[Valid Atom 1.0]

domingo, 19 de setembro de 2010

"Bicharia"

Ouvindo a música "Bicharia", de Os Saltimbancos, #nowplaying na @RadioUOL http://uol.fm/bqcVN

๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#listening "Her Name Is Alice"

Ouvindo a música "Her Name Is Alice", de Shinedown, #nowplaying na @RadioUOL http://uol.fm/bgcyt

๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#listening "Alice"

Ouvindo a música "Alice", de Avril Lavigne, #nowplaying na @RadioUOL http://uol.fm/bdcxg

๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#DILMA : Erenice planejava defender investigados por corrupção quando saísse do governo


Ouvindo a música "Bicharia", de Os Saltimbancos, #nowplaying na @RadioUOL http://uol.fm/bqcVN

ANDREZA MATAIS
DE BRASÍLIA
HUDSON CORRÊA
DO RIO

A ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra pretendia trabalhar como advogada quando saísse do governo e "ganhar dinheiro" apontando erros em processos contra investigados por corrupção.

Foi o que ela confidenciou em conversa telefônica gravada, com autorização da Justiça, pela Polícia Federal no dia 14 de maio de 2008.


Na época, Erenice ocupava o cargo de secretária-executiva da Casa Civil e era braço-direito da ministra Dilma Rousseff, hoje candidata à Presidência pelo PT.

O alvo da escuta era o interlocutor dela no diálogo, o ex-ministro das Minas e Energia Silas Rondeau, que havia sido exonerado do governo um ano antes, depois de a PF acusá-lo de receber propina dentro do gabinete.

Em 2008, Rondeau era também investigado pela PF por suspeita de tráfico de influência num esquema com o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Por isso o telefone dele tinha sido grampeado.

Na conversa interceptada pela polícia, porém, o ex-ministro tratava de uma terceira acusação: Rondeau havia sido denunciado pela Procuradoria da República ao Superior Tribunal de Justiça sob acusação de envolvimento em desvios de dinheiro de obras públicas.

No telefonema, Erenice procurou acalmar Rondeau. "Isso [a denúncia] não se sustenta, Silas. Um dia eu ainda vou sair daqui e ganhar dinheiro com essas coisas fora, viu? Fica tranquilo, que acho que isso vai resolver fácil, porque não se sustenta de jeito nenhum."

Em seguida, acrescentou: "Eu fico completamente impressionada com a capacidade de instrução de inquérito falho que a polícia faz e a aceitação por parte do Ministério Público. É lamentável. Nós estamos vivendo uma disputa política e de politização do Judiciário, que é um negócio escandaloso".

A ligação partiu dela e foi feita do seu então gabinete na Casa Civil.

Erenice disse que havia chegado a pensar no ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos para defender o ex-colega de governo. Mas aconselhou Rondeau a manter José Gerardo Grossi como seu advogado, e não usasse os escritórios que os demais acusados estavam acionando. "Acho o seu mais experiente", afirmou Erenice.

DOSSIÊ

Quando a conversa ocorreu, Erenice enfrentava a acusação de ter elaborado na Casa Civil um dossiê sobre o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso --documento que tinha como objetivo constranger a oposição e impedir a instalação da CPI dos Cartões Corporativos.

Posteriormente, a PF comprovou que a planilha de fato foi confeccionada dentro do Planalto e em formato atípico. A investigação, porém, ficou 15 meses suspensa e só foi retomada em março deste ano, com pedido de acareação e depoimentos do Ministério Público.

A Folha tenta falar com Erenice desde o fim de semana passado, sem sucesso.



๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#DILMA : Israel teria citado nome de Dilma para avalizar negócios

Photobucket Pictures, Images and Photos

Publicidade


ANDREZA MATAIS
ENVIADA ESPECIAL AO RIO
FERNANDA ODILLA
RUBENS VALENTE
DE BRASÍLIA

Filho da ex-ministra Erenice Guerra (Casa Civil), Israel teria usado o nome da presidenciável Dilma Rousseff para avalizar seus negócios.

Dois envolvidos na negociação citaram a mesma frase que teria sido dita por Israel: "Minha mãe resolve, e minha tia resolve", sendo a "tia" a então ministra Dilma.


O negócio em questão era o patrocínio de R$ 200 mil da Eletrobrás para uma equipe de motociclismo de Brasília. O chefe da equipe, Luís Corsini, revelou a história à revista "Veja".

Segundo ele, uma semana depois da conversa com Israel, em julho de 2008, a estatal liberou o patrocínio, num convênio assinado com a Federação de Motociclismo do Distrito Federal.

Corsini então repassou a Israel R$ 40 mil de propina, segundo a "Veja". A versão foi confirmada pelos dois envolvidos ouvidos pela Folha.


A estatal já havia patrocinado em 2006 dois eventos de motociclismo, mas foi a primeira vez que firmou um convênio com uma equipe. Depois, os dois romperam e a equipe teve o patrocínio negado em 2009 e 2010.

A Folha conversou com Corsini na última quinta. Ele relatou que Israel se apresentava como sobrinho da Dilma e referia-se à mãe como braço direito da petista. "Isso é notório para todo mundo."

Ontem, após a revista Veja publicar a história, Corsini voltou atrás e disse que não falaria mais no assunto.

Na sexta-feira, a Folha pediu à Eletrobrás para ter acesso ao processo do patrocínio. O coordenador geral da presidência da empresa, Luiz Augusto Figueira, disse que a estatal "não tem obrigação de fazer isso porque entende que não é um documento de interesse público".

Figueira, no entanto, afirmou que "se existe pedido político [de liberação de patrocínio], não fica no processo administrativo".

Segundo ele, nos anos em que o patrocínio foi negado a escolha dos projetos que receberiam verba era feita mediante edital.

Em 2008, quanto houve a liberação, a diretoria é quem escolhia quais os projetos que seriam patrocinados.

A Federação de Motociclismo do Distrito Federal informou que só repassou os recursos do patrocínio mediante a apresentação de notas fiscais e esclareceu que a prestação de contas foi aprovada pela Eletrobrás. Israel não foi localizado.



๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#POLITICA : Casa de tolerância



“Essa gente não me tolera. Mesmo lendo pesquisas de opinião pública, mesmo vendo que tem apenas 4% que acham o governo ruim ou péssimo”.

Lula, no surto de autoritarismo bolivariano em Campinas, exigindo que 100% dos brasileiros (ou 103%, se a margem de erro oscilar para cima) sejam tolerantes com o presidente como o presidente é tolerante com a companheira Erenice Guerra, parentes, amigos e agregados.

Coluna do

Augusto Nunes


Socialismo bolivariano é uma expressão utilizada pelos impulsionadores do nascente Partido Socialista Unido da Venezuela.

É uma expressão utilizada pelo presidente da Venezuela, Hugo Chavez para designar sua visão de socialismo que se diferencia pela sua característica de se basear nos trabalhadores e não numa classe operária.

Hugo Chavez declarou o que o marxismo-leninismo é um dogma e não assumiria suas bandeiras.. Mesmo com essa declaração em uma de suas reuniões populares exibida na rede de televisão estatal VTV (Venezuela Televisíon), o Partido Comunista da Venezuela mantém desde o ínicio da revolução bolivariana quando começou com a eleição presidencial democrática de Hugo Chavez coligado com o antigo Movimento V República, sendo que este se fundiu com o Partido Socialista Unido da Venezuela em formação. Hugo Chavez começou sua escola de pensamento político e socialista denominado de chavismo. O Socialismo Bolivariano se declara defensor das causas democráticas e socialistas bem como se declara progressista.



๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#POLITICA #DILMA : Caro Presidente, companheiro e amigo Lula,






Causou-nos decepção e indignação, como bons mineiros, a maneira como o senhor se expressou naquele comício em Betim. Fazemos a campanha da Dilma no estado inteiro com centenas de prefeitos que são Anastasia e que, como nós, a apoiam porque ela tem mérito e brilho próprio, é mineira e fará muito bem ao Brasil.

Enfraquecidos diante do povo mineiro, os candidatos Hélio e Patrus torcem por um confronto e mesmo um duelo – ridículo – entre Lula e Aécio, trejeito absolutamente condenável para a boa gente mineira.

Expediente como esse jamais cairá bem para o misterioso e sábio povo mineiro. Eles ainda dizem em sua campanha na TV que, caso vença, o Anastasia não dará certo com a Dilma.

Outra bobagem, como se ela não pudesse governar com quem tenha vencido a eleição. Esqueceram-se do excelente relacionamento institucional do Governador Aécio com Vossa Execelência, exemplo de convivência republicana e democrática.

Nós, que somos seus companheiros, não nos esquecemos de que Aécio foi o único governador que teve a audácia de solidarizar-se com Vossa Execelência quando este atravessava o inferno zodiacal. Fomos testemunhas desse gesto feliz e sincero do nosso governador, próprio dos grandes estadistas mineiros.

Por isso, estranhamos a dureza e injustiça das suas palavras em Betim. Em Minas, não fazemos política sem memória e tratando o futuro como se ele não existisse.

Constrangem-nos o tom de ameaça que, à sua revelia, o candidato do PMDB tenta impor a Minas e a forma abusiva com que ele utiliza o seu apoio.

Minas não quer ter que escolher entre Dilma e Anastasia, da mesma forma que não escolheu entre Lula e Aécio. Minas quer o que é melhor para Minas e para o Brasil.

Minas é misteriosa, altiva e não se submete. Tem como sagrada a liberdade de transitar pelo caminho que lhe pareça mais apropriado, sem ingerências.

Podemos não ter grande poder, mas somos prefeitos que gozamos da confiança da nossa população e não temos medo de nos comprometermos e de nos expressarmos sobre aquilo que nos pareça ser de justiça. Não se trata de uma questão eleitoral.

Trata-se de uma questão política da maior importância.

Trata-se daquilo que é maior que qualquer eleição: respeito, reconhecimento e, fundamentalmente, a independência de Minas e do direito dos mineiros de escolherem o seu destino sem as pressões e ameaças indevidas que estão sendo feitas pelo candidato do PMDB.

Seus companheiros e admiradores, (e seguem os nomes de 51 prefeitos, todos eles da base de apoio a Dilma, sendo 20 do PR, 11 do PDT, 9 do PMDB, 6 do PT, 2 do PTC, 2 do PP e 1 do PRB.)

A carta a Lula foi publicada, hoje, no jornal O Estado de Minas.

O que disse Lula em Betim, capaz de irritar tanto os subscritores da carta?

A certa altura do seu discurso, perguntou ao público: quem poderá estabelecer mais parcerias com o governo federal caso Dilma se eleja? E ele mesmo respondeu:

- Lamentavelmente não será ninguém do DEM ou do PSDB.

Acusou Aécio Neves de ter aplicado apenas a metade dos recursos exigidos no orçamento do Estado para a área da saúde.

Em tom de desafio, novamente perguntou ao público:

- Quem colocou mais mineiros na universidade? Foi o governo federal ou foram eles aqui?

Afirmou, por fim, que a base de Aécio no Congresso votou pelo fim da CPMF. E que na ocasião votou assim “por ódio e por vingança e porque queriam que não tivesse o controle do pagamento de impostos, do combate à sonegação por meio do sistema financeiro”.



๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#listening "Tocando Em Frente"

Ouvindo a música "Tocando Em Frente", de Various Artists, #nowplaying na @RadioUOL http://uol.fm/bqcxF

๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Um "JÊNIO" patrocinado pela Caixa. on Twitpic


Um "JÊNIO" patrocinado pela Caixa. on Twitpic




๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#POLITICA : Benício Del Toro aceita convite de Lula para projetos na África e América Latina

Benicio Del Toro se queda sin respuestas






๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Ahmadinejad, master of spin


Iranian President Mahmoud Ahmadinejad is interviewed by journalists from the Associated Press in New York Mr Ahmadinejad has been making the round of US TV studios since arriving in New York

As Iranian President Mahmoud Ahmadinejad arrives in New York for the UN General Assembly, once again he joins the battle for public opinion, and once again he may have won the first skirmish.

As usual, he is making the round of American TV studios, appearing on the Charlie Rose show on PBS, and Larry King Live on CNN. Already, he has been interviewed by Christiane Amanpour on ABC News.

While some of the Western media denounce him as crazy, Mr Ahmadinejad has shown himself just as able at influencing opinion and swaying the media as any Western leader.

True, he is known for what are seen in the West as a number of high-profile "gaffes", most notably his claim, on a previous trip to New York, that "we don't have gays, like you do".

But he has also succeeded in moving the agenda onto a ground of his own choosing, and few, if any, of the Western journalists who have interviewed him have scored many points off him.

One of his favourite techniques is to take his apparent weakness, and use it to attack his opponents.

So, anticipating pressure for the release of Josh Fattal and Shane Bauer, the two Americans held in Iran since July 2009, he has called for the release of a number of Iranians held in prison in the United States.

That issue dominated the early headlines, rather than his own human rights record, or the threat of stoning on Sakineh Mohammadi Ashtiani.

It is a technique of "spin" that would be recognised by any presidential or prime ministerial press adviser around the world.

Slippery customer

Mr Ahmadinejad is so hard to interview that a lively conversation has been taking place on the internet over how to get the better of him.

In an article in the magazine Foreign Affairs, entitled "How not to get played by Ahmadinejad", former USA Today correspondent Barbara Slavin warns fellow journalists: "Since he was first elected in 2005, the Iranian president has perfected the art of slipping and sliding around even the most seasoned interviewers. Typically, he answers questions with questions and deflects criticism by attacking the United States or Israel."

Mr Ahmadinejad's technique is aided by the fact that most of the foreign interviews are carried out in translation - leaving the journalist less scope for jumping in, and less time to cross-examine.

Start Quote

Asked by Jon Snow of Channel 4 news about his response to US President Barack Obama's proffered "hand of friendship", he asked jokingly which hand the president had extended, the left or the right ”

End Quote

And, his critics would argue, he has a flexible attitude to the truth that politicians facing more day-to-day scrutiny might find harder to get away with.

For example, in an interview on Sunday with Christiane Amanpour on the ABC News programme This Week, he dismissed as "propaganda" the stoning sentence defence lawyers say was imposed on Sakineh Mohammadi Ashtiani.

When asked his own opinion on the issue of stoning in general, he simply avoided the question.

Then, he flatly denied the claim that the number of executions in Iran had dramatically increased since he took office, something attested both by human rights organisations and by international news agencies who keep a running tally of executions announced in the Iranian media.

At Columbia University in New York, he stated boldly that there was complete freedom in Iranian universities. Several students who went out to protest against him on his return to Tehran were promptly arrested.

Sometimes, he simply makes fun of the question.

Asked by Jon Snow of Channel 4 news about his response to US President Barack Obama's proffered "hand of friendship", he asked jokingly which hand the president had extended, the left or the right.

Start Quote

Reporters need to be armed with in-depth knowledge of Iran's economy, politics and society - and even then, they may have difficulty getting Ahmadinejad to admit the truth”

End Quote Barbara Slavin Former USA Today correspondent

On other topics, he presents a radically different message to different audiences.

Questioned in New York on a previous visit about accusations that he denied the Holocaust and was anti-Semitic, he said he was simply calling for an open debate on the issue.

By contrast, speaking in Iran, he regularly rails against the small clique of Zionists whom he says control policy in Israel, the United States and other Western countries.

Such language can sound so extreme to Western ears that interviewers wrongly assume Mr Ahmadinejad is naive or stupid, and regularly underestimate him.

The problem is not confined to Western journalists. Mr Ahmadinejad also gave a tough fight to his political opponents in the televised debates that preceded the June 2009 election.

One of the opposition candidates, Mehdi Karroubi, looked particularly under-prepared by comparison.

But Western interviewers face special problems.

A rally against the death-by-stoning sentence of Iranian woman Sakineh Mohammadi Ashtiani in Paris on 12  September 2010 Iran has clearly been embarrassed and wrong-footed by the recent controversy over stoning

"Reporters need to be armed with in-depth knowledge of Iran's economy, politics and society - and even then, they may have difficulty getting Ahmadinejad to admit the truth," warns Barbara Slavin.

She advises her colleagues to avoid the Holocaust, which she says rarely provokes enlightening answers, and instead focus on specific, current topics.

The International Campaign for Human Rights in Iran, has even produced a 56-page "reporters' guide" on how to interview Iranian officials.

It includes what it calls "myths versus facts" on Iran's human rights record, suggested questions for President Ahmadinejad, and some of his answers to previous questions.

Appreciative audiences

Mr Ahmadinejad's savvy use of the media might frustrate his opponents, but does it matter?

His first audience is the public opinion back home in Iran, yet opinion there is so highly polarised, there is not much of a swing vote.

Mr Ahmadinejad prides himself on his leadership of public opinion in the developing world, most notably the Arab world. That is where his comments on the Holocaust and the existence of Israel meet an often appreciative audience.

But there is also an ongoing battle for opinion amongst educated Westerners.

Many liberals and opponents of the US government are receptive to his accusation of double standards by Western democracies.

Sometimes, they seem more inclined to give him the benefit of the doubt than they would leaders of their own governments.

For example, while most Iranians have very clear opinions on whether Mr Ahmadinejad's re-election was rigged, Westerners still pore over the evidence and re-examine the statistics.

There is a body of opinion in the West that the allegations of election fraud are simply Western propaganda designed to "soften up" public opinion before an attack on Iran.

It does not always work in Mr Ahmadinejad's favour.

Critics of Iran's human rights record have caused problems for President Lula of Brazil, after he attempted to mediate over the Iranian nuclear dispute, and appeared, to some, to be coming to Mr Ahmadinejad's defence.

And Iran has clearly been embarrassed and wrong-footed by the recent controversy over stoning, something which strikes at the core of Mr Ahmadinejad's attempt to portray the Islamic Republic as a messenger of new and purer values to the world.

So the battle for opinion on the issue of Iran does continue. It does matter.

And while both supporters and opponents of President Ahmadinejad may believe firmly that truth is on their side, no-one is about to win an easy victory.


๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#POLITICA Serra reivindica autoria de obras em Paraisópolis


Uma semana depois de visita da adversária petista ao local, tucano vai à comunidade e reivindica paternidade de obras

Piero Locatelli, iG São Paulo | 19/09/2010 18:10

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, esteve neste domingo (19) em Paraisópolis, segunda maior favela da cidade de São Paulo, exatamente uma semana depois da visita da presidenciável Dilma Rousseff (PT) ao local. O tucano fez caminhada pelas ruas do bairro, visitou um conjunto habitacional e reivindicou a autoria de obras realizadas na região. “Nós fizemos tudo em Paraisópolis. Aqui, em matéria de PT, de governo federal, o que foi feito é próximo a zero”, afirmou Serra, referindo-se a projetos de saneamento e habitação na região.


Quando questionado se ele estaria na região para reivindicar a paternidade de obras, Serra disse que a gestão do PSDB foi a responsável em “transformar a favela em bairro” e acusou o PT de se autodenominar autor de projetos no local. “Inclusive, teve a inauguração de um conjunto habitacional nosso que eles vieram inaugurar”, criticou. O tucano fazia referência a 240 unidades habitacionais inauguradas em agosto deste ano pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Casa Civil

Serra reiterou o que já havia declarado ontem sobre uma possível participação de Dilma nas denúncias envolvendo pagamento de propina no ministério da Casa Civil. “De duas, uma: ou ela, como dirigente, não é capaz, porque um esquema que dura quatro, cinco, seis, sete anos, quem está em cima não saber, então ela não tem capacidade de dirigir. Ou então, ela é cúmplice. Não há uma terceira hipótese”.

Já a respeito do convite do senador Alvaro Dias (PSDB-PR) à Dilma para depor sobre as acusações no Senado Federal, o tucano não quis comentar. “Alvaro Dias vai falar sobre isso. Eu não estou por dentro da coisa. Ele me telefonou e disse que ele vai falar”.

Ainda durante visita a Paraisópolis, ao lado do candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB, Geraldo Alckmin, e do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), Serra minimizou o resultado das pesquisas. “Não tem o que reverter. A partida vai ser jogada no dia 3 de outubro. Não é um campeonato”.

Serra chegou a Paraisópolis por volta das 15h45 e ficou aproximadamente uma hora e meia no local. Amanhã, o candidato segue para Recife (PE), onde participa de debate entre presidenciáveis, sem a presença confirmada de Dilma.



๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Regering bestee 400.000.000 op Tamiflu, maar slegs een derde van die dosisse versprei

Of the 14 5 million (in cash, Brazil), treatments purchased 4.8 billion were delivered. The remainder is stored
14, 5 million treatments purchased 4.8 billion were delivered. The remainder is stored
Gabriel Castro

The Health Ministry has distributed so far only one third of the 14.5 million treatments of Tamiflu purchased last year to combat influenza A. He has delivered 4.8 million kits to state health departments. The rest is stored. The Ministry argues that the unused medications became part of the stock for emergencies. This stock is sufficient to meet 20 million patients - a number that, according to the ministry, following a recommendation from the Centers for Disesases Control (CDC) of the United States. Each treatment takes 10 pills of the drug.

This week's edition of VEJA revealed that in July last year, officials of the Civil House received 200,000 actual tuition fee as a result of the deal signed between the government and the manufacturer Roche. Days earlier, the Ministry of Health had purchased 8 million treatments of Tamiflu at a price of 34.7 million reais. Tamiflu is an antiviral. Last year, amid the pandemic of the H1N1 virus, the Health Ministry bought the entire 105 million tablets and 4 tons of medicine into the barrel.

According to the Ministry of Health, the purchases were made based on an epidemiological study. The conclusion was that Tamiflu was the only product that met the requirements for immediate distribution in the country. As already registered in Brazil and protocol for implementation, the remedy was acquired by direct purchase, seven acquisitions between April and December of 2009, a total price of 400 million reais. The Ministry claims that the price paid for Tamiflu was 76% lower than that authorized for sale in pharmacies.

Besides the quantity purchased from Roche, the Brazilian government has produced enough Tamiflu to meet two million people. The drug was manufactured by the Oswaldo Cruz Foundation, from a stock that the Brazilian government had the active ingredient of the remedy.

Last year was recorded almost 28 000 cases of infection by H1N1 and 1632 deaths caused by the virus. In 2010, contagions were 727 and 91 deaths. The number of cases dropped after the vaccination campaign conducted against the disease this year. Just over a month, the World Health Organization announced the end of Pandemic Influenza A. Doses of Tamiflu purchased by government are valid for up to 48 months. If not used there, the product should be incinerated

Temporao - Participation of Civil in the purchase of Tamiflu was denied on Saturday by Health Minister Jose Gomes. The minister said that the payments to Roche were made directly by the Ministry of Health "There was no involvement of third parties nor the Civil House," Temporao said at a press conference.

The minister also claimed that the proceedings drawn up during the process of purchasing the drug realize all negotiations. "It was a transparent process that met all legal procedures," he said. "What would someone need to facilitate or mediate a situation like this?"

Before the conference, Temporão talks with President Luiz Inacio Lula da Silva and earned him the go ahead to discuss the matter publicly. Despite strong denials, he also recognized the need for an investigation. "The Federal Police were called to investigate and clarify everything," he announced.

Laboratory - In a statement, Roche said that "all cases of sale of Oseltamivir (Tamiflu) to the Ministry of Health were conducted in a direct way and never has been the involvement of any intermediary."


๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#dilma Dos 14, 5 milhões de tratamentos adquiridos, 4,8 milhõs foram entregues. O restante está armazenado

Governo gastou 400 milhões com Tamiflu, mas só distribuiu um terço das doses


Gabriel Castro

O Ministério da Saúde distribuiu até agora apenas um terço dos 14,5 milhões de tratamentos do Tamiflu adquiridos no ano passado para o combate à gripe A. Ele entregou 4,8 milhões de kits aos órgãos estaduais de saúde. O restante está armazenado. O Ministério alega que os medicamentos não usados passaram a integrar o estoque para casos de emergência. Esse estoque é suficiente para atender 20 milhões de pacientes - número que, segundo o ministério, segue recomendação do Center of Disesases Control (CDC) dos Estados Unidos. Cada tratamento consome 10 comprimidos do remédio.

A edição desta semana de VEJA revelou que, em julho do ano passado, funcionários da Casa Civil receberam 200 000 reais de propina como consequência do negócio firmado entre o governo e a fabricante Roche. Dias antes, o Ministério da Saúde havia adquirido 8 milhões de tratamentos do Tamiflu ao preço de 34,7 milhões de reais. O Tamiflu é um antiviral. No ano passado, em meio à pandemia do vírus H1N1, o Ministério da Saúde comprou ao todo 105 milhões de comprimidos e 4 toneladas do medicamento em barril.

Segundo o Ministério da Saúde, as compras foram feitas com base em um estudo epidemiológico. A conclusão foi a de que o Tamiflu era o único medicamento que cumpria os requisitos necessários para a distribuição imediata no país. Como já tinha registro no Brasil e protocolo para aplicação, o remédio foi adquirido por compra direta: sete aquisições entre abril e dezembro de 2009, num preço total de 400 milhões de reais. O Ministério alega que o preço pago pelo Tamiflu foi 76% menor do que aquele autorizado para venda nas farmácias.

Além da quantidade adquirida da Roche, o governo brasileiro produziu Tamiflu suficiente para atender 2 milhões de pessoas. O medicamento foi fabricado pela Fundação Oswaldo Cruz, a partir de um estoque que o governo brasileiro tinha do princípio ativo do remédio.

No ano passado, foram registrados quase 28 000 casos de contaminação pelo H1N1 e 1.632 mortes causadas pelo vírus. Em 2010, foram 727 contágios e 91 mortes. O número de casos caiu depois da campanha de vacinação contra a doença realizada neste ano. Há pouco mais de um mês, a Organização Mundial de Saúde anunciou o fim da pandemia de Gripe A. As doses de Tamiflu adquiridas pelo governo têm validade de até 48 meses. Se não for usado até lá, o medicamento deverá ser incinerado

Temporão - A participação da Casa Civil na compra do Tamiflu foi negada neste sábado pelo ministro da Saúde, José Gomes Temporão. Segundo o ministro, os pagamentos ao laboratório Roche foram feitos diretamente pelo Ministério da Saúde. "Não houve participação de terceiros e nem da Casa Civil", disse Temporão em coletiva à imprensa.

O ministro ainda afirmou que as atas redigidas durante o processo de compra do medicamento dão conta de todas as negociações. "Foi um processo transparente que cumpriu todos os trâmites legais", disse ele. "Qual seria a necessidade de alguém facilitar ou intermediar uma situação como essa?"

Antes da coletiva, Temporão conversou com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e obteve dele o aval para tratar do assunto em público. Apesar dos firmes desmentidos, ele também reconheceu a necessidade de uma investigação. "A Polícia Federal foi acionada para apurar e esclarecer tudo", anunciou.

Laboratório - Em nota, o laboratório Roche afirmou que "todos os processos de compra e venda do Oseltamivir (Tamiflu) ao Ministério da Saúde foram conduzidos de forma direta e nunca houve a participação de nenhum intermediário".



๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#listening "La Cenerentola: Sinfonia"

Ouvindo a música "La Cenerentola: Sinfonia", de Cecilia Bartoli; William Matte..., #nowplaying na @RadioUOL http://uol.fm/bkcY7

๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

'Passione': Resumos de 20 a 25 de setembro

por Carol Campanharo

Capítulo 109 - Segunda-feira
Adamo explica para a família o que aconteceu na Itália. Jéssica ameaça ir embora de casa se Olavo não aceitar Berilo de volta. Diana explica para Laura por que Melina foi agressiva com ela. Totó se convence a ficar no Brasil com a família. Mimi conta para Benedetto que vendeu a casa e o sapateiro passa mal. Antero diz a Diógenes que não perdoará Brígida se descobrir que ela tem um amante. Gemma pensa em Giovanni/Antero. Olavo decide aceitar Berilo de volta para que Jéssica e Olavinho não saiam de sua casa. Diana conta para Mauro sobre o encontro com Melina e afirma que não vai deixá-lo sozinho na empresa. Clara fala com Cavarzere sobre o processo de guarda de Kelly. Gerson fica animado com os elogios que recebe de um colega. Brígida critica Bete e Stela por serem permissivas com Gerson e Danilo. Sinval repreende Lorena por ter dado dinheiro para Danilo. Danilo sofre com a abstinência. Totó garante a Adamo que fará tudo para esquecer Clara. Clara sente ciúmes da forma como Felícia fala de Totó. Chulepa tenta convencer Sinval a esquecer Fátima. Fátima lamenta a falta de Sinval. Gerson afirma a Cavarzere que não vai se divorciar de Diana. Felícia vai à casa de Gemma e Totó fica contente ao vê-la. Agnello tenta consolar Adamo ao saber o que Francesca lhe fez. Gemma se surpreende com a notícia de que Mimi e Benedetto estão no Brasil. Fortunato se assusta ao ver Mimi e Benedetto. Saulo sugere que Fred consiga o apoio de Gerson. Gerson avisa a Diana que ela voltará com ele para casa. Clara vê Totó e Felícia se beijando.

Capítulo 110 - Terça-feira
Totó vai atrás de Clara. Felícia, nervosa com o beijo que deu em Totó, pede apoio a Fátima. Gerson enfrenta Mauro. Fred aceita se aliar a Saulo. Fortunato afirma que não conhece Giovanni/Antero, mas Mimi não acredita. Olavo quer saber por que Clô mentiu para ele. Berilo não consegue fazer o que Jéssica quer e sente falta de Agostina. Agostina sonha com o ex-marido. Stela reclama com Arthurzinho da demora dos filhos. Sinval vê Danilo alterado e decide levá-lo para o velódromo. Fred fala de Diana e Mauro durante o café para provocar Gerson. Bete tenta conversar com o filho, mas ele é agressivo. Gerson decide ligar o computador para se acalmar. Diana afirma a Cris que está sendo obrigada a chantagear o ex-marido para conseguir o divórcio. Para não preocupar a mãe, Sinval mente para Stela sobre Danilo. Fátima liga para Sinval, que não atende. Chulepa conta para Mônica que Fátima engravidou de Danilo. Clô confessa a Jackie sua angústia com as insinuações de Olavo e a secretária finge não saber de nada. Olavo pede para Bete ajudá-lo a aceitar Totó como filho. Gemma tenta convencer o irmão a refazer sua vida com Felícia. Kelly afirma que a irmã está gostando de Totó e Clara fica confusa. Mônica vai à casa de Fátima. Gerson entra em pânico quando Diana ameaça contar seu segredo se ele não lhe der o divórcio. Totó vai à casa de Bete e descobre que Olavo é seu pai.

Capítulo 111 - Quarta-feira
Bete fica nervosa com a alteração de Totó e Olavo e tenta acalmar os dois. Fred conta para Saulo sobre a discussão que Gerson teve com Bete. Sinval diz a Chulepa que está tentando esquecer Fátima. Mônica destrata Fátima e exige que ela se afaste de Sinval. Candê apoia Felícia para ficar com Totó. Olavo e Totó se abraçam emocionados, mas voltam a discutir por causa de Berilo e suas filhas. Clara não consegue um emprego por causa do processo a que está respondendo. Benedetto repreende Mimi e o compara a Giovanni/Antero. Fortunato procura Antero e Brígida fica horrorizada. Olavo pergunta por que Clô escondeu dele a bigamia de Berilo. Gemma encontra Clara em uma fila de emprego. Totó procura Felícia.

Capítulo 112 - Quinta-feira
Totó confessa para Felícia que ainda ama Clara. Gemma humilha Clara e exige que ela se afaste de seu irmão. Antero se surpreende com a notícia de que Benedetto e Mimi estão no Brasil. Berilo mente para Olavo e Jéssica e acusa Clô de ser a culpada por toda a confusão que ele aprontou. Totó conta para a família quem é seu pai e Agostina reage furiosa. Jackie agradece Berilo por ter reforçado sua história sobre Clô para Olavo. Diana diz a Mauro que conseguiu convencer Gerson a aceitar o divórcio. Gerson não consegue contar para Flávio sobre seu problema. Danilo pega um objeto de sua casa para vender. Sinval mente sobre o irmão para Stela e Lorena percebe. Clara se lamenta por não ter conseguido um emprego e Kelly a consola. Totó fica surpreso quando Gemma lhe conta que Clara estava procurando emprego em um supermercado. Agnello confessa a Adamo que não consegue esquecer Stela. Olavo pensa em Totó. Jackie faz Clô acreditar que foi Bete quem a colocou contra Olavo. Fortunato leva Giovanni/Antero para ver Benedetto e Mimi. Saulo propõe a Gerson que se una a ele para afastar Mauro da presidência da empresa. Agnello liga para Stela e pede para se encontrar com ela. Agostina procura Berilo e Jackie mostra onde ele está com Jéssica. Clô vai à casa de Bete exigir que ela se afaste de seu marido. Totó chega à LEAR para atender ao chamado de Olavo.

Capítulo 113 - Sexta-feira
Totó se enfurece com os questionamentos de Olavo. Agostina e Jéssica brigam e Jackie convence Guida a chamar a polícia. Bete fica indignada com as acusações de Clô. Saulo consegue deixar Gerson indeciso com sua proposta para se unir a ele. Jéssica manda prender Agostina, que sai humilhada no carro de polícia. Giovanni/Antero afirma que vai ajudar Benedetto e Mimi e comenta com Diógenes que quer levá-los para morar com ele. Agnello beija Stela. Clara consegue emprego em uma cantina italiana. Melina exige que Laura leve Diana a uma reunião no seu departamento e a jornalista fica irritada com a perseguição da designer. Lorena beija Chulepa. Stela diz a Agnello que eles terão que se encontrar escondidos até ela decidir o que fazer. Sinval se preocupa com o irmão e sente-se culpado por ter mentido. Felícia sofre ao pensar na conversa que teve com Totó. Totó afirma à família que já sabe o que fazer com Berilo. Berilo fica angustiado ao pensar em Agostina. Gerson pensa em sua conversa com Saulo e não consegue se concentrar durante o treino. Melina e Fred humilham Diana durante a reunião. Talarico mostra uma pilha de louça suja para Clara lavar. Gerson encontra Saulo para dar uma resposta sobre a proposta. Mauro afirma para Bete que Saulo está desviando dinheiro da metalúrgica.

Capítulo 114 - Sábado
Bete reluta em acreditar que Saulo possa ter roubado a própria empresa. Gerson não aceita a proposta de Saulo. Clô sofre com a família contra ela . Jéssica acusa a madrasta pelo que aconteceu entre ela e Agostina e tenta expulsá-la de sua casa. Berilo confessa a Jackie que está penalizado com a situação de Clô. Totó consola Adamo, que sofre por causa de Francesca. Gerson conta para Bete sobre a proposta de Saulo e as humilhações de Melina contra Diana. Mauro entrega os balancetes da empresa para o auditor de Cavarzere. Kelly incentiva Fátima a lutar para ficar com Sinval. Lorena destrata Stela. Fátima chega com Agnello, Kelly e Alfredo no velódromo. Boca ameaça Danilo. Mônica manda os seguranças tirarem Fátima do velódromo e as duas se desentendem. Telma avisa para Lorena que Stela foi embora e a estudante avista Agnello. Sinval procura por Fátima. Totó pensa em Felícia e a procura. Adamo se preocupa com Agnello ao saber que ele esteve com Stela. Antero pensa em levar Benedetto para trabalhar como jardineiro em sua casa. Brígida vai ao quarto de Diógenes e fica nervosa ao se deparar com Antero. Fortunato apresenta Mimi e Benedetto a Candê. Berilo visita Agostina. Fred ouve Mauro acusando Saulo de estar roubando a metalúrgica. Totó leva Felícia para jantar na cantina onde Clara trabalha.



๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#dilma : Alvaro Dias: Dilma deve dar explicações, e não tomar cafezinho

Photobucket Pictures, Images and Photos

O senador Alvaro Dias (PSDB-PR) respondeu neste domingo (19), através da sua página no Twitter (@alvarodias_), as declarações da candidata à presidência Dilma Rousseff (PT) que afirmou mais cedo que não aceitará o convite do paranaense para prestar depoimento na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) no Senado. "Convite do Alvaro Dias não aceito nem para cafezinho", disse a petista durante comício na Ceilândia.

Na rede de microblogs, Dias postou a seguinte mensagem: "amanhã da Tribuna do Senado falarei sobre o cafezinho de Dona Dilma". Em seguida, o senador respondeu mensagens de eleitores que repercutiam a fala da presidenciável petista. "A instituição 'Senado Federal' é a caixa de ressonância da Nação. É lá que deve dar explicações Dona Dilma e não 'tomar cafezinho'", postou.

Em resposta a outro eleitor, o tucano atacou a candidatura de Dilma. "O receio não é do café amargo é da revelação dos fatos que poluem sua candidatura".

O líder do PSDB convidou a candidata petista a prestar depoimento na CCJ para explicar as acusações que pairam sobre a Casa Civil, entre elas a de um suposto pagamento de propina para a compra do Tamiflu, medicamento usado para combater a gripe H1N1.

Photobucket Pictures, Images and Photos

๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#politica No Ministério do PGN, tem até a Palmirinha para cuidar da "Receita"

Arquivos de mídia
SIMAO_15092010.mp3 (MP3 Audio File, 3.9MB)


๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

José Simão : O "PGN News" traz fofocas quentes da política

Arquivos de mídia
SIMAO_17092010.mp3 (MP3 Audio File, 3.9MB)




José Simão Um dos mais irreverentes cronistas da imprensa brasileira, ingressou na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco em 1969, curso do qual desistiu logo em seguida. Entrou para a Folha de S.Paulo em 1987, onde mantém uma coluna que ele próprio chama de ?telejornal humorístico?. É autor dos livros Macaco Simão no Cipó das Onze ou Se Acordar Cedo Desse Dinheiro Passarinho Já Tava Milionário, Guia do Lamagate ou Macaco Simão na República das Bananas, Macaco Simão no Tetra e Macaco Simão em Nóis Sofre Mais Nóis Goza.









๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#dima : Memórias de chumbo: o confidente de Dilma

Jefferson Botega /

Em oito horas de depoimento, Carlos Franklin Paixão Araújo conversou com Zero Hora sobre as experiências ao lado de Dilma Rousseff
Foto: Jefferson Botega

Ex-marido de Dilma revela período sombrio vivido por candidata durante a ditadura

O ex-marido e confidente de Dilma revela o período sombrio vivido por uma das protagonistas da disputa pela presidência nas eleições 2010. Em oito horas de depoimento, Carlos Franklin Paixão Araújo conversou com Zero Hora sobre as experiências ao lado de Dilma Rousseff, sua companheira de clandestinidade e guerrilha desde 1968 e de cárcere de 1970 a 1973.

Hoje, aos 72 anos, com um enfisema pulmonar que o obrigou a largar o cigarro e distante da militância, ele ainda ocupa o imóvel de 220 metros quadrados (casa na qual Araújo viveu primeiro com os pais e irmãos, depois com Dilma e a filha única do casal, Paula, hoje procuradora do Trabalho), assistido por uma empregada.

A namorada, Ana Meira, arquiteta e diretora estadual do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, não mora com ele. O velho militante dorme de quatro a cinco horas por dia, levanta-se por volta de 3h para caminhar na esteira, toma café e se dirige para o escritório de advocacia trabalhista. Nas horas vagas, recebe os filhos - além de Paula, Leandro, do primeiro casamento, com Nize Pacheco, e Rodrigo, da relação com Mari Mendes-, amigos e personalidades. O lugar destinado aos encontros é a churrasqueira, com janelões para o Guaíba.

Em áudios, confira os melhores momentos da entrevista com Araújo:

1. Memórias de Chumbo - Carlos Franklin Araújo: Sobre a decisão do Supremo

2 - Memórias de Chumbo - Carlos Franklin Araújo: Sobre os torturadores

3 - Memórias de Chumbo - Carlos Franklin Araújo: Sobre pedidos de indenização

4 - Memórias de Chumbo - Carlos Franklin Araújo: Sobre os políticos em que acredita

ZERO HORA


๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

First Person: Relief Well Driller Looks Back



For nearly four months, John Wright has been thinking about one thing, killing the leaking Macondo well almost three miles beneath the Gulf of Mexico. Now his job is finished, and he's heading home. (Sept. 18)


๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Bill Clinton: Obama is "Getting His Groove Back"

September 19, 2010

| FoxNews.com




President Obama "was socked by the intensity of Republican opposition" in the past 20 months, but is "getting his groove back," former President Bill Clinton said Sunday.

Obama earned some friends across the aisle while he was in the Senate and pledged not to investigate the Bush administration, but he was wrong to think his presidency would attract some Republican support in Congress as a result, Clinton said.

"It disoriented him for a while," Clinton said.

Speaking on two different Sunday morning news shows -- NBC's "Meet the Press" and CBS' "Face the Nation -- the popular former president said that Obama believed that if he were successful legislatively it "would be reflected in a better political climate."

But Republicans have adopted the successful strategy of 1993 and 1994 when they won the congressional majority for the first time in 40 years. That strategy, he said, is to reject everything that the majority party stands for, even if it is good for the country.

"They learned from my first two years that, if you just say no, even though people hate it, you get rewarded for it because it discourages the Democrats and it inflames your base. So they're doing just what they did in '93 and '94. And so far it appears that they're being rewarded for it," he said.

As Clinton appeared on the morning news shows to prop up the current president, his Clinton Global Initiative announced that Obama will join him this week at the international aid group's annual meeting set to feature 64 heads of state, hundreds of business leaders and Nobel laureates.

Clinton said that event will focus on education, helping women globally and developing clean energy jobs in the United States without government involvement.

The former president acknowledged that if the U.S. unemployment rate were 5 percent, "we wouldn't be having this discussion" about Obama's standing. But, he said, there's "a huge lag time" between digging out of a recession and people feeling it.

He added that while he's a little befuddled about how Democrats can get across their message in the current political atmosphere, they need to "shake the voters out of their apathy."

But Clinton said Democrats may have a better chance of withstanding the Tea Party onslaught than the Republican Party whose behavior defied its stated principles and earned Tea Party rebellion.

Tea Partiers rightly "believe that people with wealth and power have done well and ordinary people have not," Clinton said, offering his explanation for the rise of the political phenomenon that has already undone several incumbent candidates this election year.

"The Tea Party insurrection, if you will ... reflects the feeling of a lot of Americans that they're getting the shaft," he said.

Whether the Tea Parties -- and their hand-picked nominees -- can translate their anger into action is uncertain, Clinton said. The new group of candidates needs to get specific in terms of what they want, and whether that includes repealing the student loan program or the Wall Street reform, two of Congress' best pieces of legislation this year, Clinton contended.

He also argued that the GOP quadrupled the budget deficit in the 12 years before his presidency and quadrupled it again after he left, so while Republicans "talked a good game" about balancing the budget, it was easy to do after the 1993 tax-raising budget approved with 90 percent of Democratic support.

Still, Clinton said he's not sure what advice to give to Democrats except that they should focus on what they're going to do in office.

"People only hire us when things are messed up. They'd much rather hear the Republican rhetoric than ours. We only get hired when the country is in a mess. So the Democrats should focus on what we're going to do," he said.

Former Bush Secretary of State Colin Powell, who endorsed Obama over Republican Sen. John McCain in 2008, said he has little advice for the president except to buck up and pull through it.

"They will kick you like a dog, treat you like a dog but that's the nature of this country," Powell said on NBC's "Meet the Press."

Clinton said Obama may find it easier to get along with Republicans after the election, but he's not sure the overall benefit.

"I think it would increase his chances of being re-elected, whether it would be good for the country, I don't know," he said.

"I don't know how it will play out," he said of the midterm contest.

๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Veja os preços completos do iPhone 4

Cauã Taborda, de INFO Online Domingo, 19 de setembro de 2010 - 11h26Reprodução
Veja os preços completos do iPhone 4
Preços consultados em lojas de São Paulo


SÃO PAULO - O iPhone 4 já está sendo vendido no Brasil há dois dias e a procura pelo aparelho continua grande. Confira a tabela completa de preços das operadoras.

Assim como na compra de qualquer outro aparelho, a venda do iPhone 4 pelas operadoras pode trazer diversas dores de cabeça ao consumidor. A principal delas é comparar os preços. As diferenças nos planos, descontos e portabilidade geram diferenças gritantes. Para fazer um bom negócio, o consumidor deve avaliar todos os aspectos para fugir das pegadinhas e mesclar um bom plano com um preço mais “aceitável” para o dispositivo.

A operadora Claro só vende o aparelho atrelado a seus planos, oferecendo descontos conforme o valor mensal pago em conta aumenta. A operadora é a única a oferecer descontos para portabilidade, fazendo com que o valor do iPhone 4 caia ainda mais.

A Vivo, que também não vende o aparelho fora dos planos, oferece a mesma política de descontos, mas não com a portabilidade. A TIM só dá desconto nos aparelhos para planos acima do Infinity 300 e Liberty 200. A Oi ainda não preparou seus preços.


๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#Dilma afasta acusações e ironiza convite para ir ao Senado


Candidata do PT à presidência da República volta a falar sobre denúncias envolvendo a Casa Civil e afirma que convite de Alvaro Dias ela não aceita "nem para um cafezinho"

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, voltou a rebater neste domingo acusações de tráfico de influência na Casa Civil e afirmou que não conhecia Vinícius Castro, recém-exonerado do ministério, e apontado pela revista "Veja" como tendo recebido dinheiro em uma compra de medicamento pelo governo. A ex-ministra cobrou investigação dos casos envolvendo o ministério que comandou de 2005 a março deste ano.

"Eu não nomeei esse senhor (Vinícius), não o conhecia, não tenho por que me sentir traída porque ele não era da minha confiança", disse Dilma a jornalistas.

Dilma, que lidera as pesquisas de intenção de voto, participou, ao lado do candidato ao governo do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), de carreata em Ceilândia, onde está concentrada a maior fatia do eleitorado do DF. Participam também os candidatos ao Senado por sua coligação, Cristovam Buarque (PDT) e Rodrigo Rollemberg (PSB).

À revista "IstoÉ", a ex-ministra Erenice Guerra, que deixou a Casa Civil na quinta-feira após denúncias, afirmou que foi traída por Vinícius, assessor do ministério exonerado na segunda-feira e acusado de ser parceiro de Israel, filho de Erenice, na intermediação de negócios de empresas com o governo.

Israel Guerra foi envolvido, segundo a imprensa, em duas denúncias: cobrar comissões de empresa para liberar crédito no BNDES e para renovar concessão na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

De acordo com a "Veja", em outro caso, Vinícius recebeu R$ 200 mil, dinheiro que teria relação com a compra do medicamento Tamiflu pelo governo em 2009. O Ministério da Saúde negou informando que não houve intermediação na compra do remédio, usado para combater a gripe A.

"Assim como o sigilo da Receita está sendo investigado, essa vai ser uma questão que nós vamos investigar até o fim", disse Dilma sobre as acusações de tráfico de influência na pasta até agora comandada por Erenice, que a substituiu em março.

Indagada sobre possível proposta do senador Alvaro Dias (PSDB) de encaminhar na segunda-feira requerimento à Comissão de Constituição e Justiça do Senado para que seja convidada a esclarecer as denúncias, Dilma disse que o senador tenta sistematicamente tumultuar as eleições. "Um convite do senador Alvaro Dias eu não aceito nem para um cafezinho."


๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Pedra do Baú deve virar monumento natural no interior de São Paulo



JOSÉ BENEDITO DA SILVA
ENVIADO ESPECIAL A SÃO BENTO DO SAPUCAÍ

Inspiração de lendas, paraíso ecológico, meca do esporte radical e uma escultura de granito vista por 52 cidades, a Pedra do Baú --o "velho titã de pedra erguido na montanha", como definiu o escritor Plínio Salgado-- deve virar monumento natural.

Imponente maciço rochoso, cujo topo está a 1.950 metros de altitude num dos pontos mais altos da serra da Mantiqueira, a pedra pode ganhar, com a nova classificação, mais preservação e mais infraestrutura turística.

O governo de SP leva a audiência pública no dia 14 de outubro, em São Bento do Sapucaí (173 km de São Paulo) --onde fica a rocha--, a projeto de criar o Monumento Natural da Pedra do Baú.

Diego Padgurschi/Folhapress
Pedra do Baú, maciço rochoso no alto da serra da Mantiqueira, deve virar monumento natural no interior de SP.
Pedra do Baú, maciço rochoso no alto da serra da Mantiqueira, deve virar monumento natural no interior de SP.

A área, equivalente a 20 parques do Ibirapuera, inclui ainda duas pedras menores --a do Bauzinho (1.760 m) e a Ana Chata (1.670 m).

Monumento natural é um dos tipos de unidade de conservação de proteção integral definidos por lei federal em 2000. Tem o mesmo status de preservação dos parques, das estações ecológicas e das reservas biológicas.

RENDIÇÃO

"Não foi pra isso que viemos aqui?". A resposta, em forma de pergunta, do fotógrafo Diego Padgurschi à indagação do motorista da Folha se a reportagem iria encarar o Complexo do Baú, foi a deixa. Íriamos subir.

Primeiro, o "playground": a Pedra do Bauzinho, a 100 m de onde deixamos o carro, subida leve de 10 minutos. De lá, avista-se o vale do Paraíba e a desafiadora Pedra do Baú, ao lado, gigante.

Casal em lua de mel tira fotos, moças se divertem, até crianças apareceram por lá. Mas tudo ali exige cuidado: caminha-se, às vezes, por faixa de rocha de 2 m, ao lado de um precipício de 200 m.

De lá, partimos para o desafio de verdade: 3 km no meio da mata, em trilhas íngremes, irregulares, escorregadias, pontuadas por rochas, em busca dos acessos ao cume da Pedra do Baú.

Não é para qualquer um. A reportagem ignorou dois conselhos básicos (o leitor não deve fazer isso): não contratamos guia (R$ 50 por pessoa) e levamos uma garrafinha de água para dois.

Após mais de uma hora trilha adentro (e acima), demos de cara com a primeira das escadas dos irmãos Cortez. Dizem que tem 602 degraus, mas só a vista de uns 100 deles já assustava.

A outra opção, indicava uma placa, era ir em busca da face norte da rocha, com 497 degraus. A placa: "Face Norte - 40 min". Quarenta minutos para quem, nobre amigo que escreveu a placa?

Refugamos a primeira escada. Fomos em direção à face norte. Eu e Diego nem conversávamos mais. Poupar ar. Com isso cresciam os barulhos na mata, mostrando que não éramos os únicos seres vivos no local. Ver mesmo, só um grupo de esquilos.

Molhado de suor, boca seca, pernas se recusando a obedecer, a cabeça pensa em bobagens do tipo "por que não tem um teleférico ou elevador panorâmico?". Até em escada rolante pensei, juro.

Duas horas depois, Diego, sempre alguns passos à frente, anuncia: "Chegamos". Estávamos na base do impressionante paredão de 340 m de altura. Dependendo da sua condição, parece mais.

Cortando o rochedo de alto a baixo, a longa escadaria de ferro cravada pelos Cortez. Com sorte, uma hora escada acima. Pior: ainda tinha a volta. Não ia dar. Quase sem ar, só me restou anunciar o óbvio: "Ok, pedra, você venceu!"



๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#politica : Partido oculto

DORA KRAMER - O Estado de S.Paulo

Consta que o PT e o Planalto ficaram desolados com a divulgação da palestra feita para uma plateia de petroleiros pelo ex-presidente do partido, deputado cassado, réu processado por corrupção e autoproclamado "camarada de armas" de Dilma Rousseff, José Dirceu.

O secretário de Comunicação do PT, André Vargas, chegou a discorrer muito claramente sobre o espírito da coisa.

"O aconselhável é que todos nós, eu, qualquer dirigente do PT, o José Dirceu, falemos pouco, falemos menos ou não falemos de jeito nenhum. Se queremos ajudar a campanha, todos nós temos de falar o menos possível", disse Vargas.

Uma campanha presidencial em que quanto menos falarem os que estão envolvidos nela, melhor? O natural seria exatamente o oposto. Durante a campanha mesmo é que se deve falar muito, os concorrentes precisam ser expostos, responder a tudo e a todos, fazer frente a cobranças de toda ordem, ter passado, presente e futuro muito bem esquadrinhados.

A lei enunciada pelo secretário de Comunicação prega a ocultação. Em outras palavras, a manutenção do eleitor na ignorância a respeito das coisas como elas realmente são.

Por essa norma não se pode repetir em público o que em particular dizem os petistas por todo lado, graduados ou soldados rasos.

Justificam o engajamento na campanha de uma candidata imposta e antipatizada justamente em nome do "projeto" a que se referiu Dirceu naquela fala menos discutida do que merecia, por causa da queda da ministra da Casa Civil.

O projeto está detalhado em documento aprovado pelo partido em fevereiro último e causador de constrangimento quando apresentado à Justiça Eleitoral como sendo o programa de governo de Dilma. A campanha reapresentou uma versão "light" provisória, prometendo uma definitiva nunca apresentada.

O assunto morreu na imprensa e, depois, não valia a pena abrir uma guerra entre partidos aliados por causa do programa de governo nem seria produtivo dar destaque ao PMDB em demasia.

Essas coisas devem ser escondidas, assim como deve ser ocultada a proximidade de José Dirceu, bem como a candidata é mantida atrás do biombo de Lula a fim de que a massa do eleitorado não tenha contato mais espontâneo e amiúde com ela.

Por quê? Porque Dilma não segura a onda, Dirceu é malquisto pelo público, o PMDB é mal falado e o PT divide a "base" - dentro e fora do Congresso.

José Dirceu disse duas verdades: que o PT considera o governo Dilma sua grande chance de exercer de fato o poder e que considera excessiva a liberdade da imprensa.

Mas se esqueceu de que antes da eleição a palavra de ordem é bico calado.

Cenografia. Foram 70 dias entre o prazo regulamentar e as duas notificações da Comissão de Ética Pública para que Erenice Guerra apresentasse informações sobre o patrimônio e a família. Ela ficou 170 no cargo.

Portanto, havia 100 dias que a ministra estava em situação irregular sem que ocorresse aos conselheiros dirigir-lhe a censura feita depois da saída. O silêncio teria sido menos desmoralizante.

A então ministra não atendeu aos pedidos porque ninguém no governo dá bola para a referida comissão nem para a ética pública.

Certidão. "Onde está a prova de que eu esteja envolvida?", pergunta a candidata do PT, a propósito da rede de tráfico de influência, extorsão, empreguismo e nepotismo que envolvia sua sucessora na Casa Civil.

A prova é o aval que Dilma deu à nomeação de Erenice.

Dissociar uma da outra seria como considerar que o presidente Lula não tenha responsabilidade alguma sobre o que faça e diga ou venha a fazer e dizer Dilma Rousseff.

Em português. Pode ser mais sonoro, mas é errado dizer "doa a quem doer". As coisas doem "em" alguém e não "a" alguém.

๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

#dilma :Diretor dos Correios e argentino se unem para controlar transporte aéreo

#


Documentos mostram que eles montaram empresas de fachada para operar MTA, pivô de lobby que derrubou ministra Erenice Guerra

19 de setembro de 2010 | 0h 00
Leandro Colon - O Estado de S.Paulo

O diretor de Operações dos Correios, coronel Eduardo Artur Rodrigues, que assumiu o cargo em 2 de agosto numa "reformulação administrativa" comandada pela ex-ministra-chefe da Casa Civil Erenice Guerra, é testa de ferro do empresário argentino Alfonso Conrado Rey.

Veja também:


Morador de Miami, Rey é o verdadeiro dono da empresa Master Top Linhas Aéreas (MTA), que ganhou as manchetes nas últimas semanas por causa do tráfico de influência de Israel Guerra, filho de Erenice, a seu favor. Ex-coronel da Aeronáutica, Artur faz parte de um grupo de executivos e advogados que tem uma rede de empresas de fachada espalhadas pelo Uruguai, EUA e Brasil. Eles movimentam dinheiro para um casal de laranjas brasileiros, como provam documentos do Banco Central, e trabalham para fazer da MTA o embrião da empresa de logística e carga aérea que o governo Lula promete criar após as eleições. O negócio atiça os empresários porque os Correios pretendem comprar dessas empresas aéreas os aviões da nova estatal.

Até pouco antes de assumir o cargo nos Correios, o coronel Artur dirigia a MTA no País. O Estado teve acesso a documentos da Justiça, do Banco Central e da própria MTA que revelam o papel duplo dele e ajudam a entender como a empresa já abocanhou R$ 60 milhões em contratos públicos. A MTA foi o pivô da queda de Erenice da Casa Civil, na quinta-feira. Ela deixou o governo depois de a revista Veja ter revelado que seu filho Israel intermediou junto à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) a devolução da certificação de voo da MTA, que fora suspensa.

Os documentos mostram que o coronel Artur se envolveu pessoalmente no esquema montado para viabilizar a MTA no Brasil com recursos externos e driblar a legislação, que é clara: o capital estrangeiro não pode superar 20% em empresas aéreas. Por isso, foi criada, de 2005 para cá, a rede com pelo menos seis empresas de fachada com sede em apenas dois endereços: em Campinas e em Montevidéu, no Uruguai. Em outra ponta, sustentam o esquema empresas com sede nos EUA, ligadas a Rey. O empresário, que foi a Brasília para prestigiar a posse do coronel Artur nos Correios, é dono do grupo americano Centurion Cargo, que movimenta o dinheiro e fornece os aviões da MTA.

Resumindo: é tudo a mesma coisa, e bancado com dinheiro externo. Quem aluga o avião para a MTA é o dono da MTA e quem "empresta" dólares do exterior é a própria empresa.

Atualmente, a MTA é dirigida no Brasil pelo peruano Orestes Romero. Mas no papel os ex-sogros da filha do coronel, Tatiana Silva Blanco, são os donos, como "laranjas". Anna Rosa Pepe Blanco Craddock e Jorge Augusto Dale Craddock moram no Rio e não entendem nada de transporte aéreo de carga. O uso do casal como "laranja" fica evidente pelos documentos do BC, pois, além da MTA, são eles que "recebem" os empréstimos milionários, em dólares, remetidos do Uruguai.

No mês passado, a MTA simulou empréstimo de US$ 2,5 milhões da Viameral Sociedad Anônima, com sede na Avenida 18 de Julho, 878, em Montevidéu, repetindo transações semelhantes ocorridas desde 2006, quando entraram pelo menos outros US$ 2 milhões. Só que essa empresa uruguaia não existe na prática. Sua filial no Brasil, a Viameral Participações, fica no mesmo endereço da MTA em Campinas.

Na "sede", em Montevidéu, funciona ainda a Deadulus Aviation Financing, matriz da "campineira" Deada Investimentos, outra companheira de sede da MTA. Coincidentemente, no mesmo endereço uruguaio estão registradas a DC-Quatro Cargo S.A e a CD-Cinco Pax, que alugam os aviões para a MTA operar no Brasil. É o que revelam contratos assinados no Uruguai e obtidos pelo Estado nos autos de um processo na Justiça brasileira. Segundo a Junta Comercial de São Paulo, os advogados da MTA, Marcos de Carvalho Pagliaro e Bruno Fagundes Vianna, são procuradores das empresas de Campinas que não existem.

Além do peruano Romero, os negócios da MTA no Brasil são hoje dirigidos pelo advogado argentino Eduardo Galasio e o brasileiro Fernando Barbosa, amigo do coronel, todos homens de confiança de Rey. Em e-mail enviado aos operadores da MTA no Brasil em 6 de abril, Galasio informa que já consultou o coronel sobre possíveis mudanças na sociedade, para que tudo fique como propriedade de Rey. "Hoje falei com coronel Artur e confirmo que devemos efetuar tudo como havíamos planejado ou seja com todos os documentos que garantissem ao Alfonso a propriedade e o controle da MTA."

Então consultora da MTA, a filha do diretor dos Correios é copiada na mensagem. Noutro e-mail, de 2 de março, Tatiana é alertada sobre os documentos de possíveis mudanças no quadro societário, tratadas como "saída dos Craddock".

01/09/2010 :


Lula diz que diretor dos Correios poderá ser demitido

Coronel Eduardo Artur Rodrigues, que presidia a empresa aérea Master Top Linhas Aéreas (MTA), foi nomeado para a diretoria de Operações dos Correios

Por Agencia Estado

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva responsabilizou hoje o Ministério das Comunicações e a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos pela nomeação de um diretor da estatal ligado a uma empresa aérea que presta serviço de mala postal. "Quem pôs que tira", afirmou Lula, sem esconder a irritação, numa entrevista no Itamaraty.

No último domingo, o jornal O Estado de S. Paulo revelou que o coronel Eduardo Artur Rodrigues, que presidia a empresa aérea Master Top Linhas Aéreas (MTA), foi nomeado para a diretoria de Operações dos Correios. A MTA venceu uma licitação no valor de R$ 44,9 milhões para entregar encomendas da estatal. Com o coronel Rodrigues no cargo de diretor da estatal, desde o dia 2 de agosto, a família dele passou a ser contratada e, ao mesmo tempo, contratante dos Correios. Rodrigues deixou uma filha no comando da empresa aérea.

O coronel presidiu em 2008 a companhia de cargas VarigLog, empresa defendida pelo advogado Roberto Teixeira, compadre de Lula. O presidente Lula, hoje, ressaltou que a nomeação do coronel Artur para a diretoria de Operações da estatal foi decidida pelo Ministério das Comunicações e pelos Correios. O Planalto apenas chancelou a nomeação. "Se tiver problema, o presidente (dos Correios) e o ministério vão ter que tirar", afirmou Lula. "Se tiver problema, será trocado da mesma forma que entrou."

A uma pergunta se seu nome estava sendo usado por Roberto Teixeira para fazer negócios no governo, Lula disse: "Sinceramente, eu não vou responder porque achei que você iria fazer uma pergunta séria". Em e-mail enviado ao jornal, o escritório de Teixeira negou qualquer vínculo com o coronel Artur e que tenha feito indicações para os Correios. O coronel não se pronunciou.

Procurado pela reportagem, o ministro das Comunicações, José Artur Filardi, admitiu que "se ele (o coronel Artur) confirmasse tudo que foi dito sobre ele, eu teria que enviar um pedido de demissão". "Ele disse que nunca foi presidente da MTA, nem trabalhou lá dentro, nem a filha dele", afirmou Filardi. Segundo o ministro, o coronel Artur disse que a filha dela trabalha em uma consultoria que presta serviços para empresas aéreas e que ela já foi casada com o enteado do dono da MTA. "Mas ela já se separou dele há três anos", revelou.

O ministro ponderou, no entanto, que a medida não foi necessária porque "a única coisa que ele (o diretor) confirmou é que a filha dele teria uma procuração para representar a MTA junto à Anac (Agência Nacional de Aviação Civil)". Na visão do ministro, isso não seria motivo para o coronel Artur deixar o cargo, uma vez que a procuração não dá poderes para a filha dele representar a MTA junto aos Correios.

Procurado pelo jornal O Estado de S.Paulo, o presidente dos Correios, David José de Matos, disse que "as razões que apontam para que o coronel Artur seja afastado são inverídicas". Por essa razão, segundo ele, não há motivos para a demissão do diretor. Segundo Matos, a procuração que a filha do diretor tinha para representar a MTA junto à Anac foi cancelada ontem.

O presidente dos Correios disse ainda que a MTA foi desclassificada do processo de licitação da linha SãoPaulo-Brasília-Manaus (ida e volta), no valor de R$ 44,9 milhões, por não ter apresentado a documentação necessária. Segundo Matos, a segunda colocada, a Rio Linhas Aéreas Ltda., é que está operando a linha. Matos disse ainda que a MTA entrou na Justiça contra os Correios por causa dessa licitação.

(Karla Mendes e Leonencio Nossa)


Sonia Racy - O Estado de S.Paulo

Grande, a família
A RCM Serviços Auxiliares de Transporte Aéreo acaba de vencer licitação de R$ 19 milhões para manuseio de cargas no aeroporto de Viracopos. Assessorada pela Martel, cuja titular é Tatiana Rego e Silva.
Pena que Eugênia Maria Rego e Silva, mãe de Tatiana, que pertenceu aos quadros da RCM até fevereiro de 2010, não estava mais lá para aplaudir a filha. As duas são, respectivamente, mulher e filha de Eduardo Artur Rodrigues Silva, conhecido como coronel Arthur, novo diretor dos Correios e fundador da Martel.

๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑๑۩۞۩๑


LAST

Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters