menino sorridente ao lado do pai, no avião. Tem como ser falso?

Foi tudo arquitetado: a NBC fretou um avião para buscar o Sean e pagou o hotel Marriott, no Rio, onde se hospedaram o David, o deputado, uma pessoa ligada ao senador e até o Arturo Valenzuela, que trabalha com Hillary. Montaram um verdadeiro quartel-general ali. David fez o percurso do aeroporto para o hotel acompanhado por batedores cedidos pelo governo brasileiro, eu nunca vi isso! E, de repente, um processo que estava parado desde julho na Justiça Federal é julgado em dezembro. Então entramos com habeas corpus no STF e o ministro Marco Aurélio Mello pediu que fosse ouvida a criança. O que aconteceu? O ministro Gilmar Mendes, que nem era o relator, já que o nomeado era o ministro Peluso, avoca a decisão para si e manda devolver o menino. O ministro Marco Aurélio diria depois, em uma entrevista, que despachou-se a criança como se fosse uma coisa.

Sean tinha idade para ser ouvido?

A idade oficial no Brasil para ser ouvido é 12 anos. Sean tem 9, vai fazer 10 no mês que vem. Mas a jurisprudência permite que o juiz ouça crianças até com 3, 4 anos. Vocês não têm ideia de como estava o menino na véspera de ir embora... Gritava, chorava, segurava nas pernas da gente. De repente, ficou fora de si. Parado, não falava mais.

Haveria em jogo uma suposta ameaça de retaliação comercial por parte dos EUA, caso Sean não fosse devolvido.

Sim, que alcançaria 3.400 produtos brasileiros. Pois eu soube, nos EUA, que tudo não passou de blefe, pois a isenção sobre esses produtos já havia sido decidida antes do Sean ir para lá. Esta semana vi o ministro Celso Amorim falando no Senado, dizendo que pressiona os EUA na questão do algodão... Pressiona nada. Meu neto é que foi trocado como se fosse algodão, sapato, num clima de teatro. Vejam que a decisão do ministro Gilmar era a de que se entregasse o menino até o meio-dia de 24 de dezembro. Ora, vivemos em um país cristão e escolhem o Natal? Por quê?

Então não foi coincidência?

Pura pressão: o contrato que a NBC tinha com a empresa que alugou o avião expirava em 24 horas. Foi tudo comercialmente decidido. Hoje Gilmar Mendes não toca no assunto, mas comentou, logo depois, enquanto fazia um passeio de bicicleta: "Resolvi logo esse negócio porque estava dando muito trabalho". Isso é expressão de um ministro?

O sr. acha que David conseguiu atrair a simpatia da imprensa brasileira?

De alguns setores da imprensa brasileira, sim. Pela pressão exercida pelo blog e por influência da mídia americana. Mas da maioria dos jornalistas, não. Sentiram a brutalidade que foi pegar uma criança na véspera do Natal e entregar. É a lei do mais forte. Os americanos só não pararam uma esquadra aqui na baía da Guanabara. Só faltou isso.

O sr. menciona o David andando com batedores no Brasil, porém ele acusa a sua família de fazer espetáculo no momento da entrega de Sean no consulado americano...

Não tínhamos noção do que fazer, ninguém nos orientou. Podíamos ter fugido, desaparecido com essa criança. Mas temos nome e respeito pelo Poder Judiciário. Tanto que estamos recorrendo, com esperança de que meu filho vá ganhar a causa.

A luta continua?

João Paulo não abandonou, e não abandonará, o Sean. Esta semana, em uma entrevista para um jornal de São Paulo, o advogado do David, ao ser perguntado sobre a continuação do litígio, disse: "Não vai adiantar nada". É um desrespeito com nosso Judiciário. Continuamos província. O Brasil, com essa potencialidade econômica imensa no exterior, continua submisso. Mas o caso não está encerrado no Brasil, aqui a decisão foi liminar. E a entrega do menino foi de um açodamento total porque deputados, senadores, o Itamaraty e o próprio Marco Aurélio Garcia não paravam de ligar para o STF. É como se dissessem "libera logo esse pacote de sapatos!"

A avó de Sean tem dificuldade para vê-lo?

Ela esteve duas vezes nos EUA, mas sem sucesso. A criança está vivendo um verdadeiro cárcere privado. Se fosse aqui, já tinha mandado de prisão na rua. Lá, não, virou trunfo político: Sean vai eleger deputado, senador, até o prefeito de Tinton Falls, onde o David mora, está de olho na reeleição. E fala mal de mim para o mundo inteiro. Presidi a Federação Interamericana de Advogados, em Washington, e a União Internacional de Advogados, em Paris. Pois ele envia e-mails aos diretores e membros dessas instituições me chamando sequestrador. Sofri com isso, foi uma coisa que me abalou.

Como está d. Silvana?

Silvana está morrendo por dentro. Quem a conheceu anos atrás, olha e pensa que é uma senhora de 80. Perdeu a filha, agora o neto. Sean saiu do Brasil com duas linhas de telefone, que demos para ele. E um laptop. Eu paguei por esse computador lá, presente para o meu neto. Pois foi subtraído, tanto quanto os celulares. Sean está proibido de falar português. Em uma das viagens, Silvana teve uma reunião com David e o psicólogo americano que cuida do Sean. O psicólogo disse que seria salutar o menino ver a avó. Mas David não deixou. E o advogado dele diz: "Os avós irão vê-lo oportunamente". Quando? Quando tiver 21 anos?

Quantas vezes vocês contataram Sean?

Silvana trocou palavras quatro vezes por telefone, 30 segundos cada vez. Ela não pode se expressar em português diante dele, não pode falar da Chiara, nem manifestar saudade. É uma coisa absurda, virou Guantánamo! Se amanhã a liminar do ministro Gilmar Mendes for derrubada e se decidir que a criança deve ser ouvida, como pedir isso? A quem pedir? David mudou inclusive o telefone da casa em que vive. Tenho dúvidas se Sean volta. Por acaso os EUA mandaram de volta, para depoimento, os dois pilotos americanos que causaram o acidente da Gol que matou não sei quantos? E os cinco cubanos que estão sendo julgados por lá, os famosos "Cuban Five", voltam? Nunca.

Qual seria o mal menor?

Mal menor seria a ampliação da visitação do menino para os avós e o pai afetivo. Que isso fosse homologado e Sean tivesse o direito de passar férias aqui, e voltar. Uma coisa em alto nível. Temos muita confiança no nosso advogado, Sergio Tostes. Ele é craque, um profissional lapidado em Harvard. E temos esperança de que a decisão judicial, não a política, nos seja favorável. Por que as autoridades do governo brasileiro se calam? Porque sabem que foram submissas. Mas minha convicção na Justiça é uma condição de fé, de tradição. Aprendi isso com meu pai, meu avô, meu bisavô e ensino aos meus filhos. Não vamos mudar.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Polícia prende suspeito de morte de seis jovens em Luziânia

A Polícia Civil de Goiás prendeu um homem suspeito de ter matado seis jovens na cidade de Luziânia. Conforme a polícia, um pedreiro confessou o crime e indicou onde estão enterrados os corpos. Pelo menos dois já foram localizados. As informações são do “Jornal Nacional”.

A polícia não divulgou o nome do suspeito, mas disse que ele foi preso na manhã deste sábado. Ele era investigado há 10 dias, desde um parente seu começou a usar o celular de uma das vítimas.

As bucas pelos corpos dos outros jovens serão retomadas na manhã de domingo.

Pai de jovem desaparecido se emociona ao lembrar do filho / Ag. ObritoNews

O caso

Entre dezembro de 2009 e janeiro de 2010, seis meninos com idades entre 13 e 19 anos desapareceram misteriosamente. Eles não se conheciam, mas tinham em comum o fato de todos morarem no Parque Estrela Dalva, que concentra cerca de um quarto dos habitantes de Luziânia - quarta maior cidade de Goiás, com 203.800 moradores, segundo contagem de 2008 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Parque Estrela Dalva está situado a 56 quilômetros de Brasília, na periferia.

Todos desapareceram de dia, após realizarem atividades de rotina. O primeiro a desaparecer, em 30 de dezembro de 2009, foi Diego Alves Rodrigues, de 13 anos. Pouco antes das 10h, ele saiu de casa no bairro para ir a uma oficina de carros e não foi mais visto.

A polícia chegou a trabalhar com a hipótese de “rebeldia típica de adolescente”. O delegado Rosivaldo Linhares disse à época que acreditava que todos os jovens estavam vivos. O núcleo de atendimento a famílias de pessoas desaparecidas da Secretaria de Desenvolvimento Social do DF, que foi à cidade ajudar nas buscas, afirmou que em mais de 80% dos casos de desaparecimento os adolescentes fogem e reaparecem em até um ano.

As mães dos jovens, porém, nunca acreditaram nesta possibilidade. A copeira Sonia Vieira de Lima, mãe de Paulo Victor, que desapareceu no dia 4 de janeiro, era uma delas. "Meu filho não era rebelde e não tinha razão para fugir", disse. "Ele era carinhoso com a família, organizado e trabalhador." O perfil corresponde a quase todos os desaparecidos, segundo os parentes.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Braille group gets in touch with new technology

WESTPORT, Apr 10, 2010 (Connecticut Post - McClatchy-Tribune Information Services via COMTEX) -- Peggy Catlin and Theresa Searl are tearing off the perforated edges of the computer pages. Micki McCabe puts away a few cupcakes and the pot of tea, left from the trio's recent break.

Stacks of white books with black spiral bindings crowd the table in the already crowded office of the Connecticut Braille Association, an office tucked away in the basement of the Westport Woman's Club on Imperial Avenue.

Catlin, a Shelton resident and a very young 93 years old, has been volunteering with the CBA for 45 years. A certified Braillist, Catlin recalled the days when books were translated into Braille using a six-key machine.

"Each is called a cell, and a cell is made up of six dots," she said. "Everything in Braille is made up of these dots." And one textbook might encompass 20 volumes once it's translated into Braille, the system of reading and writing used by blind people that was invented almost 200 years ago.

In those days, Catlin said, the small office was busy with volunteers four days a week, since the task of transcribing the books -- mostly textbooks -- was more time-consuming. But Catlin found the volunteering was addictive. "We say that once you come here, you're stuck," she said, with a laugh. "It's wonderful for people like me." The introduction of computers and new software, however, has changed that. It's still time-consuming, said McCabe, the CBA Workshop director, because it's important to be accurate, but the process is less demanding than old manual machines.

A $25,000 grant from the Norma B. Pfriem Foundation recently awarded to the CBA will help the organization's volunteers keep up with changing technology, as well as pay for the latest in software and hardware systems.

These days, the books are translated using a computer -- a volunteer transcribes the book using the Word program, then either copy it to a disk or e-mail it to the CBA. There, a computer program translates the words into Braille and the pages of raised dots are printed and then bound by hand.

Another new piece of equipment to be purchased with the grant money will take perforated edges off the pages, eliminating that tedious task.

Most of the books produced by the group are used in the state's public schools, with the $40 per volume cost paid by the state, McCabe said, though they will fill requests from individuals.

"I've had people call me from California," she said. "One mother called because her kid was going to private school and the school didn't have any money to order the book." The grant will also be used in some instances, McCabe said, to provide books to those in financial need.

The grant funds will also be used to buy a new printer that will enable them to re-create much more detailed three-dimensional images, such as graphs.

"We don't have it yet, so I'm not sure it works," McCabe said, but she's hopeful CBA will be able to use it to give blind children a better understanding of the concepts of three dimensions.

There are about 17 or 18 active volunteers with the CBA, though not all are in the area, McCabe said. In fact, she said, they have one volunteer who lives in Maine. "She e-mails her files to me," McCabe said. "There's also a woman in North Carolina, who also e-mails me. They're all wonderful volunteers." A local Jewish temple has used its annual "mitzvah day" to bring a large group together to tackle typing books into the computer If a book is scanned, it has to be taken apart, and then put back together, so McCabe learned how to bind books.

To volunteer with the CBA, one doesn't really need any special skills, she said, nor does one need to be a fast typist. "With Braille, it's not speed, it's accuracy," McCabe said.

"Braille is world-wide," Catlin said, "and it has to be the same." To see more of the Connecticut Post, or to subscribe to the newspaper, go to http://www.connpost.com/. Copyright (c) 2010, Connecticut Post, Bridgeport Distributed by McClatchy-Tribune Information Services. For reprints, email tmsreprints@permissionsgroup.com, call 800-374-7985 or 847-635-6550, send a fax to 847-635-6968, or write to The Permissions Group Inc., 1247 Milwaukee Ave., Suite 303, Glenview, IL 60025, USA.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters