[Valid Atom 1.0]

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Echoes of Amado in the Dark and the Light

Museu da Gastronomia Bahiana
Address José de Alencar Square, 13/19, Salvador, 40025
Phone 071/3324-4553
Price 28 reals ($15.50) all you can eat

Click on an Image to Enlarge
Bottles of dende oil.
Lalo de Almeida for The New York Times
Bottles of dende oil.
Lalo de Almeida for The New York Times
Bottles of dende oil.
New York Times Review

This museum opened in 2006 and offers a solid introduction to the region’s culinary delights. Just downstairs from a restaurant operated by Senac, a government training school for hotel workers, waiters and chefs, the museum is divided into three sections. The first displays the ingredients of typical Bahian dishes, along with the utensils required to make them and photographs of the final results, while the second is a store that sells cookbooks, sweets and compotes. The third, of course, is the restaurant itself, which is not just a tribute to the cuisine that inspired Amado but also an invitation to gluttony. For a set price visitors can eat as much as they want of the 40 or so dishes displayed on long serving tables. The choices range from vatapá, a savory paste made from shrimp, coconut milk, palm oil and nuts, to quindim, an intensely yellow custard that combines egg yolks, sugar and ground coconut. Drinks are served by women wearing the turbans and flouncy dresses of Candomblé priestesses.

Lalo de Almeida for The New York Times

The Lacerda Elevator looms over Salvador’s lower city.

Published: February 24, 2008

IN Portuguese, “amado” means “beloved,” and in more than a score of novels, the Brazilian writer Jorge Amado made clear his eternal passion for Salvador da Bahia, the city that took him in as a teenage boarding student and became his home. Salvador, in turn, loved him back, and even now, more than six years after his death, Amado’s exuberant spirit, aesthetic and characters seem to permeate the streets of the place he described both as “the most mysterious and beautiful of the world’s cities” and “the most languid of women.”

For visitors keen to experience those tropical mysteries, Amado went so far as to suggest an itinerary in his novel, “Tereza Batista: Home From the Wars.” He wanted tourists to see not just “our beaches, our churches embroidered with gold, the blue Portuguese ceramic tiles, the Baroque, the picturesque popular festivals and the fetishist ceremonies,” but also “the putridity of the slum houses on stilts and the whorehouses.”

That kind of dichotomy was typical of Amado, who, especially in his early years, tended to see everything as pairs of opposites: good and evil, black and white, sacred and profane, rich and poor. He even managed to impose that Manichean vision on the geography of Salvador, scorning Rua Chile, then the main commercial street of the upper city, and its well-to-do clientele in favor of the lower city and the port, where sailors, longshoremen, beggars, prostitutes and grifters saturated him in “the greasy black mystery of the city of Salvador da Bahia.”

Nowadays, the heart of the lower city has been restored and gentrified. The beach where the homeless street urchins of his 1937 novel, “Captains of the Sands,” struggled to survive has disappeared, replaced by a yacht club and a small mall that includes art galleries and a restaurant, Trapiche de Adelaide, that not only may be Salvador’s finest but also offers a magnificent view of the bay.

But at the noisy, stifling Mercado Municipal just down the road, the flavor of the old days lingers. Inside, stalls sell not just T-shirts but also herbs, magic potions, aphrodisiacs and amulets. On the plaza out front, con artists perform card tricks, folk poets known as repentistas and cordelistas recite or sing their verses, and practitioners of capoeira perform their graceful mixture of dance and martial arts to the twang of the single metal string of the gourd-like berimbau.

The link between the scruffy lower city and the imposing “black mass on the green mountain above the sea,” as Amado referred to the upper city in “Pastors of the Night,” is the 191-foot Lacerda Elevator, which was itself featured in “Sea of Death,” published in 1936. At its upper terminus, the elevator opens onto a square that provides a sweeping view of the city and the bay.

But at its lower terminus, the elevator is surrounded by funky bars that play axé, pagode and other styles of music favored by the Brazilian working class. Every time I exit, I think of “The Two Deaths of Quincas Wateryell” and its description of a bar “full of glum clusters of young guys, joyful sailors, women down on their luck and truck drivers with long hauls scheduled.”

As much as its people, Salvador’s streets and landmarks are characters in Amado’s novels. Salvador overwhelmed the author with its sights, sounds and smells. “In Bahia, popular culture enters through the eyes, the ears, the mouth (so rich, colorful and tasty the culinary arts) and penetrates all the senses,” he wrote in “Bay of All Saints,” a guidebook first published in 1945 that is unfortunately out of print.

Amado’s own presence is perhaps most palpably felt at the museum on Pelourinho Square that bears his name. Inside are numerous photographs of the novelist, at work and with his family, at home in Salvador and abroad, where he lived in reluctant exile for some years. The permanent exhibition also displays first-edition covers, in Portuguese and in translation into more than 40 languages, of each of his novels.

As you sit on the museum steps, the most famous scene from Amado’s best-known novel, “Dona Flor and Her Two Husbands,” also made into a movie in the 1970s, comes readily to mind. Even with the cobblestoned plaza cluttered by touts trying to sell trinkets to sunburned tourists in Bermuda shorts, the image of Flor walking with Teodoro on one side and the naked ghost of Vadinho on the other seems an indelible part of the landscape.

Just across the square, at Largo do Pelourinho 68, is the boardinghouse where Amado lived when he first came to Salvador from the provincial town of Ilhéus in 1928 at the age of 16 to study. Not coincidentally, an early novel written in Socialist Realist style, “Sweat,” is set in the building, which today is painted pastel green and has a small plaque that acknowledges its importance in Amado’s intellectual formation.

Legend says that Salvador has 365 churches, one for each day of the year, and each meant to be more spectacular than the last. The most dazzling of the lot is probably São Francisco, a frothy Baroque confection a couple of blocks from Pelourinho that is awash in gold arabesques and is connected to a monastery whose walls are decorated with gorgeous 18th-century Portuguese tiles.

But Amado always felt a special affection for the more austere Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos because of its links to the historic suffering of the blacks who make up the majority of the city’s population. The church is at the foot of Pelourinho Square, where in colonial days slaves were flogged, and Amado, sometimes unjustly accused by his critics of favoring exoticism and sentimentality over substance, never forgot that.

“The church was all blue in the late afternoon, the church of the slaves in the square where the whipping post and pillories had been erected,” he wrote in “Tent of Miracles,” published in 1969. “Is that the reflection of the sun or a smear of blood on the cobblestones? So much blood has run over these stones, so many cries of pain rose to heaven, so many supplications and curses resonated on the walls of that blue church.”

Food was also essential to Amado’s world, as the title of “Gabriela, Clove and Cinnamon” clearly conveys. Amado’s humble heroines are frequently of the belief that the surest way to a man’s heart is through his stomach, and more often than not they are proven right. “If after confronting all the dangers and obstacles that life offers, you don’t eat well, then what’s the point?” one character observes in “The Violent Land.”

Walking down the slanted sidewalk of Pelourinho Square last year, I caught the unmistakable fragrance of dende, or palm oil, and peanut sauce wafting from a doorway. It turned out to be the entrance to the Museu da Gastronomia Bahiana, which opened in 2006 and offers a solid introduction to the culinary delights of Amado’s novels. Just downstairs from a restaurant operated by Senac, a government training school for hotel workers, waiters and chefs, the museum is divided into three sections. The first displays the ingredients of typical Bahian dishes, along with the utensils required to make them and photographs of the final results, while the second is a store that sells cookbooks, sweets and compotes.

The third, of course, is the restaurant itself, which is not just a tribute to the cuisine that inspired Amado but also an invitation to gluttony. For 28 reals ($15.56 at 1.8 reals to the dollar), visitors can eat as much as they want of the 40 or so dishes displayed on long serving tables. The choices range from vatapá, a savory paste made from shrimp, coconut milk, palm oil and nuts, to quindim, an intensely yellow custard that combines egg yolks, sugar and ground coconut. Drinks are served by women wearing the turbans and flouncy dresses of Candomblé priestesses.

Like Pedro Archanjo, the hero of his novel “Tent of Miracles,” Amado was a lapsed Communist and atheist who eventually became so involved in Candomblé, the African-derived religion that is Brazil’s equivalent to voodoo, that he became an obá, or honorary high priest in the cult of Xangô, the deity of lightning and justice. Candomblé beliefs and practices pervade Amado’s novels and motivate many of his characters, especially in “The War of the Saints,” the last of his great novels, published in 1988.

“In this land of Bahia, saints and enchanted beings perform miracles and sorcery,” Amado wrote, “and not even Marxist ethnologists are surprised to see a carving from a Catholic altar turn into a bewitching mulatto woman at the hour of dusk.”

The terreiros, or open-air Candomblé sanctuaries, which Amado frequented back when they were illegal and subject to police raids, now flourish and are open to visitors. Some hotels organize trips to what they advertise as Candomblé ceremonies. But these tend either to be bogus or at the very least watered down.

A better option is to make arrangements with one of the established terreiros to attend a worship service and, since most of the tabernacles are in poor, outlying neighborhoods, hire a taxi. Amado was fond of both the Casa Branca group in the Vasco da Gama neighborhood and Ilê Axé Opô Afonjá, in the Cabula area, which the Brazilian government designated a national treasure in 2001.

Both are good choices for visitors. Ilê Axé Opô Afonjá was “my house,” Amado wrote, where “I have my chair at the side of the high priestess and at times am her spokesman.” He also urged visitors to be sure to ask their own orixá, or divinity, for protection just as soon as they arrived in Salvador.

“The pathways of Salvador are guarded by Exu, one of the most important orixás in the liturgy of Candomblé,” he wrote in “Bay of All Saints.” But Exu is often confused with the devil, so “woe be unto those who disembark with malevolent intentions, with a heart of hatred or envy, or stop here tinged by violence or acrimony.”

For most of the last decades of his life, Amado lived at Rua Alagoinhas 33, in the Rio Vermelho neighborhood, far from both the lower and upper city. At one point in “Dona Flor,” a character complains that “the worst address can only be Rio Vermelho, with its isolation and impostors, an end-of-the-world, almost suburban kind of place, and so ordinary.”

But in fact the area is charming, and the street on which Amado lived is quiet and palm shaded. The house itself is decorated with blue and white tiles with images of birds and fruit, and has a white tower with a statue and Candomblé emblem honoring Xangô. After Amado’s death on Aug. 6, 2001, his ashes were scattered in the house’s garden.

“The years of freedom I spent on the streets of Salvador da Bahia, mixing with the people of the docks, of the markets and fairs” and other somewhat disreputable and picaresque locations were “my best university,” Amado said when he was inducted into the Brazilian Academy of Letters in 1961. Or as one of the characters in “Captains of the Sands” muses, “there is nothing better in the world than to walk like this, at random, through the streets of Bahia.”



Once a week, TAM Airlines, the Brazilian carrier, operates a direct flight between Miami and Salvador da Bahia. The plane leaves on Sunday morning and arrives 7 hours and 45 minutes later; a round-trip ticket costs about $1,300. During the rest of the week, though, visitors must fly overnight to Rio de Janeiro or São Paulo and make connections there, adding both time and cost to the trip.


The Hotel Tropical (Avenida 7 de Setembro 1537; 55-71-2105-2000; www.tropicalhotel.com.br) is conveniently located near both the downtown area in the upper city and the main in-town beaches, and is decorated with murals by Carybé, who illustrated many of Jorge Amado’s novels. There are 253 rooms, and a double, with breakfast and taxes included, is 239 reals ($132.78 at 1.8 reals to the dollar).

Of the many hotels on the beachfront, the Othon Palace (at Avenida Oceânica 2294 in Ondina; 55-71-2103-7100; www.othon.com.br) is a personal favorite. It’s within walking distance of several landmarks and fine restaurants, is only a short cab ride away from the lower city, and has 278 rooms with rustic-style furniture and verandahs, most offering spectacular views of the sea and a nearby lighthouse. Double rooms start at about 200 reals.

If you’re willing to splurge, the Convento do Carmo (Rua do Carmo 1; 55-71-3327-8400; www.pousadas.pt) is definitely the place to go. The main building, recently and luxuriously restored, dates from 1586 and is walking distance from Pelourinho. There is a splendid restaurant and a museum, large courtyard and gardens, and the rooms are decorated in an elegant colonial style. But expect to pay a high price: double rooms start at 680 reals.


In what was once a dockside warehouse, Trapiche de Adelaide (Avenida do Contorno 2 in the lower city; 55-71-3326-2211) offers a beautiful view of the bay and has food to match. The menu emphasizes local ingredients prepared with French delicacy: a typical meal might start with a soup of cassava and lobster, progress to a main course of shrimp in mustard sauce garnished with almonds, pineapple and apricots and conclude with tropical fruits or ice cream made from the same. Lunch or dinner for two, with a caipirinha, a cocktail made from sugar cane liquor, is about 200 reals.

At the Mercado Modelo, two restaurants outdoors on the second-story verandah are good places to have lunch while enjoying the view. Camafeu de Oxóssi (55-71-3242-9751) and Maria de São Pedro (55-71-3242-5262) are bitter rivals, but have essentially the same menu and prices, featuring regional dishes such as xin xin, a chicken and shrimp stew, and bobó de camarão , a shrimp dish. Lunch for two with a caipirinha, is about 60 reals.

Varal da Dadá (Rua Teixeira Mendes 55, Alto das Pombas in Federação; 55-71-3332-1777) is exactly the kind of informal neighborhood place that Jorge Amado frequented, with the added lure of spectacular regional cuisine. Dadá is the nickname of a local cook famous for her moquecas, or fish stews, bobó de camarão and sweet desserts, and the restaurant that bears her name operates in the backyard of her home, Tuesday through Sunday. Lunch or dinner for two with beer or a caipirinha runs about 75 reals.


Many of Brazil’s biggest pop stars, including Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria Bethânia, Gal Costa and Carlinhos Brown, are from Salvador, and even when it’s not Carnival time, Salvador seems to be a festival of musical styles ranging from axé and tropicalista pop to samba-reggae and funk. The Olodum drum choir, which has worked with Paul Simon and Michael Jackson, rehearses most Tuesday nights at Pelourinho Square. Admission is 60 reals; call (55-71) 3321-5010 to confirm that practice is on.

Capoeira is a mixture of martial arts and dance developed by slaves brought from Africa, and is extremely musical. There are academies that teach the art form and put on shows for the public, such as the Fundação Mestre Bimba (Rua Gregorio de Mattos 51 in Pelourinho; 55-71-3322-5082), and on Friday nights capoeira is also performed at the Terreiro de Jesus, near Pelourinho.

  1. Molheira Eterna Profissional Chef AllanMolheira Eterna Profissional Chef Allan R$90,00

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Revolta contra a nova interface do Hotmail

Segunda-feira, 10 de novembro de 2008 - 13h27

SÃO PAULO – Fóruns espalhados pela rede revelam que a esmagadora maioria dos donos de conta no Hotmail quer o formato antigo de volta.

No próprio fórum de discussões da Microsoft, os usuários debatem que a nova interface do Windows Live Hotmail, foi um regresso e, ao contrário do que era prometido, é mais lenta que a última versão.

Comentários negativos sobre a aparência do novo Hotmail, revelada dia 22 de setembro, também são freqüentes em sites abertos ao público. Todos querem ter uma opção para voltar ao modelo antigo.

Em resposta, um porta-voz da Microsoft decidiu se pronunciar publicamente: “Quando nós, originalmente, lançamos a versão completa do Hotmail, nós descobrimos que as novas tecnologias incorporadas não teriam bons desempenhos em conexões de baixa velocidade, resultando no relançamento da versão clássica. Entretanto, com a nova plataforma, nós oferecemos uma ótima performance para todas as bandas, colocando os melhores recursos das duas versões em uma plataforma bem desenhada. Dados esses aperfeiçoamentos, não é mais necessário oferecer uma versão clássica.”

Para atender as inúmeras reclamações, um sistema de FAQ foi introduzido no site do Windows Live Wire, respondidas pelo gerente de programas do Hotmail, Mike Schackwitz. Novos temas visuais já foram prometidos.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Pastor usa nome de Jesus para fazer 'merchan' de consórcio na TV

Ricardo Feltrin
Colunista do UOL

Se existe uma "vítima" da chamada Teologia da Prosperidade ela é a própria palavra escrita na Bíblia. Essa teoria (ou prática teológica) tem se disseminado de forma surpreendente, e é defendida por evangélicos que crêem --grosso modo-- que Deus tem algum tipo de dívida para com o ser humano, ou que tem uma espécie de acordo (com ares de obrigação) de dar-lhe riqueza e felicidade caso a pessoa realmente tenha fé e o queira. A contrapartida geralmente é o fiel desembolsar alguma riqueza própria (dinheiro) em troca da riqueza maior futura.

Veja o vídeo com o pastor

O pastor evangélico Marco Feliciano, do Ministério Tempo de Avivamento, leva a teoria às últimas consequências em site e em programa na Rede TV. Enquanto garante que Deus atenderá a todos os pedidos de "fiéis", "perseverantes" ou "valentes", ele aproveita e vende cursos de teologia, DVDs, CDs de músicas e camisetas. Até aí, ok, nada demais. Mas ele também usa o nome de Jesus em merchandisings.

Segundos após realizar uma oração inflamada (que inclui palavras de língua desconhecida), pastor Feliciano ressurge como garoto-propaganda no mesmo cenário para vender um consórcio de casa própria, o GMF Consórcios.

"Você realiza, então, em nome de Jesus, o sonho da casa própria", diz o pastor.

Bíblia, hermenêutica e edição

Os pastores e bispos adeptos da teologia ou teoria da prosperidade fazem uso da hermenêutica na leitura da Bíblia para garantir que o que estão fazendo não viola as regras de Deus ou de Jesus. Trata-se de uma espécie de "edição" de conteúdo: cada um usa a Bíblia da forma que lhe interessa.

Senão vejamos: a orientação divina para que os humanos não se percam em desejos materiais em detrimento ao amor por Deus está citada duas vezes, de forma muito semelhante, em dois diferentes Evangelhos.

Em Lucas, 16:13, lê-se: "Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas."

Da mesma forma, em Mateus 6:24, está: "Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom".

Por outro lado há outro trecho em Lucas , 11:9, que diz que ao pedir algo a Deus, o fiel simplesmente receberá o que deseja (de acordo com o merecimento e fé, pressupõem-se). Mas sem precisar fazer um carnê de desafio com uma igreja. Sem intermediários.

"Por isso eu digo: peçam e vocês receberão; procurem e vocês acharão; batam, e a porta será aberta para vocês." No caso do pastor do "merchan", a porta começa com um consórcio para a casa própria.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Lula autoriza BB a fechar compra da Nossa Caixa

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deu o sinal verde para o Banco do Brasil comprar a Nossa Caixa, banco do governo do Estado de São Paulo, informa reportagem de Kennedy Alencar publicada na Folha (íntegra disponível para assinantes do UOL e do jornal). O negócio deverá ser concretizado nesta semana.

Como revelou a Folha na quinta-feira (6), o governador de São Paulo, o tucano José Serra, e o ministro Guido Mantega (Fazenda) acertaram o negócio. O valor fixado foi de R$ 6,4 bilhões, sujeito a ajustes devido a cálculos sobre créditos e débitos da instituição paulista.

Mantega e Serra aceleraram a negociação entre o BB e a Nossa Caixa por dois motivos diferentes: o ministro quis reforçar o BB após a fusão Itaú-Unibanco criar o maior banco brasileiro, já para o governador, a venda da Nossa Caixa vai lhe render cacife para investimentos em 2009 e 2010.

Na semana passada, o governador e o ministro se encontraram para avaliar o negócio. A reunião é mais um passo após a fusão de Itaú e Unibanco e depois que o governo editou medida provisória que permite aos bancos oficiais comprarem carteira de instituições em dificuldade.

Na última segunda-feira, Itaú e Unibanco anunciaram a fusão entre os bancos e criaram o maior banco do Hemisfério Sul. Segundo as duas instituições, o total de ativos combinado é de mais de R$ 575 bilhões --contra R$ 403,5 bilhões do Banco do Brasil, e R$ 348,4 bilhões do Bradesco, de acordo com dados de junho do Banco Central.

Com a operação, o novo banco nasce com ganhos adicionais de R$ 7,9 bilhões em 2009.

Leia a reportagem completa na Folha desta segunda-feira, que já está nas bancas.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Ordem secreta permitiu que EUA atacassem Al-Qaeda no mundo

Pentágono autorizou missões promovidas sem permissão de países, a maioria no Oriente Médio, afirma 'NYT'

Agências internacionais

NOVA YORK - Desde 2004, o Exército americano teve autorização ampla secreta para promover pelo menos doze ataques contra a Al-Qaeda e outras milícias no exterior, segundo apontaram altos oficiais americanos ao jornal The New York Times.

As incursões militares, na maioria das vezes promovidas por forças de operações especiais, foram autorizadas por uma ordem secreta que o então secretário de Defesa Donald H. Rumsfeld assinou em 2004, com a aprovação do presidente Bush, permitindo ataque contra a rede de terrorismo Al-Qaeda em qualquer lugar do mundo, até mesmo em países que não estão em guerra com os EUA. Porém, cada uma das operações deveria ser aprovada por altas instâncias governamentais. A ordem aprovava pela Casa Branca, que citava entre 15 e 20 países, permitia ataques em países como a Síria, Paquistão, Iêmen, Arábia Saudita e outras nações do Golfo Pérsico, onde acredita-se que operam militantes da Al-Qaeda.

Um ex-funcionário da CIA afirmou que uma das operações incluiu uma batida em um complexo presumidamente ocupado por insurgentes na região paquistanesa de Bajaur sem o consentimento do governo do Paquistão. O jornal afirmou que as fontes não quiseram dar mais detalhes dos ataques anteriores, apenas que foram feitos na Síria, Paquistão, e outros países. Eles deixaram bem claro que, com a nova ordem, não foram feitas incursões no Irã, mas deram a entender que as forças americanas realizaram missões de reconhecimento no território iraniano usando métodos diferentes.

As fontes consultadas disseram que pelo menos doze missões realizadas poderiam se consideradas perigosas, diplomaticamente problemáticas ou baseadas em provas insuficientes. Os porta-vozes da Casa Branca não quiseram comentar as informações.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Tremor de terra assusta moradores de Caxias do Sul

Ninguém ficou ferido e tremor durou cerca de dois segundos durante a madrugada desta segunda

Solange Spigliatti, do estadao.com.br

SÃO PAULO - Um tremor de terra que durou cerca de dois segundos assustou os moradores de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, na madrugada desta segunda-feira, 10.

O tremor, segundo a Brigada Militar, aconteceu às 4h57 e durou de 2 a 3 segundos. Apesar do susto, não houve danos patrimoniais nem sequer feridos, segundo a brigada.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, pelo menos 20 moradores ligaram assustados, relatando o terremoto.

Em alguns bairros do município, o tremor durou cerca de 10 segundos, que chegou a ser sentido também em algumas cidades da região, segundo os bombeiros.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Processos por erro médico crescem 155% em 6 anos

El Roto/El Pais

Levantamento feito pelo STJ revela um crescimento vertiginoso do número de processos judiciais movidos por vítimas de erro médico.

Em 2002, foram deram entrada no tribunal 120 processos. Neste ano de 2008, aportaram no STJ 360 novos casos até o final do mês de outubro.

Um crescimentode 155% em seis anos. Considerando-se que os processos transitam por instâncias inferiores antes de chegar ao STJ, a cifra pode ser maior.

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) foi criado pela Constituição de 88. Começou a funcionar em abril de 89.

É a última instância do Judiciário para as causas ditas infraconstitucionais. Nos processos que envolvem a interpretação da Constituição a palavra final é do STF.

Nos passivos judiciais originados por erros médicos, o STJ vem provendo às vítimas três tipos de indenização:

1. Danos materiais: os pacientes recebem de volta o dinheiro que gastaram nos tratamentos médicos malsucedidos.

Por vezes, recebem também indenizações por conta do dinheiro que deixaram de ganhar –salários por dias de trabalho perdidos, por exemplo.

2. Danos morais: a indenização visa compensar a “dor moral” imposta aos pacientes. É o que costuma ocorrer, por exemplo, nos casos de extração indevida de órgãos.

3. Danos estéticos: nesses casos, o paciente recebe indenização por prejuízos causados à sua aparência. Por exemplo: cicatrizes e deformidades físicas.

Dependendo do processo, os três tipos de indenização podem ser cumulativos. As sentenças condenatórias não alcançam apenas os médicos.

Há processos em que figram também no pólo passivo clínicas, hospitais e até planos de saúde responsáveis pela indicação dos médicos acusados de errar.

O STJ vem aplicando nos julgamentos de casos dos processos por erro médico o Código de Defesa do Consumidor.

Prevê um prazo de prescrição (cinco anos) maior do que o previsto no Código Civil (três anos).

Somando-se os processos antigos e os que deram entrada no STJ neste ano, há hoje no tribunal 444 casos de erro médico pedentes de julgamento.

Boa parte refere-se à contestação de valores de indenizações fixadas por magistrados federais ou estaduais.

O STJ tem adotado como norma só impor revisões quando a compensação financeira é exorbitante ou ínfima.

O tribunal esquiva-se de rediscutir as provas levadas aos autos. Limita-se a analisar as circunstâncias de cada caso, para chegar a valores indenizatórios compatíveis com os danos.

Pessionando aqui, você chega a um texto levado ao sítio do STJ neste domingo (9). Traz um resumo do levantamento feito a partir dos arquivos do tribunal.

Sem mencionar os nomes de réus e vítimas, o texto menciona vários casos já julgados pelos ministros da Corte. Vale a leitura.

Escrito por Josias de Souza

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Empresa de TV por assinatura é condenada por cancelamento indevido de serviço

O TJ-DF (Tribunal de Justiça do Distrito Federal) condenou a SKY TV por Assinatura a indenizar um cliente que vivenciou vários aborrecimentos, depois de ter o serviço cancelado sem o seu consentimento. Ele, após receber faturas com valor superior ao contratado, deixou de pagá-las e, na seqüência, teve o serviço cortado.

A decisão da juíza do 2º Juizado Especial Cível de Brasília determinou que a empresa pague R$ 2 mil, a título de danos morais, e ainda decretou a rescisão do contrato, a partir de junho de 2007, afastando a cobrança da multa rescisória

Segundo informações do tribunal, ao resolver a questão, a juíza aplicou o CDC (Código de Defesa do Consumidor), onde está determinado que o ônus probatório (quem tem a obrigação de provar o que está alegando) é da empresa fornecedora de serviço. Por isso, cabia à empresa, provar que o cliente, desde o início das tratativas, teve ciência do preço que pagaria pela fruição dos serviços.

“Posso inferir que o autor não recebeu as informações devidas acerca do contrato firmado, agindo a empresa em desconformidade com o disposto no CDC", afirmou a juíza na decisão.

Para a magistrada, é direito básico do consumidor receber informações claras e precisas sobre os serviços que lhe são oferecidos ou prestados. Pelos documentos juntados ao processo, ela sustenta que não seria possível comprovar as alegações da SKY, sobretudo, porque não há nenhum instrumento contratual que revele ao consumidor a clareza necessária sobre o plano contratado.

Quanto ao pedido de dano moral, entende a juíza que deve ser deferido, já que o cliente sofreu relevante violação em sua vida privada, desassossego e intranqüilidade no âmbito doméstico decorrentes de inúmeras e insistentes ligações e correspondências que foram endereçadas pela SKY.

"A empresa não se ateve a observar o nível razoável de estabilidade que as pessoas ordinariamente esperam encontrar no trato social e nas diversas relações jurídicas que estabelecem no cotidiano", avaliou a magistrada.

O caso
Segundo os autos, o cliente celebrou contrato com a SKY para a prestação de serviços de TV por assinatura, tendo a empresa, em seguida, oferecido um plano promocional e um ponto extra, tudo no valor de R$ 119,90. Contudo, as faturas de cobrança que chegaram à sua residência apresentavam um valor superior ao que fora contratado e, ao se recusar a pagá-las, foi surpreendido com a interrupção do sinal de transmissão, além de novas cobranças equivocadas.

Ao contestar a ação, a SKY sustentou que o desconto promocional a que fazia jus o autor incidiria a partir da segunda parcela, e como ele deixou de pagar a primeira fatura no valor de R$ 156,00, em junho de 2007, o débito foi cobrado nas parcelas seguintes. Essa situação perdurou até setembro, data em que houve o pagamento da referida fatura. Sustentou ainda que a interrupção do sinal ocorreu por conta da inadimplência do autor.

Domingo, 9 de novembro de 2008

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Cadastro de estudantes inadimplentes fere Constituição, diz presidente da OAB

A criação do Cadastro Nacional de Estudantes Inadimplentes pelas universidades particulares vem recebendo críticas de vários setores da sociedade. No universo jurídico não é diferente. Neste domingo (9/11), foi a vez do presidente nacional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Cezar Britto. Para ele, o cadastro “é instrumento que fere a dignidade da pessoa humana e fere aquilo que dispõe a Constituição Federal sobre o saber, que é um direito de todos e dever do Estado”.

Segundo informações da própria entidade, Britto disse que a OAB tem se reunido com a UNE (União Nacional dos Estudantes) para estudar medidas contra o cadastro, mas vai esperar, primeiro, o possível ajuizamento de uma ação por parte do Ministério Público, que também foi contatado pela entidade estudantil.

“Mas se o Ministério Público não fizer nada contra, nós da OAB faremos”, prometeu Britto, que está em Natal para presidir a XX Conferência Nacional dos Advogados, nesta semana.

Britto também lembrou que a entidade da advocacia brasileira “já firmou posicionamento, de forma pública, no sentido de que educação não é comércio, não é negócio em que as pessoas possam ser consideradas adimplentes ou inadimplentes, e mereçam ser punidas ou não-punidas”.

Para o presidente da classe, a “educação é coisa séria e esse Cadastro põe em xeque o sistema educacional brasileiro, sendo claramente inconstitucional e ilegal ao ferir dispositivos constitucionais que têm apostado na educação”.

O polêmico cadastro foi lançado pela Confederação Nacional das Entidades de Ensino e relaciona tanto alunos quanto pais que estejam inadimplentes com estabelecimentos de ensino particular em todo o País. O objetivo das instituições ao consultá-lo é impedir a matrícula ou sua renovação a alunos e pais que estejam em débito com as faculdades particulares.

Na opinião de Cezar Britto, tal prática seria totalmente inconstitucional. “O Cadastro fere dispositivos constitucionais segundo os quais a educação é dever do Estado e direito de todo cidadão; ao Estado, portanto, cabe então fornecer o ensino, regulamentá-lo e fazer com que todos tenham acesso a ele, e por isso não pode ser tratado como grande negócio qualquer, em que as pessoas podem ser punidas por alguma razão financeira", ressaltou.

Domingo, 9 de novembro de 2008

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

STJ isenta Detran de responsabilidade em venda de veículo roubado

A 2ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) acolheu recurso do Detran (Departamento de Trânsito) do Rio Grande do Norte e o isentou da responsabilidade no pagamento dos danos materiais devidos a um comerciante que vendeu um veículo roubado. O entendimento dos ministros foi de que o órgão não pode ser responsabilizado por ato criminoso de terceiros ou pela culpa do adquirente de veículo de procedência duvidosa.

Segundo informações do tribunal, o caso trata de ação de reparação de danos patrimoniais e morais ajuizada contra o Estado do Rio Grande do Norte e Detran do Estado. O autor da ação, comerciante de compra e venda de veículos, adquiriu carro de terceiro, vendendo-o posteriormente a particular após ter sido informado pelo Detran-RN da inexistência de restrição à transferência do veículo.

No entanto, a transferência não pôde ser efetuada por tratar-se de veículo roubado. Assim, o comerciante restituiu ao comprador o dinheiro da venda, arcando com o prejuízo financeiro.

O Tribunal de Justiça do Estado fixou em R$ 13 mil o pagamento de indenização por danos materiais pelo Detran, devido ao ato omissivo ao emitir consulta/certidão sobre a situação cadastral do automóvel, sem que constasse restrição à transferência do bem, furtado meses antes.

O Detran recorreu da decisão, afirmando que não se pode responsabilizá-lo civilmente “em se tratando de compra e venda de veículos furtados, ainda que inexista qualquer registro, nesse sentido, no cadastro do órgão de trânsito”. Além disso, sustentou ser indevida a indenização por danos materiais, uma vez que não há nexo de causalidade, além de a culpa ser exclusiva da vítima.

Segundo o relator da apelação, ministro Herman Benjamin, compete ao comerciante de automóveis usados o dever de verificação — mediante inspeção física do bem, e não simplesmente documental no Detran — da existência de restrições à transferência e da procedência lícita do veículo comercializado.

De acordo com o relator, não cabe a responsabilizar civilmente o Detran por mera emissão de prontuário do veículo que omita restrição à transferência em decorrência de roubo anterior, mas que só venha a ser conhecido pelo órgão no momento da efetiva transferência, após inspeção ocular e técnica.

Sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Pedida revogação de prisão preventiva de ex-juiz Nicolau dos Santos Neto

Foi impetrado no STF (Supremo Tribunal Federal) pedido de habeas corpus do ex-presidente do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) de São Paulo, Nicolau dos Santos Neto, que pede a revogação da prisão preventiva que cumpre em caráter domiciliar, e foi determinada pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Segundo a defesa do ex-juiz, houve demora e fumaça do bom direito para pedir a concessão de liminar para revogar a prisão preventiva do ex-presidente do TRT. Sustenta ainda que o seu cliente não tem condições de oferecer risco à ordem pública, uma vez que está gravemente doente e despojado de todos os seus bens, cargos e distinções. Afirma também que Santos Neto está sendo vítima de constrangimento ilegal, pois é mantido preso preventivamente há aproximadamente oito anos, sem condenação transitada em julgado.

“Permanecem inalteradas as condições de doença grave do paciente que, além de outras enfermidades, tem 60% de sua carótida entupida e toma remédios fortíssimos, carecendo de tratamento médico e familiar”,afirmou a defesa.

O juiz foi condenado a mais de 40 anos de prisão em dois processos ainda em tramitação em grau de recurso extraordinário, no Supremo. Santos Neto é acusado de envolvimento em desvio de dinheiro público na obra de construção do prédio do TRT paulista, durante a sua gestão na década de 90. A prisão preventiva foi decretada pelo juiz da 1ª Vara Criminal Federal da capital. O TRF (Tribunal Regional Federal) da 3ª Região e o STJ já haviam negado liminares em habeas corpus impetrados nos respectivos tribunais. Os advogados afirmam ainda que além do juiz ser réu primário e possuir bons antecedentes, residência e ocupação fixas, tem 80 anos de idade

De acordo com o Supremo, a defesa alega que não mais subsiste a ameaça à ordem pública, que teria servido para fundamentar a prisão preventiva decretada pelo juiz de primeira instância e mantida em sentença condenatória. No entendimento dos advogados, os co-réus no mesmo processo a que o juiz responde, entre eles o ex-senador Luiz Estevão (ex-PMDB-DF), obtiveram no STJ ordem de relaxamento da prisão, uma vez que aquele tribunal considerou sucinta demais a fundamentação do juiz de primeira instância para expedi-la.

Ao julgar o habeas corpus, a 2ª Turma do STF confirmou, por unanimidade, liberdade ao dono da construtora Incal, Fábio Monteiro de Barros Filho, que havia sido preso preventivamente durante o processo que apura sua participação no desvio de dinheiro na obra do prédio do TRT-SP. Barros Filho já havia obtido, em setembro deste ano, liminar do ministro Celso de Mello, determinando a sua soltura. O empresário figura do mesmo processo em que o juiz Nicolau dos Santos Neto é réu.

No entendimento da defesa, o artigo 5º, inciso LVII, da Constituição Federal estabelece o princípio da presunção da inocência e que, com o advento da Carta de 1988, “a regra é a liberdade, a prisão é uma exceção, cujo fundamento decorre de sentença penal condenatória transitada em julgado, ou de uma razão de cautela que comprove a necessidade de sua decretação no curso do inquérito ou do processo criminal”. Observa ainda que este entendimento vem sendo observado pelo Supremo, em julgamentos semelhantes ao deste habeas corpus.

Sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Polícia prende suspeito da morte de menina de 9 anos

Ex-presidiário é suspeito na morte da menina Rachel, cujo corpo foi encontrado em uma mala

Julio Cesar Lima, da Agência Estado

CURITIBA - O ex-presidiário Jorge Luiz Pedroso Cunha, de 52 anos, apontado pela polícia paranaense como o principal suspeito pela morte de Rachel Maria Lobo Genofre, de 9 anos, foi detido neste domingo, 9, em Itajaí, no litoral catarinense, em um trabalho conjunto de policiais dos dois Estados.

Nesta segunda, 10, Jorge Luiz, que até o início desta noite não havia sido transferido, fará um exame de DNA, que será confrontado com o material que a polícia dispõe, recolhido do corpo da vítima, para saber se ele foi o responsável pelo abuso sexual seguido da morte da menina.

A Secretaria de Segurança do Paraná informou que somente na segunda-feira dará mais detalhes sobre as investigações que levaram à prisão de Jorge Luiz, apesar de continuar trabalhando em outras linhas de investigação, pois há testemunhas que poderiam confirmar que Jorge estava em Itajaí na semana do crime.

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters