[Valid Atom 1.0]

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Obama fires McChrystal, Petraeus to take over Afghanistan war

U.S. Army General David Petraeus, commander of U.S. Central Command, smiles while speaking at the Association of the United States Army (AUSA) annual meeting in Washington October 6, 2009. (Xinhua/Reuters File Photo)

WASHINGTON, June 23 (Xinhua) -- U.S. President Barack Obama on Wednesday announced he has accepted the resignation of General Stanley McChrystal, commander of U.S. forces in Afghanistan, and is to nominate General David Petraeus, commander of U.S. Central Command, to take over the war in Afghanistan.

Flanked by Vice President Joe Biden, Defense Secretary Robert Gates, Chairman of the Joint Chiefs of Staff Mike Mullen and Petraeus, Obama announced the decision after an hour-long meeting of his advisers on Afghanistan war. He said the behavior of McChrystal, who made disparaging remarks about senior administration officials, was unbecoming.

"The conduct represented in the recently published article does not meet the standard that should be set by a commanding general," Obama said, noting it undermined civilian control of the military and the ability of the team handling the Afghanistan war to work together, emphasizing he "won't tolerate division."

"As difficult as it is to lose General McChrystal, I believe that it is the right decision for our national security," Obama said, telling troops they must obey conduct code, which applies equally to all military personnel.

After announcing he will nominate Petraeus, who is the immediate superior to McChrystal, Obama urged Congress to confirm the nomination as soon as possible. Petraeus served as commander of U.S. forces in Iraq during former President George W. Bush's troops surge there.

McChrystal was summoned to Washington to explain his remarks critical of Obama and other senior administration officials. He met with Gates in the Pentagon in the early morning, and then with Obama in the White House. Both meetings lasted around half an hour.

McChrystal was initially expected to join the monthly strategy meeting of Obama's Afghan war advisers in White House situation room, but he was not seen returning to the White House after the morning meeting with Obama.

McChrystal made the disparaging remarks to the Rolling Stone magazine. In a profile titled Runaway General, which is to appear in this week's magazine, McChrystal said he felt betrayed by U.S. ambassador to Kabul Karl Eikenberry. He recalled to the magazine the time he asked for more troops from Obama as "painful," and said Obama had him in "an unsellable position" to ask for an increase in troops.

Obama eventually decided to send 30,000 more troops to Afghanistan in December.

The magazine story also contained mocking remarks from McChrystal's inner circle of aides towards senior administration officials such as Biden and National Security Adviser James Jones.

After Obama made the remarks, McChrystal released a statement saying he offered his resignation out of a desire to see the mission in Afghanistan succeed, and he supports Obama's strategy and remains deeply committed to the war.

Afghan President Hamid Karzai, who voiced his support to McChrystal earlier, said through a spokesman he respects Obama's decision, and looks forward to working with Petraeus.

NATO Secretary General Anders Fogh Rasmussen said in Brussels the coalition's strategy in Afghanistan remains unchanged.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Brazil, Italy sign agreement to develop naval technology, vessels

BRASILIA, June 24 (Xinhua) -- Brazil and Italy on Thursday signed a naval agreement to jointly develop patrol vessels and logistic support vessels.

The accord, signed by Brazilian Defense Minister Nelson Jobim and Italian Under-secretary of Defense Guido Crosetto, also covers technology transfer and the development of weapon and navigation systems.

It will enable both countries to develop security mechanisms for military communications through satellites and benefit systems used in the Project Blue Amazon, responsible for protecting the Brazilian coast.

The Italian defense under-secretary said cooperation in defense may provide business opportunities for both countries.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Brazil sets up fund to promote trade ties with Argentina

BRASILIA, June 24 (Xinhua) -- The Brazilian government announced on Thursday in Sao Paulo the creation of a 100-million-U.S.-dollar fund to finance Argentine high-tech companies and Brazilian enterprises established in the neighboring country.

The Brazilian Development Bank (BNDES) will provide resources for the fund, which will become operational within two months and will be administered by two banks on the Argentine side, Argentine officials said.

The initiative was announced following a meeting between Brazilian and Argentine officials on the integration of production and bilateral trade.

"The creation of this fund will help Brazil to develop a better trade relationship with Argentina, increase productive integration among countries, and help Brazilian companies to settle in Argentina," said Miguel Jorge,minister of development,industry and foreign trade.

Brazilian Finance Minister Guido Mantega called on both countries to make full use of the dynamic local market.

Brazil and Argentina are both main partners in the Common Market of the South (Mercosur), a regional trade bloc which also includes Paraguay and Uruguay.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Brazil to call for maintaining economic growth at G20 summit

BRASILIA, June 24 (Xinhua) -- Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva will call on other countries to maintain their stimulus measures to boost economic growth when he attends the G20 summit in Toronto this weekend, a government spokesman said Thursday.

In addition, the Brazilian leader will also make efforts to promote reform of the International Monetary Fund (IMF) aimed at greater voting power for developing countries, strengthening international standards for financial markets regulation and an early conclusion of the Doha round talks of the World Trade Organization (WTO), presidential spokesman Marcelo Baumbach told a press conference.

Baumbach said that for the first time in a G20 summit the issue of international trade would be addressed in a whole debate session, during which Lula would stress the need to conclude WTO's Doha Round talks.

"In particular, President Lula will defend the need for world leaders to demonstrate political will to intervene directly to bring the conclusion of the Doha Round with the package on the table since 2008," he said.

According to the spokesman, Lula will possibly have bilateral meetings with French President Nicolas Sarkozy and German Chancellor Angela Merkel on Saturday.

Lula will also meet U.S. President Barack Obama on the sidelines of this summit, he said.

At the Toronto summit, leaders of the 20 developed and developing countries will discuss the global economic situation and take stock of the measures agreed at the previous summits, the last of which was held last September in Pittsburgh, the United States.

The G20 group comprises Argentina, Australia, Brazil, Britain, Canada, China, France, Germany, India, Indonesia, Italy, Japan, Mexico, Russia, Saudi Arabia, South Africa, South Korea, Turkey, the United States, and the European Union, which is represented by the rotating presidency of the EU Council and the European Central Bank.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Oil spill takes toll on tourism on Gulf Coast


A tiger dam boom is laid out the full length of the Grand Isle  Beach, La., on Thursday to try to stop oil from the spill.

GRAND ISLE, La. — On this sliver of land, summer is high season. And on a typical weekend, Artie's Sports Bar would be crammed with more than 1,000 patrons peering at the ocean.

But this is no ordinary summer. The oil spill that has sent more than 90 million gallons of crude gushing into the Gulf of Mexico has seeped into the island's bayous, roughly 50 miles from the sunken rig that sparked the leak. And visitors aren't coming. Frankie Marullo, whose brother owns Artie's, says there have been only a few dozen customers a day. And he fears those who are staying away this year may never return.

"The tourism business is shot," he says. "This place is wiped out. It's going to kill this little island."

Vacationers are starting to steer clear of the Gulf Coast. The worst oil spill in U.S. history, which has endangered wildlife and stymied the fishing and oil trades so vital to the region's economy, now is threatening the multibillion-dollar tourism industry as wary visitors cancel trips or plan vacations to places where they don't have to worry about oil coming ashore.

"There's a big concern it might be fine now, 'But what about 30 days from now, when I'm there?' " says Anne Banas, executive editor of SmarterTravel.com. "So you see some people canceling, but other people booking other destinations right off the bat."

Oil has been leaking for more than 65 days, since a Deepwater Horizon drilling rig leased by oil giant BP exploded on April 20, killing 11 men. On Wednesday, authorities advised people not to swim or wade in waters off a large portion of Pensacola Beach because a significant amount of oil had come ashore.

Florida's Pensacola Beach was among the latest shore areas to be given a swimming advisory. Similar warnings have been issued at various times for the Gulf waters off Fort Morgan, Ala.; Perdido Key, Fla.; and some other parts of the coast.

However, most beaches in the Gulf states of Mississippi, Alabama, Louisiana and Florida have remained open — even if the water has been off-limits at times. President Obama and Alabama Gov. Bob Riley, who visited Orange Beach over Father's Day weekend, are among the many government and tourism officials encouraging vacationers to head to the coast and help the tourism industry.

However, a barrage of news reports showing marine life coated with oil and workers scouring the shoreline in spots such as Perdido Key has made beachgoers wary. Lodging owners from Gulf Shores, Ala., to Fort Walton Beach, Fla., say bookings are down, with some seeing a particularly steep drop in reservations for July and August. Charter boat guides across Florida are seeing cancellations and fielding fewer reservations.

And here in Grand Isle, where the population normally grows from roughly 1,500 to more than 10,000 during the summer, locals count only about 100 tourists. The local camps and motels are filled instead with contract workers and members of the military, here to help with the spill cleanup effort.

"It's taken our livelihood from us," says Josie Cheramie, head of the Grand Isle Tourist Commission. "If you don't have tourists and you don't have fishing, what are you going to have?"

Blake Fleetwood, who owns five travel agencies in the New York City area, says that half of his clients who've booked Gulf Coast vacations are considering canceling, even though he's told them most of the beaches are fine.

"It's the fear more so than reality," says Fleetwood, who had a group of 20 recently switch a tennis-playing excursion from Key West to South Carolina. "They just see it's in the Gulf. It's close by. And they have heard so many lies about this oil spill and how many gallons (have spilled) they don't really believe anybody. They think it's better to be safe than sorry."

'It may be the final straw'

For those who rely on tourism for their livelihoods, the spill couldn't have come at a worse time. Summer is prime tourist season for communities dotting the Gulf. Louisiana saw $1.36 billion of its more than $8 billion in tourism dollars generated by its Gulf region last year. Alabama's beaches produced 25% of the $9.2 billion in tourism dollars reaped by the state in 2009. And of the 19 million visitors who flocked to Mississippi July 2008 through June 2009, 5.5 million traveled to the state's three coastal counties.

In Mississippi, the spill could result in a $120 million loss to non-casino tourism in the state's coastal areas this summer, according to a study released this month by the University of Southern Mississippi. And the average daily rates for hotels in the Gulf region continue to drop, according to the travel website Travelocity. For example, before May 15, hotel bookings for June in Panama City, Fla., were averaging $122 a night at Travelocity. But June bookings made from May 15 to June 22 fell on average to $96.

Some vacationers who would have headed to the coast say they're planning trips to other parts of the South, such as North Carolina, South Carolina and Tennessee. Arizona, the Caribbean and Europe also are alternative destinations, travel watchers and planners say.

Joe Dew and his wife are among the Gulf Coast faithful who won't be there this summer.

The couple usually look forward to a Gulf Coast getaway each July. It's a chance to take a plane ride and relax in shorefront enclaves such as Naples and St. Petersburg, Fla.

But Dew is so worried about wayward crude that he and his wife have decided to avoid even beach vacation spots far from the spill, including those along the Atlantic Coast. Instead, they will drive 90 minutes from their home to the Pinehurst Resort in North Carolina.

"We knew we weren't going to the Gulf Coast, but we were still considering places along the Atlantic, in South Carolina and Florida," says Dew, who lives in Morrisville, N.C. Then, he says, "We decided the safest thing to do to make sure that we didn't have to deal with anything related to oil was to stay here and go to a place we knew we could count on. ... It's only once a year we're able to get away alone. It has to really count. So I don't want to run the risk we're going to be dealing with oil."

Clear waters but few tourists

A looming problem for the Gulf's tourism industry, says travel agent Fleetwood, is that travelers like Dew who venture to new places may decide to keep going there — and not to the Gulf Coast — in subsequent years.

"The repercussions could go on for years," Fleetwood says. "When you lose groups or vacationers, they try some place else and then they like the other thing just as well or better. This is a particularly fragile time for the hotel industry ... and in the area affected, it may be the final straw."

Parts of the Gulf Coast continue to thrive. Hotels and eateries in New Orleans, many of which have struggled since Hurricane Katrina struck in 2005, have had their best year since the storm, says Stephen Perry, president of the New Orleans Metropolitan Convention & Visitors Bureau. Downtown hotels have had fewer than 2% cancellations since the oil leak began.

The area around Pensacola had also been doing well. Lodging occupancy was up by double digits in May over the same time last year.

But tourism officials now predict a 10% to 20% drop in revenue and occupancy in June and July and a 20% plunge in August, according to a report by Ed Schroeder of the Pensacola Bay Area Convention & Visitors Bureau.

Julian MacQueen, owner of the Hilton Pensacola Beach Gulf Front and several other hotels on the coast, says that before the massive oil leak, occupancy was up 20% over last year. But fear of oil seeping onto local beaches has caused the uptick to go flat.

"Our reservations have gone down and stayed down," he says.

Watching the usual flood of tourists slow to a trickle is particularly frustrating for boat guides and business owners gazing out at clear waters.

"We were just beginning to recover from Katrina, and here we are again," says Mary McLaurin, 58, a store owner in Bay St. Louis, Miss., where oil had not come ashore but tourism is still down 10% from last year. "I can buy new equipment or buy more groceries (after a hurricane), but I can't take perceptions out of people's minds."

Florida fish and wildlife conservation officials say only fishing areas in the northwest corner of Florida have been directly affected by the spill. But Pat Kelly, president of the Florida Guides Association, says charter boat guides throughout the state are reporting cancellations.

"That perception of the big bad wolf — which didn't show up yet — is still hanging over our heads," Kelly says.

Restaurants also are struggling. Amy Martin, whose family firm, McGuire's, owns four eateries in the Pensacola area, says the number of customers is down 50% in June compared with last year, while sales have dropped 25%. "It's worse and worse every day," she says.

Renee Lefeaux, 44, and her family only recently had gotten their beachfront condo on Alabama's Orange Beach into rental condition after it was severely damaged by Hurricane Ivan in 2004.

In early June, the day before she says the Perdido Pass was closed to all but work crew barges, she and her daughter went parasailing. Instead of the seaweed tumbling and rolling, it was clumping together in a way that didn't seem natural, she recalls.

"We knew firsthand it was coming," Lefeaux, who lives in Baton Rouge, says of the oil. "It was only a matter of days. ... It was very sad."

Now, the guests who had planned to rent the condo are dropping those plans left and right. "I had booked through August, and now there's not a soul booked the rest of the year," Lefeaux says.

Celebrities, local businesses and tourism officials are pitching in to try to woo reluctant travelers. Hotels are offering steep discounts or guarantees that they'll give guests refunds or credits if oil appears during their stay. Singer Jimmy Buffett, an Alabama native who's opening a hotel in Pensacola this summer, will host a free concert in Gulf Shores on July 1 to promote the coast.

'So many unknowns'

State tourism directors in Mississippi, Alabama and Louisiana, which each received $15 million in compensation for lost business from BP, along with Florida, which received $25 million, say they'll use much of the money for advertising campaigns aimed at allaying vacationers' fears.

"Phones are not ringing ... the way it should be this time of the year," says Mary Beth Wilkerson, director of the Mississippi Development Authority's Tourism Division. "To combat that, we're messaging that we haven't had any significant intrusion of oil close to our beaches."

New Orleans has launched a $5 million campaign, using BP funds given to the state. It's seeking $75 million more from the company to make sure the spill doesn't sully its resurrected image.

"We were doing so well," says Perry of the New Orleans visitors' bureau. "This has the potential, if it's not managed and marketed against, to damage us once again."

Some tourism and leisure business owners say they'll file compensation claims for a share of the $20 billion that BP is setting aside in a fund for victims of the spill that will be run by Kenneth Feinberg, the White House's "pay czar." Some who've already filed claims complain that the process so far, as administered by people hired by BP, has been difficult, with ever-changing requirements for multiple documents. Even if claims are handled better, some fear compensation won't cover losses.

Ed Lane, 56, chief financial officer for Coastal Community Bank in Panama City Beach, Fla., says that it will be hard for BP to make up for what has been lost. "I don't think BP has the means to make everyone whole," Lane says. His bank has seen borrowers back out of loans for second homes, afraid they'll not be able to rent out or ultimately resell the properties if oil reaches the area. "There are so many unknowns. ... How many people are not even looking in this area right now for a home that my bank would have had the opportunity to finance?"

Even so, Dew, the North Carolinian who's avoiding vacationing on the Gulf this summer, says he remains hopeful his family will return — soon.

"We love it," he says of the Gulf Coast. "My hope is that ... the ocean and Mother Nature take care of what's going on in better ways than we can expect. We're hoping next year things will be calmed down and we'll say, 'Let's go to the Gulf.' "



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Yahoo Chief Defends Her Site, Strategy


[BARTZBT] Bloomberg

Yahoo CEO Carol Bartz, shown in May, said, 'We're not going away. This is not a decaying asset.'

Yahoo Inc. CEO Carol Bartz faced shareholders at the company's annual meeting Thursday—18 months into her effort to turn around an unfocused Internet giant eclipsed by Google Inc. and left battered by Microsoft Corp.'s failed takeover attempt.

Yahoo shares have risen about 20% since she took over, but some investors still question whether Ms. Bartz can execute her vision.

One of her biggest moves so far: a 10-year revenue-sharing search pact struck last July with Microsoft, whose Bing engine will power searches on Yahoo's pages, freeing Yahoo to focus on improving its core display-advertising business and beefing up content on key Web properties.

Analysts are concerned Yahoo lacks a viable mobile strategy, an emerging market in which Apple Inc. and Google are staking their claims. Yahoo is also losing ground to social networking. Market research shows people are spending less time on Yahoo as they shift to Facebook Inc.

Famous for her colorful language, Ms. Bartz sat down for a recent interview and didn't swear once.


WSJ: Your rivals are moving aggressively. Does Yahoo have a limited amount of time to effect a turnaround?

Ms. Bartz: When you talk about rivals, the big three on the Internet are Facebook, Google and Yahoo. People come to us for three different things.

We're not going away. This is not a decaying asset. Yahoo serves about 600 million people a month on the Internet. We are the number one or two site [based on time spent].

WSJ: Analysts are concerned about Yahoo's mobile strategy.

Ms. Bartz: Yahoo's strategy is to make its content as widely available on as many devices as possible and then we can advertise against that.

WSJ: But critics say Yahoo is not being aggressive enough about getting its content onto smartphone platforms like Apple's iPhone and Google's Android.

Ms. Bartz: I think that's true. We should do more. Our Android [apps are] going to come out this summer. We were one of the first with an iPad app and we are going to have an amazing mail app on both the iPhone and the iPad. You know what I'm worried about? iPad apps. I'm worried about getting our content on [the iPad] because the content will bring the advertising.

I wouldn't count out Nokia [Yahoo's software will soon power email and chat services on most Nokia phones]. Nokia has [a large share] of the phone business outside of the U.S. Not everybody in India is running around with an iPhone.

WSJ: By doing this deal with Nokia, aren't you going after a user base that you have struggled to monetize?

Ms Bartz: We're trying to get user growth in Asia. Monetization is not number one in Asia, it's user growth. What is Facebook doing? They are getting users. They will monetize later.

WSJ: Google is worried that Apple's new terms for its iPhone and iPad advertising platform could keep large competitors from serving ads on those devices. Are you concerned that Steve Jobs is trying to crimp competition?

Ms Bartz: At this point I don't. He is trying to make sure the quality of ads on his products stays high. The last thing you need on that beautiful iPad [is to] see an ad for Russian brides or teeth whitening.

WSJ: You famously declared last year that you would be open to a search deal with Microsoft if they offered "boatloads of money," reinforcing the expectation on Wall Street that there would be a big upfront payment from Microsoft.

Ms. Bartz: It was a total mistake. My intent was to say the financials had to make sense for Yahoo, that this was not Yahoo under pressure to do something. There were many investors who said: 'Just take $5 billion.' What am I going to do with $5 billion? I [already] have $4 billion in cash. I need a revenue stream.

WSJ: Are you seeing signs of an upturn?

Ms. Bartz: The signs out there are totally mixed. You feel one week there's an upturn, then you get consumer news and you back off a bit. Our advertisers are moving again to get in front of their consumers. A year ago they were frozen.

We absolutely see movement in the economy, but it just wouldn't be appropriate to say this is going to be a straight shot up to the right when you have what's happening in Europe and when you've got the uncertainty over jobs.

WSJ: What kinds of content do Yahoo users want to see more of?

Ms. Bartz: They want to see more local content – things within a five to 10 mile radius that people want to know what's going on, like coupons and restaurants. People love to know other people's opinions, the whole idea of polling, commenting and rating. That is part of how we operate now online.

WSJ: It sounds like you'd love to have a user-recommendation site like Yelp, a location-sharing app like Foursquare and a local-coupon site like Groupon. Would they fit into Yahoo?

Ms. Bartz: The concept of what they do, sure. They're local, they're rating, they're user voted-on. A lot of these things aren't necessarily high technology, it's the process they've set up and sometimes you want to buy companies like that because they already set a process up and have a name. And sometimes you say: "We can do it."

WSJ: Do companies like Groupon or Yelp already have brands established that create a high barrier to entry?

Ms. Bartz: To have a barrier to entry you have to have more of a Facebook kind of a brand. After the 2000 downturn, companies grabbed a lot of technology only to find out it didn't scale. Company ABC is really good, but once you bring it into this size operation, it breaks. Then you are asking: 'Am I buying good engineers who can reengineer it to our scale, or are we just buying the brand and working furiously behind the curtains ourselves to make it work?' When you are large you always have to consider if you can really bring it in and make it work



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Japan consumer prices fall for 15th month in May

Japanese consumer prices fell for the 15th straight month in May as deflation kept its grip on the world's second biggest economy.

The core consumer price index, which excludes fresh food, fell 1.2 percent from a year earlier, the government said Friday.

The result beat Kyodo news agency's average market forecast for a 1.3 percent decline. It also represents an improvement from April's 1.5 percent fall, suggesting price declines may be moderating as Japan's economy benefits from a jump in exports.

The government's new high school tuition breaks weighed heavily on prices, dragging education costs down 13 percent during the month. Falling prices for furniture, household goods and clothes also dragged the index south.

Lower prices may boost individual purchasing power, but deflation is generally bad for an economy. It plagued Japan during its "Lost Decade" in the 1990s, hampering growth by depressing company profits, sparking wage cuts and causing consumers to postpone purchases. It also can increase debt burdens.

Core CPI for Tokyo fell 1.3 percent in June. The reading is considered a barometer of price trends nationwide, according to the Ministry of Internal Affairs and Communications



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Ex-cliente nega ter ameaçado ou matado advogada

Messias confirmou ao G1 desentendimento com vítima por causa de R$ 700.
Apesar disso, negou crimes e alega ter trabalhado no dia em que ela sumiu.

Kleber Tomaz Do G1 SP

Messias, ex-cliente da advogada Mércia NakashimaMessias, ex-cliente de Mércia Nakashima, aceitou
ter só a mão fotografada (Foto: Kleber Tomaz / G1)

Na primeira vez que ouviu seu nome ser divulgado pela imprensa como alguém que teria ameaçado a advogada Mércia Nakashima, Messias ficou assustado. Ele se espantou ao ficar sabendo que, por conta disso, deveria ser investigado pela Polícia Civil por suposto envolvimento na morte da advogada. Quem citou o vendedor em depoimento foi o principal suspeito pelo crime: o ex-namorado da vítima, o advogado e policial militar aposentado Mizael Bispo. Além de se dizer inocente, Bispo chegou a declarar que Mércia fora ameaçada anos atrás por um ex-cliente chamado Messias.

Por causa dessa suspeita, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) incumbiu a Comissão Especial de Acompanhamento de Inquéritos dos Advogados Vítimas de Homicídio da ordem a acompanhar o inquérito policial para saber se Mércia foi mesmo morta por causa de seu trabalho como advogada.

Procurado nesta quinta-feira (24) pelo G1, Messias só aceitou falar sob a condição de que seu sobrenome não fosse publicado. Ele só aceitou também que sua mão fosse fotografada.

Sem ameaças
Messias afirmou que ainda não foi procurado pela polícia para prestar depoimento, mas, se isso ocorrer, pretende dizer que teve um desentendimento com Mércia por causa de uma dívida de R$ 700 que ele tinha com a advogada, mas que foi quitada posteriormente. Apesar disso, ele declarou que jamais a ameaçou ou quis matá-la.

“Caramba, eu levo minha vida tranquilo. Uma correria danada. Eu não tenho tempo para isso. O meu negócio é trabalhar”, disse Messias, que alega ter trabalhado no dia 23 de maio, quando ela desapareceu após sair da casa dos avós em Guarulhos, na Grande São Paulo.

O corpo da advogada foi achado em 11 de junho em uma represa em Nazaré Paulista, no interior de São Paulo. O caso é investigado pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Mércia trabalhou para Messias em dois casos. O primeiro a respeito de um divórcio consensual. O outro, sobre um caminhão penhorado na Justiça. Mércia entrou com um recurso e o pedido ainda nem foi julgado.

Leia abaixo trechos da entrevista:

G1 – O ex-namorado de Mércia afirmou à polícia que o senhor já ameaçou a advogada, que desapareceu no dia 23 de maio e foi encontrada morta em 11 de junho.
Messias –
Primeiro, eu trabalhei no dia 23. Foi num domingo, né? Eu trabalhei...inclusive minha esposa estava viajando no dia. Eu estava com meu cunhado. Eu tenho um negócio na [Rua] 25 [de Março] e, de domingo, a gente trabalha na rua. E eu faço cartão também e estava com cliente no dia. Fazendo orçamento, em torno de umas 19h até 22h, num bar. E a gente aproveitou e bebeu.

G1 – O senhor estava em São Paulo quando Mércia desapareceu?
Em São Paulo mesmo. Na região da 25 [de Março].

G1 – O senhor trabalha como ambulante?
– Eu trabalho com várias coisas. Trabalho com isso [mostra cartões de visita], trabalho com isso [exibe planos de empresas de segurança], rastreador, seguro. E vendo carregador de celular na 25 para entrar um dinheiro. Porque antes eu tinha uma barraquinha, mas a prefeitura tirou todas de lá.

G1 – Mas o senhor chegou a ameaçar Mércia? Mizael Bispo afirmou que a ex dele ficou com medo e pediu para ele buscá-la três vezes.
Messias –
O que aconteceu foi o seguinte. Eu fiz o divórcio com ela [Mércia]. Depois, ela [advogada] me ligou para um dinheiro. Eu não tinha por que estava desempregado.

G1 – Ela ligou para cobrar honorários?
Messias –

G1 – Quanto era?
Messias –
R$ 700. Mas o que aconteceu: eu casei [com outra mulher]. Ela não sabia que eu tinha casado. Aí o que aconteceu: eu não ameacei ela. Não ameacei.

G1 – O senhor conhece Mizael Bispo?
Messias –
Só uma vez eu vi ele. Foi quando fui fazer o orçamento [a respeito dos serviços da advogada Mércia].

G1 – O senhor foi ao escritório de quem?
Messias –
Dela [Mércia].

G1 – O senhor já ligou para Mércia a ameaçando?
Messias –
Eu nunca liguei. Ela [advogada] que ligava para mim. Você entendeu? Então foi isso o que aconteceu: ela ligou para minha irmã. E eu pedi para não ligar para minha irmã.

G1 – O senhor nunca ligou para a advogada?
Messias –
Não. Entendeu?

G1 – Então na sua versão foi Mércia quem ligou para o senhor cobrando os honorários?
Messias –
Sim. Aí ela me procurou e a única coisa que eu falei para ela foi o seguinte: por você ser advogada você não podia estar abusando assim comigo [SIC]. Mas só foi só isso e não teve nada de mais.

G1 – O senhor então estava bebendo no dia em que ela sumiu?
Messias –
Na verdade, eu não bebo. Estava num bar fazendo um orçamento de um serviço para um cliente.

G1 – Está casado há quanto tempo?
Messias –
Três anos.

G1 – É o mesmo tempo em que se divorciou?
Messias –

G1 – Tem filhos?
Messias –
Só uma menina com a primeira mulher.

G1- E o senhor procurou a advogada Mércia para tratar do divórcio com a primeira mulher?
Messias –
Sim. E eu não estou entendendo o porquê disso [de ter sido citado pelo ex-namorado de Mércia como alguém que a ameaçou].

G1 – Chegou a pagar os R$ 700 que devia a advogada Mércia?
Messias –
Sim. Quitei tudo.

G1 – Desde então o senhor voltou a falar com Mércia?
Messias –
Nunca mais. A última vez foi em 2007. Eu a procurei na época porque morava em Cumbica e ela falou que dava para fazer o divórcio lá. Não teve contrato nem dada. Não teve papel, tudo foi feito em boca.

G 1 – Mas Mércia conseguiu dar andamento ao divórcio?
Messias –
Tudo. Quando ela resolveu fazer cobrança eu já estava casado. Foi logo no começo ali e acabou. Morreu esse assunto e nunca mais.

G 1 – O senhor teria algum motivo para matar Mércia?
Messias –
Se fosse alguma coisa assim [de matar Mércia] teria de ser uma pessoa [má]. Caramba, eu levo minha vida tranquila. Uma correria danada. Eu não tenho tempo para isso. O meu negócio é trabalhar.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Bastidores: Márcio Garcia posa com o seu dublê

sex, 18/06/10

TV Globo

TV Globo/ Divulgação

Maurício Viegas é um matador em série que vive se metendo em situações arriscadas em Na Forma da Lei. É nessas horas que o seu intérprete, o ator Márcio Garcia, conta com uma ajuda especial, como na cena do capítulo de estreia em que Maurício levou um tiro de Gabriela (Luana Piovani) após assassinar Eduardo Moreno (Thiago Fragoso). Márcio e seu dublê, Elton Nascimento, revezaram-se na gravação da sequência. Em um intervalo, os dois posaram juntos para o site, vestindo roupas idênticas. Márcio estava com a maquiagem sombria usada por Maurício durante a rave.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Bastidores: Luana se despede do elenco e já sente saudades

qui, 24/06/10 por

TV Globo

TV Globo-Divulgação

Na noite de ontem, 23, Luana Piovani gravou suas últimas cenas como a delegada federal Gabriela Guerreiro de Na Forma da Lei, em um restaurante da Zona Oeste do Rio. Nos intervalos, a atriz posou com os colegas Ana Paula Arósio (Ana Beatriz) e Leonardo Machado (Célio Rocha) e confessou já estar com saudades de participar do seriado.

TV Globo/ Divulgação

Luana fez um balanço de como foi interpretar Gabriela: “Ficam as pessoas: o Leo (Leonardo Machado), o Samuca (Samuel de Assis), a Ana (Paula Arósio), o Márcio (Garcia), o Henri (Castelli)… Fica a minha experiência com armas de fogo, que vai me ajudar em um longa que vou fazer ano que vem, no qual também serei uma delegada. Fica a saudade e a sensação de um trabalho bem realizado, uma satisfação”.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Ana Paula Arósio e Márcio Garcia descontraem em gravação

qui, 24/06/10

TV Globo/divulgação

Se na ficção Ana Beatriz odeia o serial killer Maurício Viegas e quem mais o ajude em seus crimes, como o delegado Moreira, nos bastidores de Na Forma da Lei o clima entre os atores Ana Paula Arósio, Márcio Garcia e Ailton Graça é de total descontração. Logo após gravarem a cena do segundo capítulo (exibido dia 22/6) em que a promotora fica apavorada ao ver o filho do senador no fórum, Ana e Márcio encontraram Ailton pronto para entrar em ação. Os atores posaram para o site nas dependências do Palácio Tiradentes, no Centro do Rio, onde gravaram cenas para três episódios do seriado.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Nova York encontra mais restos mortais de vítimas do 11 de Setembro

Fragmentos estavam em material que vinha sendo rastreado desde abril.
Trinta e sete deles estavam sob a West Street, próximo às antigas torres.

Do G1, com agências internacionais

Autoridades municipais de Nova York afirmaram que uma nova busca nos destroços que estavam no local do World Trade Center e nos arredores achou restos de 72 corpos que seriam de vítimas dos atentados do 11 de Setembro de 2001.

O rastreamento começou em abril, em destroços retirados de uma área de 700 metros cúbicos no chamado Marco Zero, e terminou na sexta-feira passada.

Trinta e sete dos fragmentos estavam no material que estava sob a West Street, que passava ao lado das Torres Gêmeas. Eles só foram achados agora porque uma obra tornou o local acessível. Os escombros foram analisados em Staten Island.

A cidade começou as novas buscas em 2006, e 1.845 cadáveres foram achados desde então.

As autoridades disseram que muitos corpos estão em bom estado de conservação, o que permitirá que eles sejam submetidos a exames de DNA para que sejam reconhecidos.

Até janeiro de 2010, o instituto médico legal havia recuperado 21.744 restos humanos dos destroços, 12.768 dos quais foram identificados.

No mesmo período, foram identificadas 1.626 vítimas, ou 59% das 2.752 que teriam morrido nos ataques.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

USP testa 'preservativo intestinal' para tratar casos graves de obesidade

24/06/2010 08h00 - Atualizado em 24/06/2010 13h19

Manga endoscópica, colocada pela boca, limita absorção do alimento.
Em um ano, pacientes conseguiram emagrecer em média 30%.

Iberê Thenório Do G1, em São Paulo

Uma prótese semelhante a uma camisinha, instalada no intestino sem a necessidade de cirurgia, está ajudando pacientes que sofrem de obesidade a emagrecer. O equipamento tem 62 cm de comprimento e impede cerca de 20% da absorção do alimento depois que a comida passa pelo estômago.

O produto foi testado pelo Hospital das Clínicas da USP em 78 pessoas. "Tivemos uma média de perda de 30% do excesso de peso nos pacientes", conta o médico Eduardo Guimarães Hourneaux de Moura, diretor do serviço de endoscopia gastrointestinal do hospital.

Além de emagrecer, 90% das pessoas que tinham diabetes tipo 2 conseguiram controlar a doença. Isso ocorre, segundo o pesquisador, porque a prótese estimula a produção de insulina e diminuiu a resistência do corpo a essa substância.

O teste foi realizado com pacientes que já tinham indicação de cirurgia do estômago, mas que não podiam fazê-la por causa das más condições de saúde causadas pela obesidade. Participaram da pesquisa pessoas que tinham obesidade mórbida (com índice de massa corporal, IMC, maior que 40) ou obesidade grave (IMC entre 35 e 39,9) com diabetes ou hipertensão.

Comente esta notícia

Segundo Eduardo de Moura, a colocação da prótese não substitui a cirurgia, mas pode ser uma boa alternativa para pacientes que são obesos, mas o caso não é grave o suficiente para exigir a retirada de parte do estômago.

Sem cortes
Para a colocação da manga endoscópica, como é chamada tecnicamente, é necessária a aplicação de anestesia geral. Como o aparelho entra pela boca com a ajuda de cabos e câmeras, nenhum corte é feito no paciente, o que acelera a recuperação.

Por enquanto, é possível ficar com o "preservativo intestinal" por no máximo um ano. De acordo com o médico do Hospital das Clínicas, mais pesquisas são necessárias para saber se o dispositivo pode causar prejuízos à saúde se ficar por mais tempo.

Dentro do intestino, o tubo plástico pode causar alguma irritação. "Eu tive uma reação nos primeiros 40 dias, quando ainda era necessário ingerir apenas líquidos. Quando eu andava de carro, começava a vomitar", conta o consultor financeiro Jose Correa Garcia Junior, de 57 anos, que retirou a prótese em março.

Por causa da menor absorção de nutrientes, quem usa o aparelho pode ter que tomar suplementos alimentares. "É necessário repor ferro, cálcio e vitaminas", explica Eduardo de Moura.

O que diz quem já usou

JoseJose Correa já pesou 240 quilos. (Fotos: Arquivo Pessoal)

Jose Correa Garcia Junior, 57 anos
Peso antes do procedimento: 194 kg
Peso após o procedimento: 139 kg

"Sou criador de cavalos 'mini-horse'. Como eu não conseguia me pesar em balanças comuns, media meu peso em balanças de cavalo. Cheguei pesar 240 quilos e usar roupa número 80. Hoje tenho 147 quilos e como um quinto do que comia antes. Pena que [a prótese] ficou só um ano."

EdersonEderson perdeu 30 kg em 4 meses. (Fotos: Arq. Pessoal)

Ederson Fleming, 32 anos
Peso antes do procedimento: 207 kg
Peso após o procedimento: 177 kg

"Fiquei menos de quatro meses [com a prótese] porque soltou um grampo. Nesse período, emagreci 30 quilos, e a diabetes acabou. Foi um aparelho que, quando tirei, chorei muito. No anos passado, em julho, fiz a cirurgia [no estômago]. Fui para a cirurgia com taxa de glicose de uma pessoa normal."

Paulo Tarso, 57 anos
Peso antes do procedimento: 116 kg
Peso após o procedimento: 92 kg

"Eu não era um paciente de obesidade mórbida, mas estava com diabetes. Minha pressão sempre foi alta, em torno de 20 por 12, mas chegou a 12 por 6 [com a prótese]. Antigamente eu era um cara que comia muito, e comida muito gordurosa. Hoje eu penso para comer. Agora o que falta é arrumar um tempo para fazer atividades físicas.

Volta à normalidade
A remoção do aparelho também é realizada pela boca, sem cirurgia. Sem o equipamento, o corpo volta a absorver os alimentos normalmente, exigindo disciplina dos pacientes para manter o peso.

"Você não pode deixar de ser acompanhado pelo endocrinologista, cirurgião de obesidade, nutricionista, e não vai deixar de ter sua atividade física, seu apoio emocional", alerta Eduardo de Moura.

Chegada ao mercado
A pesquisa estimulou a procura pela instalação da manga endoscópica, mas o produto pode demorar a chegar aos hospitais, pois a empresa que o produz ainda não tem capacidade para fabricá-lo de forma comercial.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Avó diz que conseguiu falar com Sean duas vezes ao telefone

Segundo Silvana Bianchi, ela estava havia 100 dias sem notícias dele.
Ela afirma que o menino foi monossilábico e disse que estava bem.

Do G1 RJ

Silvana Bianchi avó de SeanSilvana Bianchi, avó brasileira de Sean
(Foto: Foto: José Cruz/ABr)

A avó do menino Sean, Silvana Bianchi, afirmou nesta quinta-feira (24), que conseguiu falar com o neto nos dias 11 e 22 de junho. A criança é alvo de disputa na Justiça entre o pai biológico dele, o americano David Goldman e a avó, desde a morte da mãe do menino. Silvana conta que o primeiro telefonema durou um pouco mais de cinco minutos, e o segundo quase 17 minutos.

“Ele contou que ia entrar de férias dois dias depois. Ele disse que vai pro colégio, pra piscina e vai pescar. Também tem ido ao cinema. Eu falo em português com ele, mas ele só me responde em inglês”, disse ela.

“Ele estava bem-humorado, mas um pouco reticente. Com certeza, tem alguém do lado dele ouvindo a conversa", afirma a avó de Sean.

Sean retornou aos Estados Unidos no dia 24 de dezembro de 2009, após uma batalha judicial entra a família brasileira - representada pela avó Silvana Bianchi e pelo padrasto João Paulo Lins e Silva – e o pai do garoto, o norte-americano David Goldman. Ele era criado pela avó e pelo padrasto desde a morte da mãe Bruna Bianchi quando deu à luz o segundo filho.

Silvana explicou que foi feito um acordo entre os advogados do pai de Sean e ela para receber esses telefonemas uma vez por semana. Mas só foram dois até agora. O menino liga para o celular da avó, mas a hora da ligação não é combinada previamente, afirmou ainda.

“Esse telefonema no dia 11 de junho, já fazia 100 dias que eu não falava com ele. Ele diz ‘I´m ok’ (Eu estou bem). Eu perguntei o que ele queria de presente de aniversário. Ele fez aniversário no dia 25 de março. Ele disse que eu sabia do que ele gostava, mas eu queria saber o que ele quer pra mandar pra ele”, contou Silvana.

Ela disse ainda que em momento algum ele fez perguntas. Era sempre ela que contava as coisas e até deu notícias da irmã dele, que mora com o padrasto de Sean no Rio.

Ainda segundo Silvana, os advogados dela retiraram o pedido de visita emergencial para ver o menino, e entraram com um pedido de visitação através da Convenção de Haia no início do mês de abril.

“Fomos a New Jersey no final de março pra tentar visitá-lo e não o vimos. Então voltamos pro Brasil. Nós tínhamos pedido uma visita emergencial e como não houve consentimento, nós retiramos esse pedido e entramos com um pedido de visitação pela Convenção de Haia- assim é entre o governo americano e brasileiro”, explicou Silvana.

A Convenção de Haia trata, entre outros temas, da proteção de menores. Os Estados signatários da Convenção de Haia reconhecem que “para o desenvolvimento harmonioso de sua personalidade, a criança deve crescer em meio familiar, em clima de felicidade, de amor e de compreensão”. Tanto o Brasil quanto os Estados Unidos são signatários da convenção.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Governo libera R$ 500 milhões para a construção de cinemas

Foi o presidente Lula que, durante o lançamento do vale-cultura, há um ano, deu a ordem: o Ministério da Cultura (MinC) tinha de mudar as feições do circuito exibidor e levar salas de cinema para as pequenas cidades e regiões menos favorecidas.

Seguindo a máxima do "manda quem pode, obedece quem tem juízo", MinC e Agência Nacional de Cinema (Ancine) lançaram ontem, em Luziânia (GO), o programa Cinema Perto de Você.

A meta do programa é estimular a construção de 600 salas nos próximos quatro anos. Hoje, cerca de 90% dos municípios brasileiros não possuem cinema.

"O setor se desenvolveu sozinho e tornou-se conservador", diz Manoel Rangel, presidente da Ancine. O conservadorismo espelhou-se num circuito encastelado nas regiões nobres.

A razão para isso é simples. O custo de construção de uma sala no shopping Iguatemi, em São Paulo, ou no interior do Acre é praticamente o mesmo. Mas, obviamente, o público do Iguatemi pode pagar mais não só pelo ingresso como por todas as guloseimas da bomboniere.

É nessa aritmética que o governo interfere. O programa zera IPI e PIS-Cofins na importação de equipamentos e material de construção para as salas nas áreas foco. Os espaços também estarão isentos de PIS-Cofins nos primeiros cinco anos. Criou-se, ainda, uma linha de crédito de R$ 500 milhões.

Danilo Verpa/Folhapress
Sala principal do Cine Marabá, localizado na avenida Ipiranga  (região central de São Paulo)
Sala em São Paulo; governo vai liberar R$ 500 milhões para cronstruir cinemas em pequenas cidades do país

O grupo prioritário de cidades é aquele dos 89 municípios com mais de 100 mil habitantes sem salas de cinema. O governo também vai privilegiar os empresários que comprarem projetores digitais, adaptáveis ao 3D.

"A classe C é, hoje, o grande mote do varejo. O audiovisual ainda não tinha captado esses novos consumidores", diz Rangel.

Perguntado sobre o viés eleitoreiro do lançamento, o presidente da Ancine disse apenas: "Os programas são lançados quando estão prontos para serem lançados."



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Avó materna de Sean diz que menino só falou em inglês durante ligação


A avó materna de Sean Goldman, 10, teve notícias do menino após mais de três meses sem conseguir contato. Silvana Bianchi que conversou com o neto nos dias 11 e 22 de junho, conta que foi cautelosa durante a conversa com a criança, com receio do pai estar ouvindo o telefonema, já que ele só falava em inglês.

"Tomei o cuidado de não fazer perguntas que o pai pudesse interpretar como tentativas de convencer o menino a voltar para o Brasil", diz a avó.

De acordo com a avó, Sean não falou nada em português. "Eu falei em português e ele só em inglês, provavelmente para que o pai [o americano David Goldman] monitorasse. Falou que vai entrar em férias nos próximos dias, contou dos amigos da escola e não reclamou da rotina nos Estados Unidos nem de saudade do Brasil", conta.

A criança é alvo de uma disputa judicial que culminou com sua mudança para os Estados Unidos há seis meses. Desde que foi morar com o pai, em dezembro de 2009, Sean conversou seis vezes com a família brasileira, sempre por telefone. A última conversa durou 16 minutos, segundo Silvana.

Sean morava com os pais, Bruna e David, nos Estados Unidos. Em 2004 Bruna, filha de Silvana, trouxe o filho para o Brasil, com autorização do pai, mas decidiu não voltar mais. Com a morte de Bruna, durante o parto da segunda filha, em 2008, o padrasto de Sean, João Paulo Lins e Silva, passou a disputar com David a guarda do menino. Em 24 de dezembro, por ordem judicial, Sean foi entregue ao pai, com quem mora nos EUA.

A família brasileira discute na Justiça norte-americana um pedido de autorização para visitas regulares a Sean.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

O engano e a contradição de Kaká

Frase de Kaká, poucas horas atrás, em entrevista coletiva, em resposta ao repórter da ESPN-Brasil, André Kfouri, meu filho:

“Há algum tempo os canhões do seu pai são disparados contra mim. A artilharia dele está voltada contra mim. Eu queria aproveitar a pergunta para responder às críticas que ele vem fazendo, e o que me deixa triste é que o problema dele comigo não é profissional, mas porque ele não aceita minha religião. Porque eu sou uma pessoa que segue Jesus Cristo. Eu o respeito como ateu, e gostaria que ele me respeitasse como [seguidor de] Jesus Cristo, como alguém que professa a fé em Jesus Cristo. Não só a mim, mas a todos os milhões de brasileiros que acreditam em Jesus Cristo”.

Kaká se engana e enfiou Jesus onde Jesus não foi chamado.

Critico sim o merchandising religioso que ele e outros jogadores da Seleção costumam fazer, tentando nos enfiar suas crenças goela abaixo.

Um tal exagero que a Fifa tratou de proibir, depois do que houve na comemoração da Copa das Confederações.

Mas não abri bateria alguma contra ele, provavelmente mal assessorado, tanto que o considerei o melhor em campo no jogo contra Costa do Marfim.

Apenas noticiei que ele sofre com seu púbis e há quem avalie que isso o levará a encerrar a carreira prematuramente.

Ele negou as dores no púbis ao dizer que sente dores como qualquer jogador profissional e que o prazer de jogar pela Seleção o faz superá-las.

Aí caiu na primeira contradição, pois ao atribuir às dores que sentia a sua má atuação na Copa da Alemanha, quatro anos atrás, declarou que não jogaria mais com dores.

E hoje mesmo, na entrevista coletiva, ao responder sobre se seria operado do púbis depois da Copa respondeu que esta era uma questão delicada e que os médicos divergiam a respeito.

Mas, para quem não tem nada no púbis, como alegou, por que cogitar de tal hipótese?

Talvez só Deus saiba.

Como não acredito nele…

Em tempo: em tudo isso, além das inegáveis qualidades técnicas de Kaká, resta-lhe um mérito: diferentemente do que frequentemente fazem tantos, Dunga e Jorginho entre eles, Kaká não generalizou e deu nome aos bois, no caso, ao boi.

É muito melhor assim.

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Liberdade de manifestação

Juca Kfouri não deve indenizar Ricardo Teixeira


Do CONSULTOR JURÍDICO, onde se pode ler toda a sentença em:


A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal confirmou, nesta terça-feira (22/6), a derrota de Ricardo Teixeira em mais uma peleja contra o jornalista Juca Kfouri. O presidente da Confederação Brasileira de Futebol pedia a condenação do comentarista por danos morais por tê-lo chamado de “subchefe da máfia do futebol nacional”, em reportagem publicada na revista Caros Amigos.

Para decidir, os ministros Ellen Gracie e Gilmar Mendes seguiram voto do decano da corte, ministro Celso de Mello. Ao analisar anteriormente o Agravo de Instrumento apresentado por Ricardo Teixeira, o relator concluiu que, “longe de evidenciar prática ilícita contra a honra subjetiva do suposto ofendido”, o jornalista usou da liberdade de expressão assegurada aos profissionais da imprensa pela Constituição Federal.

Segundo o ministro, os jornalistas têm o direito de criticar, mesmo de forma contundente, qualquer pessoa ou autoridade. “Não se pode desconhecer que a liberdade de imprensa, enquanto projeção da liberdade de manifestação de pensamento e de comunicação, reveste-se de conteúdo abrangente, por compreender, dentre outras prerrogativas relevantes que lhe são inerentes, (a) o direito de informar, (b) o direito de buscar a informação, (c) o direito de opinar e (d) o direito de criticar”, escreveu Celso de Mello no dia 13 de maio, ao rejeitar monocraticamente o agravo.

Celso de Mello considerou “lapidar” a decisão do Tribunal de Justiça paulista contestada por Ricardo Teixeira. A ementa do acórdão dizia: “Os políticos estão sujeitos de forma especial às críticas públicas, e é fundamental que se garanta não só ao povo em geral larga margem de fiscalização e censura de suas atividades, mas sobretudo à imprensa, ante a relevante utilidade pública da mesma”.

Sobre o autor

Formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de "O Globo" entre 1989 e 1991 e apresentador, desde 2000, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.



Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters