[Valid Atom 1.0]

sábado, 9 de abril de 2011

listening to Goodbye Stranger by Supertramp

listening to Goodbye Stranger by Supertramp on @:


Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

listening to Nocturne No. 15 in F minor, Op. 55 No. 1 by Frédéric Chopin

listening to Nocturne No. 15 in F minor, Op. 55 No. 1 by Frédéric Chopin on @:


Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Brazil Mourns Children Gunned Down at School

RIO DE JANEIRO — Children cried uncontrollably at funerals here on Friday. A police helicopter dropped rose petals onto the cemetery. Even police officers and journalists were moved to tears as they watched families say goodbye to 12 children shot dead on Thursday morning in a rampage of a kind this country had never experienced.

Some 4,000 people watched the burial ceremonies for 11 of the 12 children, students killed at Tasso da Silveira school in Realengo, a working-class neighborhood to the west of this city. On the street in front of the school, teachers placed papers with the names of each victim on the wall facing the sidewalk. Throughout the day, family members, friends and neighbors passed by to drop flowers, notes and photos on the sidewalk. By early evening, candles illuminated the vigil.

Brazil had never gone through a tragedy like this. Just after 8 a.m. on Thursday, Wellington Menezes de Oliveira, 24, opened fire on dozens of children aged 12 to 14 at the school, which he had attended — firing at least 66 shots before he turned one of his two revolvers on himself. The children who escaped death in Realengo are likely to never be the same, they and their family members said Saturday.

Ricceli Ponce said he survived only because his geography teacher heard the shots and locked her students in a classroom. “I decided to look under the door to see where he was, and it was then that I saw his shadow moving back and forth, and suddenly he banged on our door,” said Ricceli, 15. “Then the police arrived.”

The boy vowed he would never go back to the school. “I am not having nightmares because I am not sleeping,” he said. “Every time I close my eyes I can only see those images of gunshots and blood in the corridors.”

Jade Ramos, 12, helped a group of girls who got lost during the shooting spree make their way down a stairwell. Now she fears returning to school. “Every time she closes her eyes she sees and hears the massacre happening again,” said her mother, Lucia Ramos.

News of the school shooting filled the airwaves and newspapers as the country tried to come to grips with a collective sadness it has not shared in years. Over and over again television stations played a video, captured by a security camera, of children running frantically to escape.

The episode sparked cries for more gun control in Brazil as investigators revealed that at least one of the guns that Mr. Oliveira used, a .32-caliber revolver, had been sold to him illegally. The police arrested two men on Saturday in connection with the sale. The other gun, a .38-caliber revolver that Mr. Oliveira reloaded at least nine times using “speed loaders” from a special belt he wore, had its serial number scratched off, the police said.

While concerns persist about heavy arms sales across Brazil’s lengthy borders, most of the handguns used in everyday crime are made here.

An investigation by Brazil’s Congress in 2006 found that 68 percent of a cache of guns confiscated from criminals in Rio de Janeiro had been sold by eight stores in the state, according to Antonio Rangel Bandeira, the coordinator of the Arms Control Project of Viva Rio, a nongovernmental group. He said that arms legislation was not enforced.

As vigils were held for about 10 children still in the hospital, investigators and family members revealed new details about Mr. Oliveira. Police officials said he had been introspective as a boy, methodical and unsociable. Teachers told the police he had been teased and bullied at school for being different.

Family members had chastised him for saying he was impressed by the Sept. 11 terror attacks, and for saying he wanted to send a plane crashing into Rio’s Christ the Redeemer statue.

The police said telephone records showed that in the past eight months Mr. Oliveira had called just one number: a tavern near his home that delivered food.

Roberta Nápolis contributed reporting from Rio de Janiero, and Myrna Domit from São Paulo, Brazil.


Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Canon IXUS 220 HS Review

Canon IXUS 220 HS Review thumbnail

The new Canon IXUS 220 HS is a stylish compact camera that offers an ultra-wide 5x zoom, full 1080p HD movies and a back-illuminated 12.1 megapixel CMOS sensor in a sleek stainless steel body. Retailing for £199.00 / €239.00 / $249.99, read our Canon IXUS 220 HSreview to find out if it offers the perfect balance of form, function and affordability.

The Canon IXUS 220 HS (also known as the PowerShot ELPH 300 HS) is a new sleek, slim and stylish compact digital camera. Key features of the IXUS 220 include a back-illuminated 12.1 megapixel CMOS sensor, 5x 24-120mm lens with an optical image stabiliser, 3.4 frames per second burst mode at full resolution, full 1080p HD movie recording with stereo sound and a HDMI port, and a 2.7 inch LCD screen. Available in silver, red and black, the Canon IXUS 220 HS costs £199.00 / €239.00 / $249.99.

Ease of Use

New for spring 2011, the 12.1 megapixel Canon IXUS 220 HS is another slender pocket zoom compact that goes up against the likes of the Nikon Coolpix S3100 in that respect, whilst offering a slightly better feature set for marginally more money. Just 19.3mm in depth and fashioned from stainless steel to its rival's 18.4mm, like the Nikon the point-and-shoot IXUS 220 HS is being sold in a range of vivid body colours, suggesting all ages and both sexes are being targeted: we had the eye catching scarlet option in for review. Expect to pay a street/online price of around £170 for the privilege.

As with the rest of the IXUS camera range, the 220 HS' glossy exterior disguises the fact that this could be classed as a budget compact option. The 'HS' suffix trumpets the camera's claimed 'High Sensitivity' capability. In terms of specification, this is highlighted via the inclusion of backlit 1/2.3-inch CMOS sensor and its integral Digic 4 processor enabling image noise levels up to 60% lower than its predecessors at higher ISOs (here ISO100 through ISO3200), claims its maker.

The Canon IXUS 220 HS betters the cheaper Coolpix in that its own 5x optical zoom boasts lens shift anti shake, rather than just the digital variety, in part enabling us to achieve consistently sharper results when shooting handheld at the telephoto end. Here the focal range on offer is equivalent to a wide angle 24mm to 120mm, so as adept at landscape shots and group portraits as it is (relatively close) candid photography and pulling objects from a couple of hundred yards away that much closer without actually having to take a couple of steps forward. That's not quite a spec that propels it into travel zoom territory but its diminutive size would suggest a travel companion nonetheless.

A dedicated video record button located in the top right hand corner of the back plate, in lieu of its own option on the shooting mode slider switch, signals the importance leant that facility, as does a mini HDMI port alongside a joint AV out/USB 2.0 port under a rubber flap at the camera's side.

Canon IXUS 220 HS Canon IXUS 220 HS
Front Rear

With the above allowing for instant, one-touch filming no matter what alternative stills shooting mode might have been in play at the time, here that's at a Full HD 1920x1080 pixels and a standard rate of 24 frames per second. Whilst finding Full HD on a budget model is both surprising and welcome, so too is the fact that stereo sound is offered, via two microphones lurking beneath adjacent pin pricks on the camera's top plate. Inevitably, this location means that they pick up the sound of fingers moving around the camera as framing is adjusted, and the low whirr of the zoom making any adjustments, but for this price such grumbles cannot be considered deal breakers.

The low cost also part excuses the fact that the back plate 4:3 aspect ratio LCD, utilized for composition and review in the absence of any separate viewfinder, is a relatively modest 2.7-inches in size on the IXUS 220 HS, and boasts a so-so resolution of 230k dots. It's adequate for purpose and that's about all we can hope for. When recording video the screen display narrows, black bands cropping it top and bottom to provide a 16:9 widescreen aspect.

Although this is very much a snapshot model, it does hold some appeal for action shooters. In terms of stills there's the ability to shoot at 3.4fps at 12 megapixels, or up this to 8fps with the caveat of a fall in resolution to three megapixels as a result. For videographers, there's the ability to record slow motion clips, by virtue of either filming at 320x240 pixels at 240fps, or standard definition 640x480 pixels at 120fps. Canon also throws in what it's terming a Movie Digest feature. With this option selected the camera records a short video burst at the point a still photo is taken. Stitched together these short clips form a little standalone 'movie' that, can, says Canon, tell the story of your day. Handy if you're spending the day sightseeing perhaps.

Held in the palm the Canon IUS 220 HS pulls off that trick of feeling at once lightweight yet reasonably sturdy with it, despite boasting dimensions barely larger than a credit card of 92.2x55.9x19.5m and a weight of 141g with battery and memory card (here SD, SDHC or SDXC).

Canon IXUS 220 HS Canon IXUS 220 HS
Side Top

Nobody will be surprised, least of all us, that there is no actual handgrip or rest of any sort provided on the 220 HS for a firmer grip. Whilst your fingers slide about the smooth, pebble-like faceplate, your thumb comes to rest over the video record button at the back. As this button is level with the body, accidental activation is largely prevented, though it is possible. Should you choose to steady the camera in both hands when taking a shot, the rear screen inevitably becomes smeared with finger and thumbprints. If you really want a small pocket camera, you also have to put up with such design compromises.

From the front the IXUS 220 HS appears friendly and approachable in its simplicity, its lens, retracted within the body when not in use, dominating proceedings, top right of which is a narrow window for the integral flash, with tiny AF assist/self timer lamp peeking out below. This positioning means that when holding the camera in both hands there's the danger of the forefinger of the left hand part obscuring the flash.

The top of the camera also appears fairly simple at first glance, the largest control being the shutter release button, here surrounded by a regulation-issue lever for operating the zoom for added convenience. A raised lip at the front is just large enough to catch the pad of the forefinger. Next to these controls and slightly sunk into the top plate to help prevent accidental activation when transporting the IXUS is the on/off button. Press this and provided time and date have been pre-set, the camera readies itself for the first shot in just over a second – which is fast for its class – lens extending to maximum wideangle setting and the LCD blinking into life with an audio flourish.

Give the shutter release button a half press and after a briefly visible moment of focus adjustment/exposure determining, AF points/s appear highlighted as green squares. Whilst the AF is not lightning fast, it's fast enough for the IXUS 220 HS' class. Press down fully to take the shot and the IXUS takes three seconds to four seconds to write a maximum resolution JPEG to memory, screen blanking out briefly before displaying the captured frame. Again this isn't the quickest we've experienced, but for its class and its price it's hard to justify spitting feathers.

The back of the camera continues the user-friendly ethos with larger buttons than we'd expect to find on a camera with overall dimensions this dinky, meaning that they can be accessed with a thumb press rather than requiring fingernail precision. We've already mentioned the video record button. Ranged parallel to this is a two-setting slider switch for alternating between Smart Auto, the default scene and subject recognizing option for pure point and shoot operation, and Program auto, via which a greater range of hands on control including effects filters can be accessed. Usefully Canon has here given playback a separate button rather than including it on the same switch. This means that if you're replaying a shot when a fresh photo opportunity presents itself, a mere half press of the shutter release button will throw the user back into capture mode.

Canon IXUS 220 HS Canon IXUS 220 HS
Memory Card Slot Battery Compartment

Beneath the shooting mode switch and record button is a familiar control pad. The options ranged around it are the usual suspects of exposure compensation (here +/- 2EV), flash, display and auto/macro focus mode settings. At the centre of the four-way pad is a 'func/set' button. Press this in either shooting mode and a toolbar appears at the left hand side of the screen, rather more densely populated with options when in Program as opposed to Smart Auto mode, which merely allows adjustment of image quality (Fine or Normal) and compression levels (Large, Medium or Small), image aspect ratio (the default 4:3, 3:2, 16:9, or most surprising of all 1:1), self timer, and video resolution (the full 1920x1080, dropping down incrementally to 320x240 pixels).

In Program mode we obviously get all of the above, plus metering options (evaluative, centre weighted average and spot), comprehensive 'My Colors' modes (with 'Vivid' getting the most use during our test period, though leaving this turned off and utilising the camera's default settings produces good results too if plenty of light is available), white balance, ISO, plus the chance to switch from Program to one of the built-in effects filters. Tabbing down the options here we find Movie Digest mode, dedicated portrait and kids and pets scene options, smile shutter, high speed burst shooting, best image selection (the camera choosing the best representation of a given scene from a sequence of shots), handheld night scene, Low Light (three megapixel resolution), plus fisheye, miniature effect, toy camera, monochrome, super vivid and poster effect. The slow motion movie clip option is also squeezed into this comprehensive menu of possibilities.

The last button we haven't yet mentioned on the camera back is the self-explanatory 'menu', tucked into the right hand corner near the base. Press this and we're presented with two folders; one governing image capture and the second the set up folder. In the first folder we have the usual options, including the ability to turn the digital zoom on/off, as well as Canon's i-Contrast mode, blink detection, the ability to call up on-screen grid lines and swap the image stabilization mode between continuous, shoot only (comes into effect when the shutter release button is pressed). The second set up folder allows sound and volume to be controlled LCD brightness adjusted and the memory card in use to be formatted. There's no integral memory offered as a back up.

Whilst the right hand side of the camera, if viewed from the back, features the output ports and a lug for attaching a strap, the opposite flank of the camera is devoid of features entirely. The base of the IXUS meanwhile features a screw thread for a tripod and a covered compartment housing both vacant memory card slot and rechargeable lithium ion cell, good for 220 shots (a coincidence given the model numder?) from a full charge.

Whilst one could criticize the IXUS 220 HS for not exactly being full of surprises, it does the job, doesn't cost a king's ransom and looks reasonably stylish with it. So what of the images it produces. Do they transcend its budget status, or remain in the gutter whilst other digital compacts are grasping at the stars?


Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Estrela da Band, Datena é um dos mais bem remunerados da televisão

Apresentador ganha cerca de 1 milhão de reais por mês, coleciona relógios e está prestes a se mudar para uma mansão avaliada em 3 milhões de reais

João Batista Jr. | 13/04/2011

Datena: 'Se descem o pau em mim é porque incomodo e realizo um bom trabalho'

Datena: 'Se descem o pau em mim é porque incomodo e realizo um bom trabalho'

Mario Rodrigues

O efeito é imediato. Quando José Luiz Datena chega arrastando seu corpanzil de 1,83 metro e 114 quilos pelo estúdio de 90 metros quadrados onde apresenta diariamente o programa policial “Brasil Urgente”, na sede da Band, no Morumbi, a temperatura ambiente de 18 graus parece ficar ainda mais fria. Conhecido pelo temperamento explosivo, o maior astro da emissora, que aparece de terno chumbo, gravata de seda vinho e relógio e pulseiras cintilantes, provoca um clima de tensão.

+ Furos e caneladas de Datena
+ Datena rasga o verbo sobre algumas personalidades

Mario Rodrigues

Em ação no 'Brasil Urgente'

Em ação no 'Brasil Urgente': programa é lider de audiência na emissora, que com ele tem um faturamento diário de 2,2 milhões de reais em publicidade

A equipe de oito pessoas faz silêncio enquanto ele conversa pelo ponto eletrônico com o editor-chefe, Simão Scholz. Às 16h45, quinze minutos antes de entrar no ar, Datena fica por dentro das reportagens do dia. “Essa entra, essa deixamos de lado”, determina à medida que recebe as informações. A vinheta da atração toca. É o aviso de que pelas próximas duas horas e vinte minutos o homem de voz possante vai falar sobre temas como congestionamento, enchente, roubo e assassinato.

O tom do discurso e o gestual do jornalista de 53 anos variam de acordo com sua irritabilidade e com os bordões que solta, muitas vezes com razão no que diz (“Os impostos neste país são uma vergonha” e “Onde estão os direitos humanos da vítima assassinada?” são alguns dos exemplos). Fala sem seguir roteiro e toma duas doses de café puro em um copo de plástico ao longo do programa. “Depois que assumi o horário, a audiência quintuplicou”, afirma, ao final do trabalho. Sob seu comando desde 2003, o “Brasil Urgente” se tornou a atração mais bem-sucedida da Band, com média de 6 pontos de ibope e picos de 10, o equivalente a 580.000 televisores ligados na Grande São Paulo.

Em sua jornada diária de doze horas de trabalho, o apresentador fica quase metade do tempo no ar. A primeira atração que comanda é o programa de rádio “Manhã Bandeirantes”, entre 10 horas e 11 e meia. Depois de um pequeno intervalo, já está na frente das TVs com o “SP Acontece”, das 13 horas às 14h15. Em todos esses momentos, consegue obter uma audiência acima da média, o que se reflete no faturamento de ambos: o dele e o da Band. Somente o “Brasil Urgente” rende uma receita de 2,2 milhões de reais por dia em publicidade.

Com essas credenciais, Datena é hoje um dos profissionais mais bem remunerados da TV brasileira. Entre salário e merchandising, estima-se que ele embolse 1 milhão de reais por mês. “Acho feio ostentar, por isso não falo em números”, avisa, para, em seguida, cair em contradição. “Recebo mais ou menos o que ganha o babaca do Galvão Bueno”, diz, com muita fineza. O narrador esportivo da Rede Globo também está na faixa de rendimento de 1 milhão de reais por mês.

Mario Rodrigues

Sala principal de sua casa

Sala principal de sua casa, em Alphaville: quadros de Che Guevara e Jesus Cristo, entre uma série de objetos comprados na Praça Benedito Calixto, em Pinheiros

Embora seja um sucesso de público, Datena volta e meia leva umas espinafradas da imprensa. Na semana passada, por exemplo, ao se referir à série de catástrofes que vem assolando o planeta, o colunista José Simão, da “Folha de S.Paulo”, escreveu que “o mundo datenou”. O apresentador não acusa o golpe. “Tenho meu público, respeito os direitos humanos e as leis de Deus e não passo por cima de ninguém”, afirma. “Se descem o pau em mim, é porque incomodo e realizo um bom trabalho.”

Ele se esforça para fazer jus à fama de ser um dos jornalistas mais truculentos e encrenqueiros da cidade. Certa feita, cansado de ser interrompido pelo apresentador, um entrevistado virou as costas e o deixou falando sozinho no ar. Por causa de suas opiniões fortes, também já bateu de frente com uma série de figuras, como o ex-jogador Ronaldo (na opinião de Datena, ele não passa de “um puxa-saco da Globo”). Seu público vibra a cada uma dessas oportunidades. “Esse cara tem coragem de dizer o que a população pensa”, acredita Natalício Bezerra Silva, presidente do Sindicato dos Taxistas de São Paulo.

Mario Rodrigues

Quadro do artista catalão Isidro Cistaré

Quadro do artista catalão Isidro Cistaré: consumidor compulsivo

O estilo desbocado não rendeu apenas desafetos. De tempos em tempos, Datena consegue, em primeira mão, notícias exclusivas e relevantes, que repercutem em vários lugares. Em março de 2010, José Serra assumiu numa entrevista a ele que seria o candidato tucano a disputar a Presidência da República. Na semana passada, foi a vez de o técnico Muricy Ramalho escolhê-lo para dizer que vai comandar o Santos. “Ao contrário do Ratinho e do Gilberto Barros, que são uma espécie de animador de auditório, o apresentador tem experiência de três décadas como jornalista”, avalia Eugênio Bucci, autor de diversos livros sobre ética na imprensa. “Mas não podemos esquecer que a base de sua receita é o sensacionalismo puro.”

Filho de uma costureira de bola de capotão e de um segurança, Datena nasceu em uma família de classe média baixa de Ribeirão Preto (SP). Ainda jovem, arrumou um emprego em uma rádio e, aos poucos, seu vozeirão ganhou prestígio na região. Foi convidado para trabalhar como repórter da Globo local e, depois, migrou para fazer exclusivamente jornalismo esportivo, já na Band. “Ele sempre teve o dom da comunicação”, diz a dona de casa Matilde, sua mulher há 34 anos.

Mario Rodrigues

Cabeceira da cama

Bússola que indica a direção de Meca, Padre Cícero e fotografias antigas na cabeceira da cama

No fim da década de 80, a convite do atual ministro Antonio Palocci, colega e conterrâneo de Ribeirão Preto, filiou-se ao PT. A ideia dele era transformá-lo em candidato a vereador da cidade. Datena, porém, nem chegou a tentar. “Política não tem nada a ver comigo”, afirma. Mesmo na condição de repórter esportivo da Band entre 1990 e 1996, sua família vivia no aperto. Tentou seguir a carreira na Record, mas, dois anos depois da transferência, a emissora decidiu demitir seus quinze repórteres esportivos. Datena foi o único que escapou do corte, sendo reaproveitado no “Cidade Alerta”, um dos precursores do gênero “mundo cão” na TV. “Caí de gaiato na cobertura policial”, diz ele. Com menos de um ano no ar, virou um sucesso e passou a receber salário de 60.000 reais mensais.

Tal qual um jogador de futebol, seu primeiro investimento foi um carrão. No caso, uma Grand Cherokee branca. De lá para cá, Datena não parou mais de gastar. Estão estacionados em sua casa de 500 metros quadrados, em Alphaville — de onde vai se mudar dentro de dois meses para outra ainda maior, em um condomínio no Morumbi, avaliada em 3 milhões de reais —, dois Audis (Q7 e A8) e dois BMWs (X6 e 550i). Todos blindados.

Os relógios são outra obsessão. Datena tem uma coleção de cerca de cinquenta modelos, entre eles Rolex, Montblanc e Tag Heuer. Ele costuma fazer aquisições de forma compulsiva, assistindo aos canais de leilão em TV por assinatura. Quando acorda no meio da madrugada, desce até a sala principal da sua casa, decorada com imagens de Jesus Cristo e de Che Guevara, e começa a zapear as melhores ofertas. “Insônia é sinônimo de prejuízo”, admite. “Parcelado em dez vezes, um Rolex até que não fica tão caro.”

Mario Rodrigues


Em casa, à paisana: ele tatuou o nome de Cristo no antebraço depois de remover um tumor do pâncreas, em 2006

Volta e meia, quando algum amigo comenta que achou bonito o relógio que brilha em seu pulso, Datena arranca o acessório para dar de presente. “Já ganhei mais de vinte”, diz o amigo e jornalista Jorge Kajuru, conhecido por seus exageros. “Isso sem falar que ele pagou uma dívida minha de 700.000 reais.”

O estilo mão-aberta faz de Datena a alegria dos garçons dos restaurantes em que aparece. “Em média, ele deixa 200 ou 300 reais a quem o atende aqui no Jardim de Napoli”, conta Antonio Buonerba, dono do estabelecimento de Higienópolis. Mas o esquema é toma lá dá cá. Volta e meia, pede por telefone que lhe entreguem em casa — que fica a 23 quilômetros de distância — um prato de polpetone, o carro-chefe do restaurante.

Quando fala fora do ar sobre temas como a segurança pública, suas opiniões podem surpreender. Datena diz ser contra a pena de morte e acha que a questão da criminalidade somente será resolvida com o combate à miséria. Ele só não poupa o tráfico de drogas, um problema que provocou uma tragédia em sua família.

Durante um tempo, Vicente, um de seus cinco filhos, foi viciado em crack, mas se curou depois de um tratamento numa clínica de reabilitação. “Esse inferno acabou há dez anos”, diz o apresentador. “Foi a pior experiência da minha vida.” Hoje, Vicente tem um restaurante próprio em Goiânia. Com “ódio mortal” de traficantes, Datena admite ter provado cigarro de maconha em duas ocasiões, ainda na adolescência. “Detestei e não recomendo a ninguém.”

Os muitos anos de uma rotina estressante, aliados à falta de cuidados com a saúde, estão lhe cobrando um preço alto. Teve um tumor benigno removido do pâncreas em 2006 e convive com uma hérnia na barriga que precisa ser operada, além de sofrer de diabetes. Ele se aplica cinco doses diárias de insulina, no total de 88 mililitros, para controlar sua taxa de glicemia, de 350 miligramas por decilitro de sangue (o normal é entre 70 e 100). Também toma outros quinze remédios para controlar a pressão alta.

O lado bom de todo esse desconforto é ter abdicado de um estilo de vida desregrado. “Não bebo mais feito um doido e hoje sou completamente fiel à minha mulher”, diz. A maior reclamação de Datena é em relação à carga pesada de trabalho. “Não aguento mais apresentar o ‘Brasil Urgente’”, confessa. “Mas aqui na Band não me deixam fazer outra coisa”, finaliza ele, espécie de refém do próprio modelo policialesco que ajudou a criar. E, em contrapartida, o transformou em um encrenqueiro milionário.


IDADE: 53 anos
PESO: 114 quilos
ALTURA: 1,83 metro
NATURAL DE: Ribeirão Preto (SP)
FORMAÇÃO: fez três anos do curso de direito na Universidade de Ribeirão Preto, sem concluir
SALÁRIO: estimado em 1 milhão de reais por mês
IBOPE: seu programa "Brasil Urgente" é o de maior audiência da Band, com média de 6 pontos de ibope e picos de 10
JORNADA DE TRABALHO: doze horas diárias, das quais mais de cinco horas ao vivo, revezando-se entre rádio e TV
ESTADO CIVIL: é casado com a dona de casa Matilde há 34 anos. Eles ficaram separados entre 1986 e 1987. Nesse período, Datena morou com a jornalista Mirtes Wiermann
FILHOS: Joel, 33 anos, Vicente, 29, e Junior, 22 (filhos com Matilde), e Marcelo, 24, e Letícia, 23 (filhos com Mirtes)
NETOS: André Luís, 10 anos, Bárbara, 8, e Neto, 4, todos filhos de Joel
PROBLEMAS DE SAÚDE: removeu um tumor benigno do pâncreas em 2006. Sofre de pressão alta e diabetes — sua taxa de glicemia é de 350 miligramas por decilitro de sangue (o normal é entre 70 e 100)
VAIDADE: comprar relógios em leilões promovidos por canais de TV por assinatura. Tem mais de cinquenta modelos de marcas como Rolex, Montblanc e Breitling
CARROS: Q7 e A8, da Audi, X6 e 550i, da BMW
CASA: mora em uma casa de 500 metros quadrados em Alphaville, mas vai mudar-se daqui a dois meses para outra em um condomínio no Morumbi cujo valor estimado é de 3 milhões de reais. Tem propriedades em Goiânia, Florianópolis e Guarujá
RESTAURANTES PREDILETOS: Jardim de Napoli, Gero e Novilho de Prata
HOBBY: ler livros sagrados, como a "Bíblia", o "Alcorão" e a "Torá"


Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Homem abre fogo e mata 6 em shopping na Holanda

Atirador que teria cerca de 25 anos se suicida após ataque que causou pânico no subúrbio de Amsterdã

iG São Paulo | 09/04/2011 10:26 - Atualizada às 15:21


Foto: AP

Equipes dão assistência médica a um dos feridos em shopping na Holanda

Um homem armado abriu fogo em um shopping no subúrbio de Amsterdã neste sábado, deixando seis mortos e 15 feridos antes de se suicidar. O atirador já foi identificado, mas a polícia afirmou apenas que ele nasceu em Alpheen aan den Rijn, a menos de 25 quilômetros da capital holandesa, onde o ataque ao shopping Ridderhof aconteceu.

Testemunhas disseram que ele aparentava ter cerca de 25 anos, tinha cabelos loiros e vestia uma jaqueta de couro. Segundo a polícia, ele teria antecendes criminais.

Em entrevista à TV holandesa, uma testemunha contou que o atirador parecia disparar aleatoriamente. "Houve pânico no shopping. Muitas pessoas começaram a correr", afirmou Maart Verbeek, que é dono de um pet shop. "Eu vi o atirador chegando e corri para a loja...ele tinha uma metralhadora."

Do lado de fora do shopping, curiosos aguardavam por informações. "Você ouve falar sobre coisas desse tipo que acontecem nas escolas americanas e acha que é um mundo distante", afirmou Rob Kuipers, 50 anos. "Agora aconteceu aqui na Holanda."

O prefeito de Alphenn aan den Rijn, Bas Eeenhoorn, classificou o incidente de "desastre de proporções sem precedentes" para a cidade. "Com tanta gente passeando no shopping Ridderhof hoje, incluindo parente e crianças, trata-se de uma situação incompreensível", afirmou.

Com AP


Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Casal tentou abortar uma das trigêmeas, diz juiz do Paraná

Documento mostra que casal só se arrependeu do abandono quando a Justiça resolveu tirar a guarda de todas as crianças

Luciana Cristo, iG Paraná | 08/04/2011 18:03


Os pais mantiveram-se irredutíveis em relação à desvinculação afetiva com relação a uma das filhas trigêmeas"

O casal que quis abandonar uma das trigêmeas em um hospital de Curitiba, depois de fazer inseminação artificial, procurou clínicas fora do País para tentar abortar a gestação. A afirmação consta em despacho judicial de 14 de março, consultado pela reportagem do iG no Diário Eletrônico de Justiça do Paraná.

Depois de terem implantado quatro óvulos, três fertilizaram e os pais então disseram que queriam apenas dois dos três bebês. Entretanto, desde que iniciaram o procedimento de inseminação artificial, os dois – uma economista e um nutricionista – sabiam que o processo poderia gerar até quatro bebês. A informação foi confirmada pelo médico geneticista que atendeu o casal, Karan Abou Saad.

Laudo feito por uma psicóloga e que consta no documento da Justiça atesta que, durante a gestação, foram atrás de meios para abortar o terceiro bebê em outros países. De acordo com informações que constam no despacho, nem parentes do casal sabiam da existência da terceira criança e foram orientados a não visitar os bebês na maternidade.

Leia também: Casal que abandonou bebê está arrependido, diz advogada

“Sendo assim, optamos por entrar em contato com o conselho (tutelar) para nos orientar nessa difícil situação, onde acreditamos que estes pais não possuem saúde mental para crias estas meninas, e acreditamos que elas não merecem ser separadas. Ambos possuem situação financeira estável", afirma a psicóloga. Os pais dos bebês foram considerados incompetentes para maternidade e paternidade, segundo o laudo psicológico.

Os dois também teriam insistido no abandono da terceira criança. “Os pais mantiveram-se irredutíveis em relação à desvinculação afetiva com relação a uma das filhas trigêmeas”, diz o documento.

O arrependimento do casal com a atitude que tomaram, descrito pela advogada deles, Margareth Zanardini, apareceu somente após as crianças terem sido mandadas para um abrigo de Curitiba, conforme determinação judicial. As três meninas, que nasceram prematuras, foram encaminhadas para um abrigo com apenas 29 dias de vida, no final de fevereiro.

A doação dos bebês

Cinco meses antes de as meninas nascerem, no dia 9 de agosto de 2010, foi feito o primeiro documento pelos pais dizendo que queriam doar uma das trigêmeas. O pedido foi reafirmado no dia 18 de fevereiro, desta vez já com a escolha de qual bebê seria abandonado. Oito dias depois, os pais voltaram atrás e disseram que não queriam mais deixar uma das crianças para adoção. Mas aí a Justiça já tinha decidido tirar os três bebês da família.

A devolução das crianças aos pais ou o pedido de amamentação, feito diversas vezes pela advogada nas últimas semanas, em primeiro e segundo grau de jurisdição, foram todos negados até agora. “Conforme se vê, todos os atos que importaram na privação da convivência dos pais com as trigêmeas resultaram dos métodos adotados pelos genitores para escolher qual filha seria rejeitada e posta à adoção que, segundo o representante do Ministério Público, seriam completamente incompatíveis com o exercício da paternidade e maternidade”, diz a Justiça.

Enquanto a defesa diz que a decisão da Justiça foi muito drástica e precipitada, o desembargador Ruy Muggiati, que assina o despacho, contesta as afirmações e diz que não há no procedimento “qualquer ato arbitrário ou ilegal da autoridade pública a permitir a impetração do presente remédio constitucional”. O processo tramita na 1ª Vara da Infância e da Juventude.

O argumento da advogada de defesa, que também consta no despacho, é de que a decisão de colocar uma das meninas para adoção teria partido do pai e que não houve compreensão sobre isso. “O pai induziu a genitora a dar uma das meninas para adoção e, apesar de o caso ser inédito, os pais ficaram incertos em qual criança entregar, ao invés de receberem tratamento psicológico, foram taxados de insensíveis”, diz a advogada do casal no processo.

Procurada, a advogada não quis conversar com a reportagem do iG nesta sexta-feira.


Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Modelo brasileira cai do 15° andar e morre em Lisboa

09 de abril de 2011 12h21 atualizado às 16h32

A modelo brasileira Jeniffer Viturino estampa capa de revista portuguesa. Foto: Reprodução

A modelo brasileira Jeniffer Viturino estampa capa de revista portuguesa
Foto: Reprodução

Luciano Alarcón

A modelo brasileira Jeniffer Viturino, 17 anos, sofreu uma queda do 15° andar de um prédio de luxo em Lisboa, no início da manhã dessa sexta-feira e morreu. A jovem estava no apartamento do namorado, um empresário português.

A investigação está a cargo da Polícia Judiciária, que no início levantou a hipótese de suicídio. No entanto, o Instituto Médico Legal encontrou hematomas no corpo da jovem. A polícia não quis dar mais informações sobre o assunto e diz que desconhece os motivos que ocasionaram a morte da jovem.

De acordo com Silas Leite, conselheiro de plantão do Consulado brasileiro em Lisboa, o órgão ainda não foi informado sobre a morte da brasileira.

O fato ocorreu em um edifício de luxo próximo ao antigo Parque das Nações, região nobre de Lisboa, onde reside o namorado da modelo, um empresário ligado à aviação civil. Ele é dono de todo o 15° andar do edifício.


Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

PF propõe nova investigação sobre o mensalão no BB

09 de abril de 2011 | 10h 51
AE - Agência Estado

Uma série de investigações iniciadas no rastro do esquema do mensalão do PT, ocorrido em 2005, pode originar novos inquéritos na Justiça. O relatório concluído em fevereiro pela Polícia Federal e encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF) propõe novas investigações sobre as contas do Banco do Brasil, depósitos e repasses feitos pelo PT, indícios contra ex e atuais parlamentares e suspeitas sobre a Secretaria de Fazenda do Distrito Federal no governo Joaquim Roriz, além de repasses feitos para meios de comunicação em diversos Estados.

Apesar de serem resultado da investigação iniciada após a descoberta do mensalão, o relatório da PF e as novas investigações propostas ao Ministério Público não têm relação direta com a ação principal que tramita no STF, envolvendo 38 acusados no esquema de corrupção montado no governo Luiz Inácio Lula da Silva. Os novos indícios encontrados pela PF fazem parte do inquérito aberto no Supremo para apurar a origem dos recursos do mensalão. Não são, portanto, o relatório final do mensalão.

O delegado da PF encarregado da investigação, Luís Flávio Zampronha, adiantou no relatório que um inquérito policial já foi aberto, por determinação do Ministério Público, para "apurar a responsabilidade dos servidores do Banco do Brasil nas irregularidades envolvendo seus contratos de publicidade e propaganda". Essa investigação torna-se mais relevante porque a PF concluiu que parte dos recursos do mensalão, esquema supostamente montado pelo empresário Marcos Valério e pelo ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, era de dinheiro público vindo do Fundo Visanet e do orçamento próprio do Banco do Brasil.


Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Ator Sérgio Britto está internado em hospital no Rio de Janeiro

Da Redação

  • Rafael Andrade/Folhapress

    Ator Sérgio Britto está internado em hospital no Rio de Janeiro

    Ator Sérgio Britto está internado em hospital no Rio de Janeiro

O ator Sérgio Britto, 87 anos, está internado desde o dia 3 de abril no hospital Copa D'or, no Rio de Janeiro.

Britto foi hospitalizado na Unidade Neurointensiva com um edema leve na cabeça após sofrer uma queda. Durante a internação, no entanto, o ator adquiriu pneumonia.

De acordo com a assessoria de imprensa do hospital, o ator está lúcido, respirando sem ajuda de aparelhos e seu estado é estável. Não há, porém, previsão de alta.

Na televisão, Sérgio Britto é conhecido por atuações em minisséries, como "Memorial de Maria Moura" e "Chiquinha Gonzaga", e na novela "A Indomada".


Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters

Polícia vai apurar declarações de suposto melhor amigo que revela detalhes do passado religioso de atirador do Rio

Hanrrikson de Andrade
Especial para o UOL Notícias
No Rio de Janeiro

Tiroteio em escola no Rio de Janeiro

Foto 160 de 176 - 8.abr.2011 - Moradores de Realengo, zona oeste do Rio, fazem homenagens às vítimas da tragédia da última quinta-feira (7) em frente à escola municipal Tasso da Silveira Mais Zulmair Rocha/UOL

A Polícia Civil do Rio de Janeiro vai apurar as informações de um homem que teria sido o melhor amigo de Wellington Menezes de Oliveira, o atirador que invadiu a escola municipal Tasso da Silveira, em Realengo, zona oeste do Rio, na última quinta-feira (7) matando 12 alunos. Oliveira também morreu na ação.

O UOL Notícias conversou com o suposto amigo, que aqui será identificado como G.S. Ele afirmou que também foi aluno da escola Tasso da Silveira e que conhecera Wellington em um templo das Testemunhas de Jeová, há cerca de quatro anos. Segundo o rapaz, que é mais velho do que o atirador, eles rapidamente se identificaram pela devoção religiosa e pelo fato de ambos terem sofrido bullying durante os anos nos quais estudaram na unidade educacional.

Durante a conversa, ele fez pelo menos quatro menções a passagens da Bíblia –como esta dos Coríntios: "Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes"– e também citou pontos abordados na carta deixada por Oliveira, como a questão da pureza.

"Aquele colégio era cheio de garotas ‘fogosas’. O pessoal até achava que eu era gay, pois as meninas chegavam passando a mão e eu me mantive puro, pois a fornicação é condenada pela sagrada escritura", disse G.S.. Na carta de suicídio, o atirador também usou o verbo "fornicar" de forma a condenar a prática sexual.

De acordo com o amigo, o templo que ambos frequentavam ficava em Realengo, mas acabou se transferindo para outro bairro, não identificado, da zona oeste. G.S. contou que ele, Oliveira e outros jovens foram expulsos em 2008 da entidade por uma determinada liderança religiosa, que ele não quis citar o nome. Em tese, eles teriam entrado em conflito com o "superintendente" das Testemunhas de Jeová na região.

"Ele me expulsou porque eu discordava do discurso mentiroso dele, ele queria que eu fizesse tudo o que os anciões mandam. (...) Por isso ele me considera até hoje um inimigo do templo", alegou, novamente sem identificar os envolvidos.

G.S. afirma que a pressão religiosa foi fundamental para a construção da personalidade criminosa de Oliveira. Ele diz que não esperava que o amigo fosse capaz de invadir uma escola e disparar contra crianças, mas afirma que chegou a suspeitar que Oliveira pudesse cometer algum crime, já que formulava ideias terroristas.

O amigo citou ainda o nome de uma suposta seita que o atirador começou a seguir pela internet: "Os 13 Iluminados". O rapaz associou o massacre de Realengo com o atentado terrorista contra as torres gêmeas de Nova York, no dia 11 de setembro de 2001. "Tudo aconteceu no dia 7 de abril [o massacre na escola]; se você somar sete e quatro são 11. Quantas mortes foram confirmadas até agora? 13. Qual é o nome da seita que ele seguia? Os 13 Iluminados. Tudo está ligado", afirmou. Em tese, o criminoso teria queimado o próprio computador para que a seita não fosse investigada. A reportagem tentou saber mais detalhes sobre a suposta seita –que não foi localizada pela internet –, mas G.S. não deu mais informações.

O amigo de Oliveira também chegou a insinuar uma espécie de "justiça" em relação aos seguidores das Testemunhas de Jeová, dando a entender que o massacre em Realengo seria uma resposta "àqueles que se colocam acima de Deus".

O rapaz, que disse trabalhar no meio artístico, não segue religião alguma atualmente, mas explica que, desde que fora expulso das Testemunhas de Jeová, já passou por mais de 15 igrejas diferentes, a maioria evangélica.

G.S. afirma que perdeu contato com Oliveira há cerca de dois anos. O atirador era filho adotivo do casal Guido Bulgana Cubas de Oliveira e Diceia Menezes de Oliveira, e cresceu em Realengo, mesmo bairro da escola que foi palco do massacre. A mãe adotiva, que também era seguidora de Testemunhas de Jeová, morreu há dois anos. Em entrevista à rádio Band News, uma das irmãs de Oliveira, Roselane, de 49 anos, contou que o rapaz estava morando sozinho em Sepetiba há algum tempo.

G.S. diz que chegou a frequentar a casa de Oliveira no período no qual o criminoso morava em Realengo, tendo contato com os familiares. "Ela [mãe adotiva do atirador] me ensinou a fazer cuscuz", relatou.

Vizinha diz que amigo é “perturbado”

Uma das vizinhas de G.S., que preferiu não se identificar, disse que o rapaz sempre apresentou comportamento estranho. "Ele é perturbado, tão estranho quanto esse Wellington", afirmou.

Segundo esta vizinha, toda a família do rapaz segue as Testemunhas de Jeová e por isso não falaria com ela, que é de outra religião.

Os investigadores do massacre na escola afirmaram que pretendem checar a veracidade das declarações até a próxima semana e passá-las à chefia da Polícia Civil, que dará continuidade ao processo.


Sphere: Related Content
26/10/2008 free counters